11 A FORÇA – KAPH


caminho 21 a força

1.1    Elementos constitutivos ou relacionados

Sephirah: Hochmah no segundo ciclo
Signo do sendeiro: n/c
Elemento zodiacal: n/c
Trilogia elem. sephirótico: Água do Fogo no segundo ciclo
Planeta do sendeiro: Sol
Inteligência Geomântica: Michael ou Mikael  (מיכאל)
Velas:  3 amarelas
Incenso: [Mirra, almíscar, estoraque, âmbar, e também aloe vera, cravo, louro, olíbano]
Letras: Khaf-Peh
Gemátria: 20+80 = 100 = 1+0+0 = 1
Valor numérico: 20
Armas mágicas: O Lámen ou Arco e Flecha.
Poder mágico ou oculto: Poder de Adquirir Riqueza.
Forças em ação: A força de Hesed que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Netzah pelas vias de Tiphereth-Sol.
Sendero: 21, que une Hesed a Netzah.
Texto yetzirático: O 21º caminho é a Inteligência que procura o peregrino que procura; recebe a influência divina e, por sua bênção, ele gratifica ou recompensa todas as existências.
Cor em Atziluth: Carmesim ultravioleta
Cor em Briah: Amarelo claro salpicado de branco prata
Cor em Yetzirah: Marrom rosado de levemente translúcido
Cor em Assiah: Cor de pedra

1.2    Caminho 21º

A Força = A Misericórdia e a magnificência da Beleza pelas vias da Vontade interiorizada. Júpiter atuando através do Sol sobre Vênus. “Yod” do Mundo de Briah atuando através do Sol sobre o “Vô” do Mundo de Yetzirah, Fogo da Água atuando através do Sol sobre o Fogo do Ar.

Corel caminho 21O 21º caminho é a Inteligência que procura o peregrino que procura; recebe a influência divina e, por sua bênção, ele gratifica ou recompensa todas as existências.

 

Hesed-Júpiter é o poder, o realizador das bondades, das recompensas, da abundância; Tiphereth-Sol o depositário, a nível de consciência, das vibrações emanados do Real Ser as quais serão convertidos em força de Vontade e, Netzah-Vênus, o responsável tanto pelo gérmen do pensamento humano como pela vida dos sentidos pela beleza. Assim, temos que, o poder realizador das bondades promove a recompensa, emite seu Verbo criador – emana seu fluxo, bendiz e atua por intermédio da consciência que proclama a Vontade Suprema sobre o pensamento humano e os sentidos.

Como Hesed é o primeiro do Mundo de Briah, as emoções estarão atuando sobre os 5 sentidos por intermédio da consciência. De outro lado, em sentido ascendente, os sentidos e o pensamento estarão buscando a realização da bondade pelas vias da soberania, da consciência, da harmonia o que equivale a dizer que haverá uma busca pelos mundos internos. No plano externo haverá uma busca física originando longas viagens ou mesmo em um tom menor pelas aventuras que satisfaçam ao corpo, sexo, drogas, fugas do mundo, mas com aquele incômodo interior, já que as vibrações do Real Ser se fazem presentes pelas vias de Tiphereth.

Vencer esta iniciação equivale a superar as emoções instintivas, baixas paixões que Netzah inferior proporciona pela via dos sentidos bem como das ilusões de poder e grandeza do lado inferior de Hesed tornando o indivíduo mais humilde em razão até de uma melhor comunicação com seu Ser Interno.

Mas seguindo, muito embora o texto trate da recompensa a nível geral, a todas as existências (provavelmente no sentido de humanidades e não de troca de corpos), isto não vale a todos mesmo em todos os sentidos já que pelas ações praticados muitos perderam este direito ao abusar do que receberam. Trata-se de um sendeiro aberto a grandes bençãos inclusive físicas tais como riqueza, beleza, amor, celebridade, etc., eis que se tratam de pessoas que as mereceram em existências anteriores por seus sofrimentos, penalidades, abnegação em razão dos demais de modo que lhes são concedidos todos os bens que possam desejar.

Ocorre que este sendeiro é uma faca de dois gumes já que recebe um grande Dharma que pode ser passível de abuso e gerar karmas futuros em contraposição ao bem recebido. Neste sentido podemos evidenciar pessoas que enriquece e acabam tornando-se pessoas detestáveis, sem qualquer respeito para com o próximo. Isto se deve ao fato de que mesmo sendo bárbaros internamente, em algum momento fizeram por merecer o paraíso de Hesed, mas como não trabalharam internamente em si mesmos o bem que receberam tornou-se um mal para si mesmo e para os demais gerando consequências desagradáveis.

É importante que tenhamos alguma riqueza em nosso programa humano a fim de que possamos dar, já que quem nada dá, nada recebe e, por outro lado, de nada valerão nossos sonhos de mudar o mundo se carecemos dos meios materiais para concretizar esta transformação.

Este sendeiro e ativado pelas Dominações (Hesed) e pelos Principados (Netzah) conjuntamente. O caminho de ida pela árvore é regido pela Dominação 30 4->7: OMAEL e o caminho de volta pelo Principado 51 7->4: HAHASIAH.

Os aspectos entre Júpiter e Vênus, tais como quadratura, conjunção ou oposição, no mapa natal são indícios de que o indivíduo está trabalhando neste sendeiro.

 

1.3    Letra-força כ

Khaf é a decima primeira letra força – é uma letra dupla. Na tabela das letras hebraicas o Kaph (20) se situa a esquerda de Beth (2). Hieroglificamente representa a mão de um homem semi serrada, uma mão que agarra, que prende um objeto muito parecido com a letra Gimel, mas Kaph atua de forma mais energética, com muita força expressa, portanto, este conceito de força.

tabela gematriaTemos que Yod (10 = 1+0 = 1), por ser a segunda fase de Aleph, representa a interiorização do pensamento divino no homem. Esse pensamento que está em Aleph, se interioriza em Yod e, agora, se exterioriza em Kaph. Isto implica que Aleph (1) faz as funções de “Yod”, o Yod (10) faz as vias de “He” e o Kaph (11) as funções de “Vô”.

De outro modo Beth ( valor 2 na tabela de ordem alfabética) constitui-se na primeira interiorização da essência divina ao passo que o Kaph (valor 20 – depois da interiorização vem a exteriorização) será, neste novo ciclo, a porta de saída dessa energia, ou seja Beth realiza funções de “He” e o Khaf, a esquerda, é o “Vô” deste “He”.

Percebemos que a exteriorização se dá por Yod-Khaf mas também por Beth-Khaf o que confere grande poder a esta letra-força.

Percebemos ainda que as energias primordiais retiradas de Aleph e interiorizadas por Beth ainda estão em estado inconscientes por pertencerem ao primeiro ciclo, ao mundo das emanações e, só a partir do segundo ciclo, em Kaph é que podem ser absorvidas conscientemente. A força, que até então estava em estado de potência de manifestação, manifesta-se e surge como ato, força presente.

O Kaph representa, pois, a terceira fase do Fogo, de exteriorização dos conteúdos da Vontade.

 

1.4    Imagem, figura

forcaUma jovem mulher fecha sem esforço aparente, a boca de um11 A Força leão. No topo, em sua cabeça carrega o sinal do infinito ou lhe sobressai a serpente, indicando Mestria.

No taro egípcio percebemos que nas águas da vida (parte inferior da lâmina) está a Pedra Cúbica, dentro da pedra está a ave de muitas pernas e sobre ela está a pomba do Espírito Santo.

O Leão está simbolizado também pelo Sol, ouro, Hórus e, este Sol na Árvore da Vida é Tiphereth, o terceiro do Mundo de Briah, portanto, representa também o terceiro do mundo de Atziluth – o Espírito Santo. Quando o pombinho alquimista, mediante o Sahaja Maithuna, acumula energia suficiente, é coroado, transforma-se no Deus Sol e com suas mãos abre facilmente a boca do leão, ou seja, consegue manipular as energias que vem de Kether e que passou pelo ciclo de Atziluth em sua primeira fase.

1.5    Elemento, ciclo zodiacal, planeta

Na ordem dos elementos, Kaph (11 = 1+1 = 2) corresponde Água do Fogo no segundo ciclo da segunda Sephirah e também o Hochmah interiorizado já que Kaph é o Beth na fase “He” do nome יהוה – “Yod-He-Vô-He”.

Na trilogia dos elementos: Hochmah está relacionado com o signo de Leão.

No ciclo zodiacal יהוה – “Yod-He-Vô-He”, equivale ao signo de Gêmeos, terceiro signo aéreo e exteriorizador do pensamento divino.

No ciclo Sepher Yetzirah não tem correspondência zodiacal, somente planetária.

Na ordem planetário representa o Sol, o quarto dos sete planetas exotéricos, na ordem proposta por Ptolomeu que colocou os planetas em ordem crescente a partir da Terra. O Sol realiza com as forças de Kaph as funções de consciência na exteriorização do pensamento divino no homem como instrumento.

 

1.6    Descrição Sephirótica:

Khaf relaciona-se com a Sephirah Hochmah em seu segundo ciclo (de Aleph a Teth correspondiam ao primeiro regido por Kether). Há, portanto, uma dupla presença de Hochmah em Kaph – a primeira em razão de ser a segunda letra do segundo ciclo e a outra em razão desta segunda fase ser regida pelo próprio Hochmah. Temos então que o Amor-sabedoria deste Sephirah se expresse com muita força neste arcano e como se trata de um hieróglifo de exteriorização da Vontade, tendo o homem como instrumento este amor, se espalha por todas as coisas dando sentido e significado.

Esta lâmina leva o nome de Força onde a imagem de uma jovem mulher fecha facilmente a mandíbula de um leão, assim, a força da Vontade Ketheriana se junta a força moral de Hochmah em um processo de muita exteriorização para transformar o mundo.

Axioma transcendental: “gozoso na esperança, sofrido na tribulação; sê constante na oração”.

Horário: 2ª hora de Apolónio: Os abismos do fogo; as virtudes astrais formam um círculo através dos dragões e do fogo (a cadeia magnética).

O iniciado aprende a conhecer as Forças Universais que atuam em seu organismo, as duas correntes (positiva e negativa) para aplica-las nas horas seguintes.

 

1.7    Significado no jogo

Vimos que se trata de uma poderosa força de exteriorização da Vontade primeira de modo que nos planos mais inferiores se configura em uma necessidade imperiosa do indivíduo lançar a sociedade seus fundamentos, suas reservas interiores.

Como se trata de uma grande força este indivíduo se lançará a tudo quanto esteja em seu caminho para alcançar seu objetivo e como esta energia ainda não atingiu todas as fazes de descenso já que refere-se aos Mundos de Atziluth e Briah (este em sua primeira fase) se mostrará uma certa falta de experiência e muita teoria.

Haverá, portanto, muita interferência em todos os campos, social, político, etc. de modo que se manifestará onde se faça necessário e a partir daí mostrará sua verdade interior. Esta energia que quer se exprimir determinara muitos compromissos sejam de negócios, partidos, associações, assembleias, comitês, manifestações etc. e o indivíduo se mostrará disponível para todos e, juntamente, aparecerão as circunstâncias (Hochmah) para satisfaze-los. Haverá infinitas oportunidades.

Todas estas oportunidades e aberturas não significam necessariamente uma garantia de sucesso, mas uma multiplicidade de participações.

1.8    Palavras chaves:

1.8.1    Manifestação Yod.

Vontade para vencer os obstáculos, domínio da situação, fazer valer seus legítimos direitos. Capacidade para tomar direção em todos os assuntos, forças da natureza. Espírito que domina a matéria.

1.8.2    Manifestação He.

Energia moral, calma, coragem, domínio sobre as paixões, poder de conquista.

1.8.3    Manifestação Vo.

Esta carta traz uma grande clareza, precisão nas avaliações para distinguir entre o verdadeiro e o falso, o útil e o inútil a inteligência que doma a brutalidade.

1.8.4    Manifestação He.

Lucro nos empreendimentos empresariais, multicompromissos.

1.8.5    O lado negativo da força.

O Indivíduo torna-se escravo, ou não é dona da sua força, é brutalidade, deixar-se levar pelo poder, abuso de poder, arrogância, cólera, conquista pela violência, falta de coragem. Abatimento por fatos, circunstâncias ou pessoas, força aniquilada, vítima de forças superiores, impaciência, impotência.

 

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH TOMOS I capaClique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina principal e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO I

ÀRVORE DA VIDA – OTZ CHIIM

ELEMENTOS, PLANETAS, SIGNO, TARO

 

Autor: Inácio Vacchiano