4 O IMPERADOR – DALETH


caminho 4 imperador

1.1    Elementos constitutivos ou relacionados

Sephirah: Hesed no primeiro ciclo
Signo do sendeiro: n/c
Elemento zodiacal: n/c
Trilogia elem. sephirótico: Fogo da Água no primeiro ciclo
Planeta do sendeiro: Marte
Inteligência Geomântica: Zamael (זמאל)
Velas:  3 vermelhas
Incenso: [Sândalo, acácia, cipreste, absinto, balsamo e também a pimenta, a cebola]
Letras: Daleth-Lamed-Teth
Gemátria: 4+30+400 = 434 = 4+3+4 = 11 = 1+1 = 2
Valor numérico: 4
Armas mágicas: A Espada.
Poder mágico ou oculto: Obras contra Ira e Vingança.
Forças em ação: A força de Hochmah que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Binah pelas vias de Geburah-Marte.
Sendero: 14, que une Hochmah a Binah.
Texto yetzirático: O 14º caminho é a Inteligência Iluminante e é assim denominado porque é esse Chasmal o fundador das ideias ocultas e fundamentais da Santidade e de suas fases de preparação, ou seja, o instituidor dos Arcanos, o fundamento da Sabedoria.
Cor em Atziluth: Escarlate
Cor em Briah: Vermelho
Cor em Yetzirah: Vermelho veneziano
Cor em Assiah: Azul ou esmeralda rajado de vermelho brilhante

 

1.2    Caminho 14º

O Imperador = A sabedoria e a Fonte da Misericórdia operando sobre a Inteligência, a esfera do Zodíaco atuando através de Marte sobre Saturno. “He” do Mundo de Atziluth atuando através de Marte sobre o “Vô” do Mundo de Atziluth, Água do Fogo atuando através de Marte sobre o Ar do Fogo. Hochmah o centro produtor de Amor-Sabedoria atuando através de Marte sobre Binah, o construtor do universo.

 

Caminho 4O 14º caminho é a Inteligência Iluminante e é assim denominado porque é esse Chasmal o fundador das ideias ocultas e fundamentais da Santidade e de suas fases de preparação, ou seja, o instituidor dos Arcanos, o fundamento da Sabedoria.

 

Enquanto o caminho 27º (base do triângulo mágico) trata da personalidade e o 19º (base do triângulo ético) da individualidade, o caminho 14 (base do triângulo Logoico) cuida de dar suporte ao espírito, daí a força Marciana para auxiliar nesta sustentação.

O termo Chasmal quer dizer “Brilhante”, mas refere-se a um “Brilhante fundador das ideias ocultas e fundamentais da santidade” porquanto estas ideias são fruto da união entre Inteligência e Sabedoria de modo que sua brilhantez tem sua origem em Hochmah e sua praticidade em Binah que lança suas trevas para que a Luz brilhe com mais intensidade e, assim, dê a forma a esta Luz obscurecida com a roupagem material. A ligação marciana promete ainda muita atividade nesta alquimia que por situar-se inteiramente no Mundo Arquétipo indica santidade, eis que, está a iniciar o processo de manifestação em uma primeira oportunidade.

Percebemos ainda neste caminho a presença da polaridade, posto que, temos Abba em Hochmah, uma figura masculina barbada e em Binah nos deparamos com Aima uma figura feminina e que ambos já são maduros o que indica um estado espiritual bastante avançado: não é por acaso que se esteja próximo a Kether. Nos damos conta ainda, nesta polarização da sexualidade santificada (aquela que não decorre dos instintos animais) de um anelo superior, como a excitação sexual (masculina) que ocorre antes do amanhecer do dia, mais ligado a espiritualidade – quando a Luz surge da obscuridade -, em que não há qualquer provocação dos sentidos, diga-se de passagem, o melhor horário para a Magia Sexual.

No sentido ascendente trata-se do canal que leva Binah a Hochmah pelas vias marcianas, uma porta de batalhas na busca da santidade e dos estados preparatórios em que se atua com entendimento (Binah) e sabedoria (Hochmah) para se chegar à iluminação da Visão de Deus face a face.

No 12º sendeiro (Inteligência da Transparência ou da Luz Kether-Binah) o iniciado recebia a inteligência da Vontade primordial, aqui, a inteligência de Binah é tocada pela graça de Hochmah e por ela é iluminada de modo que o Amor-sabedoria converte-se em Lei ou seja é interiorizada de modo a funcionar em uníssono com a harmonia universal que permite traduzir ao mundo cristalizado os mecanismos que se operam nas esferas superiores. Neste escopo obram os Tronos e os Querubins.

A nível humano, se o iniciado conseguiu receber a Inteligência da Vontade primordial no caminho 12º, se foi instituído a Luz (Kether) em Inteligência (Binah) que proceda esta compreensão, então, entram em ação a Inteligência Iluminante (14º sendeiro – Hochmah a Binah) e serão colocados em marcha os mecanismos deste sendeiro que levará à perfeição aquilo que tenhamos iniciado. Toma-se a inteligência do 12º caminho (da Luz) como a cristalização da força primordial (Kether) por Binah, e chegando esta Luz ao mundo físico, então as forças deste sendeiro promoverão que esta criação seja iluminada e se disponha a todos os que dela queiram participar de modo que com esta força possamos tornar as circunstâncias propícias as nossas empresas. A Sabedoria Divina (Hochmah) se fundamenta e se institui na condição de que haja um veículo apropriado para conte-la tal como a Água que se adapta a qualquer vasilhame, ou seja, ao processo de santificação, tudo de acordo com a Lei Universal (Binah).

Este sendeiro e ativado pelos Querubins (Hochmah) e pelos Tronos (Binah) conjuntamente. O caminho de ida pela árvore é regido pelo Querubim o 10 2->3: ALADIAH e o caminho de volta pelo Trono 17 3->2: LAUVIAH.

Os aspectos entre Urano e Saturno, tais como quadratura, conjunção ou oposição, no mapa natal são indícios de que o indivíduo está trabalhando neste sendeiro.

 

1.3    Letra-força ד

A letra força Daleth é uma letra dupla, cujo valor é igual a 4, e expressa hieroglificamente o seio que alimenta, a ideia de produção de alimentos em abundância. Isto nos remete a criança fruto do antagonismo dos sexos e que os mantêm unidos pelo resultado.

Temos então o Tetragrammaton em todo o seu ciclo: יהוה – “Yod-He-Vô-He” onde “Yod” é o elemento ativo; o “He” elemento passivo; em “Vô” a união dos dois primeiros e, no segundo “He” os frutos da operação. Perceba que se trata de uma criação divina, segundo a ordem natural e que aqui se realiza pelos seres criados – na relação humana seria: homem, mulher, falo, útero ou homem, mulher, união sexual e fruto.

1.4    Imagem, figura

imperadorO Imperador aparece sentado ou encostado sob uma pedra cúbica 4 O imperadorperfeitamente trabalhada, ou seja, em posição estável, indicando um poder que emana da vontade, atributo masculino. De sua cabeça sobressai uma serpente, mais uma vez o símbolo da maestria. Na mão direita retém o báculo do poder.

Em algumas cartas o báculo e terminado por uma cruz (quatro elementos, animais, idades, fases da Lua, estações do ano, etc.) e encimado por uma esfera ou círculo símbolo do espírito sobre a matéria em outras está invertido. A cruz é ainda um símbolo sexual do cruzamento Lingam-Yoni (falo útero – ambos unidos formam uma cruz) refere-se a magia sexual.

caminho 4 imperadorO quatro é tido como o número do ciclo perfeito por representar a cruz filosófica, o fogo Elemental dos sábios, a quadratura do círculo onde a energia sexual transmutada faz girar os chacras. Então temos também a representação da cruz que simboliza o quadrado e o círculo, o número quatro é a cruz encimada pelo triângulo uma simbologia do Espírito dominando a matéria.

No taro egípcio, no interior da pedra há um gato e uma simbologia do elemento Fogo, em outras versões da lâmina aparece a ave fênix (que renasce das próprias cinzas: INRI, “In Necis Renascor Integer”, “na morte renascer intacto e puro” – o ego morre e daí nasce o Cristo). A árvore renasce pela semente de seu fruto – a semente morre e, então, nasce o germe.

1.5    Elemento, ciclo zodiacal, planeta

Na ordem dos elementos, Daleth corresponde ao ponto de transição entre o Fogo e a Água em Hesed, um ciclo que termina e outro se inicia.

Na trilogia dos elementos: Hesed está relacionado ao signo de Cancer.

No ciclo zodiacal יהוה – “Yod-He-Vô-He”, equivale a transição do signo de Sagitário (o último do Fogo) para o de Câncer (o primeiro da Água).

No ciclo Sepher Yetzirah não tem correspondência zodiacal, somente planetária.

Na ordem planetário representa a Marte, o quinto dos sete planetas exotéricos, na ordem proposta por Ptolomeu que colocou os planetas em ordem crescente a partir da Terra. Marte realiza com as forças de Daleth as funções de justiça, correção dos erros, retificação no resultado tangível da ação das três forças anteriores de modo que o fruto seja o desenlace de uma atuação consciente.

 

1.6    Descrição Sephirótica:

Daleth tem relação direta com o quarto Sephirah Hesed. Se Beth pode ser representada por uma mulher grávida e em Binah o parto se realiza então em Hesed o fruto se manifesta, isto é, quarta letra-força representa o resultado tangível da ação das três forças anteriores. Da união (Ghimel) das duas forças anteriores (Aleph e Beth) houve uma mudança devido a composição das forças em ação e Daleth reflete o resultado destas alterações.

Estas mudanças de situação pressupõe também uma alteração nos resultados e ações futuras de modo que ao mesmo tempo em que Daleth é um reflexo destas transformações é o ainda portador de novos Germes assim como ocorre com as frutas que, se constitui o produto final de um ciclo, também carrega em si a semente de uma nova formação.

Daleth está sempre relacionado a abundância paradisíaca já que é o primeiro resultado da formação יהוה – “Yod-He-Vô-He” não havendo nenhuma formação kármica anterior. Hesed-Daleth representam, portanto, o fim e o início de um novo ciclo. Também é a segunda manifestação de Kether (Fogo do Fogo em Atziluth) como “Yod” já que nesta representação e o primeiro do Mundo de Briah a semente “Yod” deste mundo como o Fogo da Água.

Como aqui ocorrem os primeiros frutos é de se esperar que o homem se torne consciente de suas obras, de seus poderes, de sua atuação inconsciente anterior que deram aso aos resultados.

Aqui as virtudes de Hochmah (Água do Fogo) se comunicam com Hesed (Fogo da Água) no Mundo aquoso de Briah de modo que a Água e o Fogo se unem em abundância e plenitude sob os auspícios de Daleth.

Ao fazermos a soma cabalística do arcano nº 4 teremos:

1 + 2 + 3 + 4 = 10,

Verificamos ainda que 10 = 1 + 0 = 1, a Kether ou a Mônada.

O Tetragrammaton é igual à Kether ou a Mônada. Em quase todas as línguas, o nome de Deus é composto por quatro letras. O grande arcano mágico está contido cabalisticamente nas quatro letras do Tetragrama sagrado יהוה – “Yod-He-Vô-He” no movimento da cruz que faz a energia se movimentar produzindo a quadratura do círculo – INRI (Ignis Natura Renovatur Integra): o Fogo renova incessantemente a Natureza.

Então cada uma das quatro letras corresponde ao nome divino, a todo um ciclo de criações e, se considerarmos cada força, separadamente, corresponde a manifestação de um Sephirah, em seu conjunto eles expressam as potencialidades de Kether e seu atributo יהוה – “Yod-He-Vô-He” onde “Yod” e a Vontade; “He” o  amor sabedoria; “Vô” o sacrifício da Luz em prol a materialização da Vontade nos mundos mais abaixo e o segundo “He” o fruto, a multiplicação.

Assim temos à vontade em quatro momentos:

1º) Vontade de vontades – “Yod – Yod”;

2º) Vontade de amor “Yod – He”;

3º) Vontade de sacrificar ou de limitar a um domínio determinado “Yod – Vô” e,

4º) Vontade de multiplicação e abundância, de ressurgimento “Yod – He”.

Dessarte, com o Imperador cobrimos o estado do Fogo que abrange o Mundo das emanações – Atziluth bem como ao primeiro estágio de Briah ou seja: Aleph (Fogo do Fogo), Beth (Água do Fogo), Gimel (Ar do Fogo) e Daleth (Fogo da Água) que se referem as quatro primeiras lâminas do tarô simbolizados por: o Mago, a Sacerdotisa, a Imperatriz e o Imperador.

Axioma transcendente: “ao trabalho das tuas mãos, dá a tua bênção e no pensamento põe coração”.

1.7    Significado no jogo

Significa o final de uma operação em primeira fase com o resultado bem-sucedido liberando-se assim para o início de uma segunda fase.

Se na faze anterior os trabalhos eram efetuados de modo inconsciente sendo o homem um instrumento do alto, nesta etapa ocorre uma parceria, no entanto cabe lembrar que a ignorância e a falta do protagonismo nas decisões anteriores protegiam o inocente, não ensejava karma, o que passa a ocorrer doravante.

De outro lado esta parceria que une a vontade do homem com a vontade de cima produz grandes realizações. Por isto o imperador é considerado como uma carta de muita sorte, de fecundidade futura.

Resumindo as quatro primeiras cartas podemos dizer que:

Do surgimento de 1) Aleph-Mago no jogo equivale dizer que a Vontade Divina (nosso Real Ser) se manifesta com o rigor de Kether para gerar ou aniquilar, destruir uma situação, conjuntura, circunstância, etc.

Por outro lado, com 2) Beth-sacerdotisa a providência divina se apresenta para aprimorar e levar a maturidade algo que está ocorrendo em seu íntimo.

Com 3) Ghimel-Imperatriz a inteligência divina se projeta, se manifesta em um determinado ponto, unindo os dois primeiros e, cristaliza, exterioriza o que existe lá.

Com 4) Daleth-imperador o processo de elaboração da ideia, circunstância, conjuntura chegou ao fim, dando origem a um resultado, então institui-se no mundo de Briah, dos sentimentos o projeto que nosso Real Ser elaborou. E como já afirmamos, com Daleth-Imperatriz a personalidade mortal inicia seu processo de colaboração, elaboração conjunta, com as tarefas espirituais.

1.8    Palavras chaves:

1.8.1    Manifestação Yod.

Rigor, certeza, firmeza, realização, energia perseverante, vontade inquebrantável, execução do que está resolvido, protetor poderoso, realização, efeito.

1.8.2    Manifestação He.

Acordo, paz, conciliação dos sentimentos.

1.8.3    Manifestação Vo.

Direito, inteligência equilibrada, que não despreza o plano utilitário.

1.8.4    Manifestação He.

Os bens, o poder passageiro, contrato ou acordo firmado, fusão de sociedades, situação do acordo, saúde equilibrada, mas com tendência à carência de temperança.

1.8.5    O lado negativo da força.

Resultados contrários ao pretendido, ruptura do equilíbrio, queda, perda de patrimônio, da saúde ou do domínio sobre coisas e seres. Oposição tenaz, bloqueio, Impedimento, hostilidade preconcebida, teimosia, adversário obstinado; assunto contrário aos interesses, autoritarismo, tirania, absolutismo, imaturidade, falta de energia, indecisão, incompetência.

 

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH TOMOS I capaClique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina principal e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO I

ÀRVORE DA VIDA – OTZ CHIIM

ELEMENTOS, PLANETAS, SIGNO, TARO

 

Autor: Inácio Vacchiano