22 O MUNDO – TAU


caminho 32 mundo

1.1    Elementos constitutivos ou relacionados

Sephirah: Hesed no terceiro ciclo
Signo do sendeiro: n/c
Elemento zodiacal: n/c
Trilogia elem. sephirótico: Fogo da Água no terceiro ciclo
Planeta do sendeiro: Lua
Inteligência Geomântica: Gabriel (גבריאל)
Velas:  3 brancas
Incenso: [cânfora, murta, louro, arruda, eucalipto, hortelã, alecrim, patchouli, citronela, absinto]
Letras: Tav-Vô
Gemátria: 400+6 = 406 = 4+0+6 = 10 = 1+0 = 1
Valor numérico: 400
Armas mágicas: Arco e flecha.
Poder mágico ou oculto: Clarividência, Adivinhação por Sonhos.
Forças em ação: A força de Yesod que manifesta seus fluxos mediante as pulsações dos elementos Cósmicos diretamente pelas vias de Yesod-Lua.
Sendero: 32, que une Yesod aos elementos Cósmicos.
Texto yetzirático: O 32º caminho é a Inteligência Organizadora ou administrativa. É assim denominado porque governa e associa os movimentos dos sete planetas guiando-os em suas trajetórias próprias.
Cor em Atziluth: Azul
Cor em Briah: Prata
Cor em Yetzirah: Cinza
Cor em Assiah: Azul celeste rajado de prata

1.2    Caminho 32º

O Mundo = O Fundamento dos elementos cósmicos e do mundo material. A Lua atuando através da Lua diretamente sobre os elementos. “Vó” do Mundo de Yetzirah atuando através da Lua diretamente sobre o Mundo de Assiah; Ar do Ar atuando através da Lua diretamente sobre a Terra com seus quatro elementos.

Corel caminho 32

O 32º caminho é a Inteligência Organizadora ou administrativa. É assim denominado porque governa e associa os movimentos dos sete planetas guiando-os em suas trajetórias próprias.

 

Refere-se a Yesod por onde são aportadas as imagens rumo a cristalização atuando através da Lua diretamente sobre Malkuth, Mundo de Assiah, o plano físico onde se encontram os quatro elementos que mantém este plano estável.

No sentido ascendente esse caminho liga Malkuth, o mundo físico, à Yesod, o véu etérico e inconsciente universal que representa o fundamento da existência física. No descendente as imagens contidas no 9º sendeiro são insufladas ao indivíduo. A energia dos sete planetas se encontra armazenadas aqui em forma de imagem.

Como a Lua reflete e magnetiza o poder oculto, convém que cada coisa, cada símbolo, departamento seja colocado em seu lugar e daí o termo Inteligência Organizadora as vezes chamada de Administrativa. Lembremos que as letras hebraicas estão compostas por 3 letras mães que simbolizam os elementos ou forças primárias, 7 duplas que simbolizam os planetas e 12 simples referentes aos signos e todas estão em ordem decrescente – do Absoluto a Malkuth. Além disto temos ainda 4 naipes de cartas, 36 arquétipos dos decanatos, 72 arquétipos dos quinários, 28 arquétipos lunares, etc. A Lua é a exteriorizadora de todas estas energias para o mundo de Assiah, a Terra. É, pois, preciso criar a morada filosofal destas energias em nosso interior a fim de que possamos condensa-las e posteriormente direciona-las – solvet et coagula.

A nível humano o trabalho consiste em construir os canais para que tudo o que está acima possa chegar em perfeitas condições a nossa natureza inferior para ser vivificada. Nossa personalidade mortal tem que participar destas sementes e manobra-las segundo as regras de cima pois, se estes trabalhos estiverem estagnados, a psique irá para um lado e o físico para o outro sem que este se veja atraído pelas belas imagens que aparecem em Yesod.    De outro modo trata-se do primeiro caminho da Iniciação depois do elemento Terra. Dessarte devemos lembrar que Yesod, o Fundamento, refere-se a região sexual, de modo a indicar que toda a iniciação se inicia pelo sexo e, sem este, não há iniciação de verdade pois tudo é energia e, a energia para as realizações, sejam elas espirituais ou mesmo as materiais provêm do sexo.

O 32º caminho representa as primeiras fases da devoção mística. Ao iniciar este caminho, além de sofrer as pressões do mundo físico o ocultista começa a sofrer as pressões dos mundos internos de modo que precisa estar bem preparado física e psiquicamente.

Ao adentrarmos nos mistérios da Lua iniciamos a caminhada pelo inconsciente. No sentido ascendente nós daremos conta da existência da causalidade (já que Yesod é o exteriorizador de Binah) e no sentido inverso a consciência da limitação da matéria.

Este sendeiro e ativado pelos Anjos (Yesod) e pelas Almas Humanas (Malkuth) conjuntamente.

Os aspectos entre Lua e o Ascendente, tais como quadratura, conjunção ou oposição, no mapa natal são indícios de que o indivíduo está trabalhando neste sendeiro.

Pratica 1

Se a Lua e o Ascendente formarem aspectos em seu mapa natal, entre no estado Alfa[1] e medite no aspecto entre a personalidade, o protagonismo (Casa I) e as imagens (Lua) com que se expressam ou se expressaram em sua existência. Posteriormente utilize o aspecto da Divina Mãe Kundalini, morte, Hecate, Binah para destruir a personalidade (se) danosa e reconstrua a nova personalidade com as qualidades desejadas tais como simpatia, jovialidade, sorridente, amiga, etc.

Pratica 2

Medite (em Alfa) nos demais aspectos que se formam com a Lua (regente do 32º caminho). A exemplo suponhamos que Júpiter esteja em Áries e forme uma quadratura com a Lua que está em Câncer. Então temos que as forças de Júpiter se expressam por intermédio da Lua que está mais adiante em seu caminho de ida já que Júpiter desce à Lua. Na composição dos Gênios temos que Hesed se manifesta por meio de Yesod que corresponde ao Gênio 32 4->9 Vasariah. Assim analise os aspectos positivos e principalmente os negativos que influenciam sua existência já que aqui estamos tratando de uma quadratura. Peça ajuda ao Gênio invocando e pronuncie também seus nomes de poder em cada um dos mundos conforme dispõe o pentáculo. Do mesmo modo que na prática anterior utilize as forças da Divina Mãe para destruir o mal, os conflitos e construir o que interessa.

Prática 3

Veja em que grau do signo se encontra a Lua (regente deste caminho). Assim, supondo que a Luz esteja a 17,34 graus de Câncer encontre o Gênio correspondente que no caso é o Gênio 71 9->8: HAIAIEL, ou seja as forças da Lua se expressando por Mercúrio, Yesod manifestando suas forças por intermédio de Hod. Medite sobre os aspectos de HAIAIEL, de como tem se manifestado em sua existência seja de bom ou se a força está atuando negativamente em algum ponto. Invoque os nomes sagrados ligados ao Anjo e também utilizando-se de Binah, como nas situações anteriores, destrua e reconstrua o que for necessário.

Do mesmo modo deve-se atuar nos demais caminhos até que todos os aspectos estejam corrigidos.

[1] Veja o subcapitulo sobre Prática de Relaxamento e Meditação no capítulo Rituais.

1.3    Letra-força ת

tabela gematriaTau é a vigésima segunda letra força – é uma letra dupla. Na tabela das letras hebraicas o Tau (400) se situa a esquerda de Daleth (4) e expressa a terceira fase ou de exteriorização de desta letra força onde Mem (40) é a interiorizadora.

Daleth representa o fruto da ação divina sobre a matéria humana inconsciente que foi plantado em Men (40) e se exteriorizou em Tau – todo o trabalho regido por Hesed (4; 40 = 4+0=4; 400=4+0+0=4).

Tau atesta o ponto final da perfeição, após este ponto inicia-se o retorno a Unidade, expressa hieroglificamente o seio ou peito (aconchegante), mas aqui em seu aspecto de mutabilidade e reciprocidade.

 

1.4    Imagem, figura

MundoEm algumas cartas aparecem no centro da figura uma mulher nua ou seminua com as pernas cruzadas formando o Tau (semelhante ao Enforcado, mas, aqui, em pé). Em uma ou cada uma das mãos segura uma varinha. Nos cantos da imagem aparecem os quatro animais, as quatro formas da esfinge (Leão, Homem, Águia, Touro). Trata-se de uma representação do macrocosmo e do microcosmo, isto é, tanto Deus como a sua criação. Como já temos visto as quatro figuras representam ainda as quatro letras do nome sagrado Jehovah יהוה – “Yod-He-Vô-He” (o macrocosmo) bem como os quatro símbolos superiores do Taro representados pelos quatro naipes:

taro“Yod” – Fogo, Leão, paus;

“He” – Água, Homem, copas;

“Vô” – Ar, Águia, espadas e,

Segundo “He” – Terra, Touro, ouros.

Então temos que entre os quatro animais que descrevem o 22 O Regressonome de Deus (macrocosmos) nos deparamos com uma elipse que representa a natureza em seu curso. No centro da elipse encontra-se a figura da mulher que representa a humanidade – ADÃO-EVA – (microcosmos).

Em uma das figuras de Papus podemos ver toda a simbologia do Taro composta em um único símbolo que representa o arcano 22. Então temos as quatro letras do nome de Deus simbolizado nos quatro naipes, os dez Sephiroth, os 22 arcanos e o trabalho do espírito sobre a matéria.

Na carta egípcia os quatro animais aparecem como quatro efígies na parte superior com a cabeça dos quatro animais Águia, Homem, Leão e Touro. A ressurreição é anunciada por uma arpa tocada por uma jovem com a cabeça de uma serpente na testa (símbolo da maestria).

 

1.5    Elemento, ciclo zodiacal, planeta

Na ordem dos elementos, Tau (22 = 2+2 = 4) corresponde ao Fogo da Água no terceiro ciclo da quarta Sephirah e também Hesed exteriorizado já que Tau é o Daleth na fase “Vô” do nome יהוה – “Yod-He-Vô-He”.

Na trilogia dos elementos: Hesed está relacionado ao signo de Câncer.

No ciclo zodiacal יהוה – “Yod-He-Vô-He”, Tau está livre de toda dependência zodiacal e trata-se agora de uma criação inteiramente sephirótica.

No ciclo Sepher Yetzirah não possui correspondência de signo.

Na ordem planetário representa a Lua, regente do 32º caminho, o primeiro dos sete planetas exotéricos, na ordem proposta por Ptolomeu que colocou os planetas em ordem crescente. A Lua realiza com as forças de Tau funções de imagens e cristalizações com a finalidade de plasmar o fruto da ação divina no inconsciente humano bem como exercer o domínio sobre os elementos.

 

1.6    Descrição Sephirótica:

Em Tau nos deparamos com Hesed a quarta Sephirah que vem inicialmente pelo Dalet (4), posteriormente pelo Men (13 – 1+3=4) e por fim pelo próprio Tau (22 – 2+2=4) em sua fase de exteriorização.

Vislumbramos a cruz do paraíso que vem pela vertical (espiritual) e pela horizontal (material). O paraíso perdido em que o homem era o rei da criação e mandava sobre todas as espécies e sobre as entidades. Como esta carta refere-se ao último estágio desta viagem rumo a perfeição isto implica que a obra está acabada.

Axioma transcendente: “nasce o Sol e põe-se o Sol e outra vez volta ao seu lugar donde torna a nascer”.

Horário: “existe uma hora 13, a qual é a da “libertação”.

 

1.7    Significado no jogo

No Tarô, o Tau é representado pela lâmina 22, que leva o nome do Mundo e em outras lâminas o Regresso. A figura mostra a figura feminina com a baqueta de poder rodeada pelos quatro elementos significando o domínio sobre eles.

O Taro trata principalmente das empresas espirituais, por isto perenes. De outro modo se esta carta estiver significando algo material quer dizer que a empresa chegou ao final de um ciclo e que, portanto, inicia-se o seu processo de desmantelamento e que outro ciclo haverá de se iniciar.

1.8    Palavras chaves:

1.8.1    Manifestação Yod.

Domínio, elevação do espírito, conclusão favorável de obras espirituais.

1.8.2    Manifestação He.

Sentimentos amorosos no sentido altruísta, amor à humanidade, sentimentos guiados pelo desejo de aperfeiçoar tudo que se faz, equilíbrio inspirado.

1.8.3    Manifestação Vo.

Tendência para a perfeição, magistério mental e psíquico.

1.8.4    Manifestação He.

Experiência rica, atividades sólidas, êxito em níveis não transcendentes (mundanos, transitórios), boa saúde, sorte, alegria, reconhecimento, riquezas, coroamento da obra, finalização de um processo, final de um ciclo, circunstâncias muito favoráveis, meio propício, finalização, realização, recompensa, regresso.

1.8.5    O lado negativo da força.

Fracasso, obstáculo formidável, ambiente hostil onde todos estão contra. Revés da sorte, ruína, estancamento.

 

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH TOMOS I capaClique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina principal e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO I

ÀRVORE DA VIDA – OTZ CHIIM

ELEMENTOS, PLANETAS, SIGNO, TARO

 

Autor: Inácio Vacchiano