16 A TORRE – AYIN


caminho 23 Torre

1.1    Elementos constitutivos ou relacionados

Sephirah: Netzah no segundo ciclo
Signo do sendeiro: Capricórnio
Elemento zodiacal: Terra
Trilogia elem. sephirótico: Fogo do Ar no segundo ciclo
Planeta do sendeiro: Saturno
Arcanjo do signo: Hanael (הנאל)
Velas:  3 índigos
Incenso: [Erva de Santa Maria, enxofre, raiz de guiné, gengibre]
Letras: Ayin -Yod-Noun
Gemátria: 70+10+50 = 130 = 1+3+0 = 4
Valor numérico: 70
Armas mágicas: A Força Secreta, Lâmpada.
Poder mágico ou oculto: Sobre o chamado Sabá (sábado) das Bruxas, o Mau Olhado.
Forças em ação: A força de Tiphereth que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Hod pelas vias de Capricórnio.
Sendero: 26, que une Tiphereth a Hod.
Texto yetzirático: O 26º caminho é denominado a Inteligência Renovadora porque, é por ela, que Deus Santo renova todas as coisas que podem ser renovadas na Criação do Mundo.
Cor em Atziluth: Azul profundo
Cor em Briah: Preto
Cor em Yetzirah: Preto azulado
Cor em Assiah: Cinza escuro opaco quase preto

1.2    Caminho 26º

A Torre = A Soberania e a Harmonia põem a mão na massa na Verdade Material (e, portanto, falsos). O Sol atuando através de Capricórnio sobre Mercúrio.  Tiphereth, o depositário, a nível de consciência, das vibrações emanados do Real Ser as quais serão convertidos em força de vontade atuando através de Capricórnio sobre Hod cujo trabalho está relacionado a elaboração de nosso intelecto, por onde transitam os pensamentos, as ideias; “Vô” do Mundo de Briah atuando através de Capricórnio sobre o “He” do Mundo de Yetzirah, Ar da Água atuando através de Capricórnio sobre o Água da Ar.

Corel caminho 26O 26º caminho é denominado a Inteligência Renovadora porque, é por ela, que Deus Santo renova todas as coisas que podem ser renovadas na Criação do Mundo.

 

Hod recebe os fluxos do rigor (Geburah) e da graça (Tiphereth) em partes iguais para criar a compreensão equilibrada da organização cósmica. Tiphereth, ao agir sobre Hod, proporciona ao intelecto um suplemento de luz intuitiva que lhe permite produzir novas ideias que não constam dos arquétipos gerados pela divindade por se tratar de conteúdo das esferas inferiores já que nossa experiencia na terra abastece nosso Real Ser com o conteúdo prático do que ocorre aqui de modo que o homem se torna um colaborador do Logos e auxilia na renovação de sua obra. Assim, estas novas ideias ou informações ascendem de Tiphereth a Kether pelo canal 13º e são incorporados ao panteão cósmico para aperfeiçoamento.

A nível humano é como se efetuássemos uma crítica iluminada acerca do funcionamento do universo através de nossas experiências vividas aqui e, assim, fornecemos dados ao criador de como se desenvolvem as coisas nas baixas esferas. Estes dados são fornecidos automaticamente, porém, quando o fazemos conscientemente nos acercamos do Eterno como escolhidos. Podemos faze-lo por exemplo ao levar os maus ante o tribunal da Justiça Divina, em uma oração onde denunciamos o mau feito, ao promover a cura de uma doença desconhecida, enfim, qualquer desordem no sistema que precise ser comunicado ao Universo para ser sanado, etc.

De outro modo, no caminho 26º Tiphereth-Sol leva a iluminação ao frio intelecto pelas vias de Capricórnio, ou seja, assim como o bode (de Capricórnio) salta de pico em pico até chegar ao topo da montanha a mente vai escalando o conhecimento, massivamente, até o ponto de sua limitação quando então dá um salto rumo a intuição, e coloca em ruina todas as construções do intelecto seja de mundo, homem ou Deus – daí o arcano torre fulminada; então se manifesta a Inteligência Renovadora que lança uma nova perspectiva a “todas as coisas mutáveis e são renovadas pela criação de um novo mundo” interior que vai se modificando na medida de sua evolução que vai do intelectualismo de Hod à consciência iluminada de Tiphereth.

Uma vez que Hod é o segundo do Mundo de Yetzira a mente se relaciona com os valores do segundo do Mundo de Atziluth que é Hochmah e também com o segundo da coluna do meio, ou seja, Tiphereth. Isto representa uma renovação nos elementos morais e uma evolução dos processos cognitivos para o intuitivo. Assim, a moral evolui no tempo e no espaço e a mente se vê obrigada a intuir os cumes que não alcança, dessarte, o mundo vai sendo recriado de instante a instante, quanto mais o iniciado ascende a este caminho eis que vai se aproximando das verdades imutáveis que regenera toda a criação do mundo a medida que vai iluminando a mente.

O Deus de Binah (terceiro de Atziluth), o Senhor Jehovah יהוה – “Yod-He-Vô-He”, também conhecido como o Grande Arquiteto, por estar ligado a Lei (causa e efeito), fora visto no velho testamento como um Deus feroz, vingativo, mas como tem sua exteriorização em Tiphereth (por ser o terceiro do Mundo de Briah), este amortece e equilibra Binah pelo sacrifício e, assim, amortiza à Hod a energia que vinha diretamente de Binah a Hod que é o terceiro da coluna da esquerda, portanto também um exteriorizador de Binah e, neste caminho, Tiphereth faz o intelecto perceber a parcela de amor que existe por trás da Lei bem como, a Lei verdadeira, a Lei natural. Conforme seja a evolução humana, se instalará para renovar todas as coisas dando origem a um novo mundo.

1ª Coríntios 13:11 “Quando eu era menino, falava como menino, sabia [ou, sentia, ou, afeiçoado] discorria [ou, cuidava, ou, imaginava] como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.”

O 25º caminho passa pela Noite Escura da Alma pelo abandono da personalidade com seus egos e segue em busca da identidade Crística pelo Misticismo devocional ou Amor ao Cristo, da Fé e da Coragem. O 24º caminho nos ensina a Magia Sexual, o culto a Natureza e a Arte – o signo de Escorpião está relacionado ao sexo. O caminho 26º passa pela Noite Escura da Alma pelo caminho que nos conduz a Deus via intelecto, que deve ser superado pela Intuição, mas que a princípio toma conhecimento das coisas divinas pelo plano mais baixo: a mente, de modo que sua contrapartida é a ignorância que contrária à Sabedoria,  direcionadora do real conhecimento, da Verdade.

Este sendeiro e ativado pelas Virtudes (Tiphereth) e pelos Arcanjos (Hod) conjuntamente. O caminho de ida pela árvore é regido pela Virtude o 48 6->9: MIHAEL e o caminho de volta pelo Arcanjo 69 9->6: ROCHEL.

Os aspectos entre Sol e Mercúrio, tais como quadratura, conjunção ou oposição, no mapa natal são indícios de que o indivíduo está trabalhando neste sendeiro.

1.3    Letra-força ץ

tabela gematriaAyn é a decima sexta letra força – é uma letra simples. Na tabela das letras hebraicas o Ayin (70) se situa a esquerda do ZAIN (7) cujo símbolo é uma flecha que atira para todos os lados.

A letra força Ayin expressa hieroglificamente uma ligação, do objetivo sublime de ZAIN, a orientação da Vontade à espiritualidade. Por expressar uma ligação há também uma certa representação de Vau (6) que é um símbolo de união, contudo aqui exibe uma materialização do caminho originado por esta energia.

 

1.4    Imagem, figura

torreTrata-se da torre chamada cabalisticamente de Torre de Babel que está sendo destruída por um raio onde dois homens são arremessados: um com coroa e outro sem. Um deles ao cair reproduz em sua forma física a letra AIN ou a da estrela flamejante invertida (cabeça para baixo). Trata-se da queda de Adão à matéria, o resultado negativo da escolha feita em Vau (6) – violação do grande arcano. Percebemos aqui a destruição da matéria. O fato de um deles estar coroado indica também que não importa a posição financeira ou autoridade que ocupe quando o raio celeste se manifeste. Refere-se ao fim de uma empreitada material.

No taro egípcio, nas águas da vida, constatamos o Báculo do poder, 16 A Fragilidadeo Bastão de autoridade e o Cilício (chicote) que representam a Fragilidade e em ambos os lados destes símbolos observamos duas serpentes, uma positiva e outra negativa.

Quando o sexo domina o cérebro a estrela de cinco pontas fica invertida no homem e este cai fulminado como o arcano 16. A Luz Astral é o grande agente testador pois quando se coagula numa flor, nós ficamos enamorados dela. Se a luz astral se acumula numa mulher nós ficamos enamorados dessa mulher. O problema real aqui é o perigo de queda, de perda das energias.

1.5    Arcano menor: Rei de Ouros

rei de ourosLocalização na Arvore da vida: Hesed (He)

No zodíaco o domicílio do Rei de Ouros é Capricórnio.

Arcanos que governa: Ás de Ouros, Dois de Ouros e Três de Ouros

Rei de Ouros possui os atributos de Hesed, na qualidade de 2º He do mundo das emanações (Atziluth) e Yod do Munda de Criação (Briah) e representa o poder dos gozos materiais. Quando esta carta aparece no nosso jogo indica-nos que a abundância, o bem-estar material está indo para derramar-se sobre nós como uma torrente de felicidade. Indica, evidentemente, que em anteriores atuações melhoramos o bem-estar dos outros, que lhes temos servido, temos trabalhado para garantir que nada lhes tenha faltado, e agora são eles nos dão ombro para nos encostarmos e para que possamos viver o nosso paraíso.

O Rei de Ouros anuncia a chegada a nós do acesso à opulência. O personagem desse enviado pode adquirir diversas nuances, manifestar-se de uma maneira pluralizada e ser o rosto de uma multidão de clientes que vêm para o nosso negócio de modo que ter múltiplos benefícios, facilmente e que permita o acesso a esse paraíso inscrito na linha do nosso destino; pode ser o agente individual que nos coloque no caminho do sucesso, nos venda o bilhete premiado, nos aconselhe em investimentos produtivos, nos fornece em um negócio de alta rentabilidade, etc.

Palavras chaves: R♦ Rei de Ouros, Abundância, bem-estar.

(Reta) Portador de riquezas, sorte, negociante, comerciante, banqueiro, especulador.

(Invertida) Negócios sujos (beneficia o outro), corruptor, deformador.

 

1.6    Elemento, ciclo zodiacal, planeta

Na ordem dos elementos, Ayin (16 = 1+6 = 7) corresponde Fogo do Ar no segundo ciclo da sétima Sephirah e também o Netzah interiorizado já que Ayin é o ZAIN na fase “He” do nome יהוה – “Yod-He-Vô-He”.

Na trilogia dos elementos: Netzah está relacionado ao signo de Libra.

No ciclo zodiacal יהוה – “Yod-He-Vô-He”, corresponde a transição entre o ciclo da Terra que terminou em Samekh (15) e o novo ciclo que se inicia com o elemento Fogo, a transição entre Virgem e Áries. Diferentemente das transições intermediárias deste ciclo efetuadas por Daleth (4), o Cheth (8) e o Lamed (12) em que o indivíduo deixaria para trás sem pena alguma o que não mais satisfazia, a transição proposta por Ayin (16) é extremamente dolorosa pois representa uma ruptura forçada em razão da necessidade de se seguir adiante na evolução.

Trata-se de um abandono de tudo, eis que expressa a saída do mundo material para o espiritual de modo que deverá haver um abandono geral, eis que o espírito não pode herdar a matéria. Então temos aqui a entrada na quintessência das experiências vividas no ciclo que termina para ingresso nos valores morais.

No ciclo Sepher Yetzirah corresponde ao signo de Capricórnio o primeiro signo da Terra (Fogo da Terra).

Nome divino (Atziluth): HYHV היהו 10. Hanael
Arcanjo (Briah): Hanael הנאל
Coro Angélico (Yetzirah): Saritiel םריטיאל
Anjo regente da casa correspondente (Assiah): Kashenyaiah כשניעיה
Planeta regente: Saturno
Elem. Signo/Sephirótico: Terra/Fogo da Terra יה
Apóstolo: Pedro – Simão
Tribo: Zebulon
Cartas do Tarô: Rei de Ouros יה que rege Ás, Dois e Três de Ouros.
Hora planetária e astrol.: 18 às 20 horas da saída do Sol; de 271º a 300º no zodíaco.
Região do corpo: Joelhos e pele

Capricórnio, livre das teorias imprime a colocação das mãos na massa. É o signo cardinal de Terra, o Yod do seu elemento e o segundo He dos signos cardinais. Portanto, é a porta de entrada no mundo físico, realizando com as mesmas funções que Áries, Câncer e Libra sem seus respectivos elementos (todos Yod). No processo criativo, Capricórnio é regido por Malkuth, a Séfira representante de nossa Terra[1], e nele se reflete as virtudes de Kether. No zodíaco tem Saturno como regente. Capricórnio pertence o mundo de ação cabalístico (Assiah).

No estágio anterior representado por Gêmeos (último signo aéreo – exteriorizador), nós vimos o homem empenhado em estruturar o mundo de acordo com suas ideias. Contudo chegado o fim do processo, o indivíduo percebe de que não bastam as ideias para mudar o mundo, que é preciso colocar as mãos na massa e transformá-lo fisicamente, colocando tijolo sobre tijolo, até que seja criada a nova realidade. Esse é o trabalho de Capricórnio.

Escolher os materiais para a obra é a principal missão dos nativos deste signo, que são muitas vezes, arquitetos, engenheiros, mestres de obras. Ou, então, aplicam o seu talento para a obra social, são os que instituem o marco físico em que uma sociedade poderá estabelecer-se e funcionar. Construtores de casas de instituições, de fundações, de sociedades, são também os construtores do templo do Espírito, se são o suficientemente avançados para isso.

Os maus aspectos planetários sobre Capricórnio são perigosos porque representam uma má escolha do material físico para a edificação da obra e em tal caso, se o indivíduo é arquiteto, seus edifícios desmoronarão, e se é engenheiro, suas pontes cairam, suas máquinas funcionam mal. Nas construções sociais, nos negócios, os maus aspectos anunciam precária estabilidade e ruína próxima. Quando um excesso de planetas se configura em Capricórnio, teremos um homem voltado para as realizações materiais de modo que toda a sua vida, seus afetos, suas ideias, se verão condicionados ao material.

Palavras chaves:

(+) Construção física e espiritual da obra.

(-) Ruina de edificações, precariedade.

CASA X: A Casa X expressa na Terra as potencialidades de Capricórnio. Neste signo se encontra a matéria-prima para a construção do universo físico. A Casa X nos indicará a maneira utilizada pelo indivíduo para construir esse universo, ou seja, veremos nele as aptidões para o exercício de uma profissão.

É a através deste canal que o homem deixa suas pegadas na Terra, já que sua ação volitiva (Atziluth) e emotiva (Briah) será criadora de uma realidade mais distante. Assim, a Casa X aponta sua atividade presente através do trabalho diário de acordo com o elemento que se encontra a Casa, deste modo:

Se a Casa X se localiza em signos de Fogo, isso indica que o indivíduo terá uma vocação para um ofício relacionado aos valores morais, como o sacerdócio, a filosofia, a política, a educação, o conhecimento profundo das coisas.

Se se encontra em signos de Água, se inclinará para atividades relacionadas aos sentimentos e paixões e todos os valores subjetivos e efêmeros que deles se desprendem. Será alguém que com o seu trabalho alimenta os instintos, os desejos, os sonhos da humanidade.

Se se encontra nos signos de Ar, será um trabalhador intelectual que vai deixar sua marca nas ideias ou será o servidor de uma ideia, grande ou pequena, filosófica ou comercial.

Se estiver em signos de Terra, trabalhará diretamente com os objetos físicos, alternando sua forma primitiva de uma forma ou de outra.

Todas as forças do universo gravitam em torno da Casa X, já que o objetivo da Criação é ir transformando uma ideia em pedra para, numa fase posterior, transmutar uma pedra em essência espiritual. Agora estamos na fase involutiva em que o espírito desce para a matéria, de modo que essa convergência de todos os impulsos para a Casa X faz com que este seja um ponto chave no horóscopo. É o ponto em que o indivíduo encontrará todas as facilidades possíveis para realizar o seu programa humano.

Quando um grande número de planetas se encontra acima do horizonte, em torno da Casa X, que constitui o zênite, o ponto mais alto do céu do indivíduo, a pessoa gozara de grandes facilidades para o acesso a posições de honra. Sejam quais forem as suas capacidades reais, uma Casa X abarrotada de planetas é a garantia de que o indivíduo será diretor geral de algo. Em contrapartida, uma Casa X órfã de planetas é sintoma de que se carece de auxílios e que a pessoa terá que conquistá-lo todo com o seu próprio esforço.

A Casa X rege o pai (enquanto a casa IV rege a mãe) e nos indica o seu caráter, a sua posição, os seus problemas. Neste sentido é indicador da situação social da família. O pai físico é um reflexo do pai espiritual, de Kether, a mais alta hierarquia criadora. Se nossas relações com a divindade são artificiosas, arbitrárias, escuras, veladas, incertas, teremos um pai físico que expressará essas características: será violento, ranzinza, beberrão pobre em recursos, etc. O defeito do progenitor nos revelará o género de barreira existente entre nós e a divindade. E também, através dele, do pai físico, Deus nos indica o caminho para salvação e o obstáculo que nos separa dele. A obediência ao pai físico, por arbitrários que sejam seus pareceres, é o caminho mais reto para alcançar uma visão do esplendor espiritual.

O conflito entre pais e filhos, próprio do mundo atual, ilustra o dramático afastamento do homem de sua fonte espiritual. O amor para com o pai revela uma natureza fiel ao desígnio do espírito. A Casa X indicará, igualmente, as relações do indivíduo com a sua essência espiritual.

Os maus aspectos planetários sobre este sector dificultarão a vida profissional da pessoa, bem como de suas relações com o pai. A profissão não dará de si o que caberia esperar pelo talento do indivíduo. O trabalho carecerá de continuidade e não será o mais adequado para suas aptidões, dificultando a descoberta de um emprego em que essas habilidades possam ser usadas.

Já falamos sobre os efeitos de uma concentração planetária em neste setor. Acrescentamos que produz, além disso, uma pessoa extrovertida, vivendo de cara ao exterior, cultivando uma intensa vida social de festejos, comemorações, coquetéis, festas mundanas que lhe dão ocasião de relacionar-se e obter vantajosos postos profissionais, mas se verá privado de toda privacidade e não poderá fixar raízes sem nada.

Palavras chaves:

(+) Aptidão profissional, materialização das ideias, facilidades, honra, diretoria, pai, essência espiritual.

(-) Vida profissional difícil, relação ruim com o pai, incapacidade de usar dons profissionais, falta de privacidade.

 

Na ordem planetário representa a Saturno em razão deste planeta ser o regente de Capricórnio o governador do 26º caminho. Saturno o rosto visível de Binah cuja ideia de sacrifício e restrição é básica, sacrificar a Luz para que surja a matéria.

Na ordem de fenômenos naturais o Ayin representa as montanhas – Terra de cima – a pressão violenta devido à gravidade. Sentido prático, capacidade de enraizar-se.

1.7    Discípulo: Pedro (Simão)

As escrituras relatam que os primeiros discípulos escolhidos por Jesus foram os dois irmãos André e Pedro, ambos regidos por saturno.

Pedro representou a pedra angular onde se estabeleceu a igreja de Cristo. Representa os pés que suportam todo o edifício em sua expressão mais externa, mais material onde os pés tocam o primeiro degrau.

A estabilidade da pedra representada pelo signo cardinal da Terra é Capricórnio.

Pedro é considerado esotericamente como o Mestre dos mistérios sexuais.

1.8    Tribo: Zebulon

Gênesis 49:18 A tua salvação espero, ó SENHOR!

A oração é a bênção que Jacob proporcionou a ele, e não a seu irmão Isachar.

Zebulon no hebraico significa “exaltar, honrar”, ou “uma casa elevada”. Na Torá, Zebulon era o sexto filho de Jacó e Léa. Nada é conhecido, em particular, a respeito de Zebulon.

 

1.9    12º Trabalho de Hercules: Capturar o cão Cérbero, guardião de Hades

cerbeloCérbero é um cão de três cabeças e rabo de dragão que guardava a entrada do Hades, o mundo subterrâneo, permitindo a entrada de todos, mas não deixando ninguém sair.

A tarefa consiste também em libertar Lúcifer-Prometeu que está sendo aprisionado e torturado por roubar o fogo do céu. Como se trata do último trabalho entende-se que Lúcifer foi branqueado e agora deve regressar a sua origem após o resgate.

Uma vez na morada subterrânea dos mortos, trata, primeiro, de ter com o próprio Aidoneus, o qual lhe permite levar o cão com a condição de que consiga apropriar-se dele sem armas, o que o faz colhendo-o primeiro pelo seu rabo de dragão e depois pelo pescoço, até sufocá-lo. Assim, Hércules o capturou e, após mostrar Cérbero a Micenas, solta o cão guardião do inferno para que retorne ao seu lar.

Esta tarefa só pode ser cumprida com o consentimento do próprio Hades, ou Plutão, e com a ajuda de Hermes e de Minerva ao mesmo tempo (Sexo-ioga e sabedoria). Mais uma vez se passam pelas provas sexuais. Os ardores passionais do órgão criador. O cão-guia são os instintos sexuais. Tornar-se dono, domar o cão tricípite, sem arma alguma, significa, de fato, controle absoluto sobre o sexo. Após esta prova vem a sua renuncias, já não é mais necessário pois se adquire o direito ao acesso ao AIN SOPH, o Protótipo Solar Absoluto e se está além do bem e do mal, com direito a entrar no Espaço Abstrato Absoluto (AIN), solver-se no infinito e ainda assim manter a consistência no final do Mahamvantara (dia cósmico).

Assim, o trabalho com Cérbero consiste no controle dos instintos sexuais de modo que este deve nos guiar até a libertação final. Tal representação se vale de Agato e Caco o bom e o mau ladrão respectivamente crucificado do lado direito e esquerdo do Salvador e que simbolizam as energias sendo roubadas para subir ou descer (paixões animais) pela coluna espinhal (Idá e Pingalá).

Tarefa associada ao signo de Capricórnio.

 

1.10 Descrição Sephirótica:

Ayn (16 = 1+6 = 7) relaciona-se com a Sephirah Netzah em seu segundo ciclo, assim, podemos constatar também a presença de Netzah em Ayin por ser a sétima letra do segundo ciclo que vai de 10 a 18. Netzah é representado na Árvore pelo signo cardinal de Libra o que se traduz em um introdutor das experiências ligadas ao elemento Ar que pode manifestar-se como porta de entrada de forças mentais ou racionais. Esta posição de Netzah no segundo ciclo corresponde ainda a interiorização da Beleza de modo que em Ayin esta Beleza recolhida passa a fazer parte do Mundo de Formação (Yetzirah) que transforma tudo em contornos definidos.

Axioma Transcendente: “luz ao amanhecer, luz do meio-dia, luz do anoitecer; o que importa é que seja luz”.

Horário: 7ª hora de Apolónio – “o fogo reconforta os seres inanimados e se algum sacerdote, homem suficientemente purificado, o rouba e logo o projeta; se o mistura ao Óleo Santo e o consagra, conseguirá curar todas as doenças somente ao aplicá-lo na parte afetada. O iniciado vê aqui a sua fortuna ameaçada e os seus negócios fracassam”.

A força da corrente astral abate ao homem que não esteja capacitado, pelas iniciações, para suporta-las de modo que será vítima das correntes desorganizadas, na justa proporção de sua indulgencia moral e intelectual. De outro lado se estiver capacitado para trilhar as regiões superiores receberá o batismo de fogo e os poderes do Mago de modo que as fontes de vida terrestre se colocarão a sua disposição e poderá tornar-se inclusive um curandeiro.

1.11 Significado no jogo

A Torre Fulminada deixa a ideia de decapitação e castigo como consequência de uma decisão tomada anteriormente ou alguma fraqueza no agir em direção ao que seria o correto. Representa, pois, os objetivos materiais que chegaram ao seu limite (da matéria) e vislumbra-se o momento de abandona-los, eis que agora são fulminados e lançados a um dramático abandono em razão de uma intervenção por uma força imprevista.

Com a falência do objetivo material agora é o momento de olhar para a espiritualidade, fazer exames de consciência e vislumbrar novos valores.

1.12 Palavras chaves:

1.12.1 Manifestação Yod.

Mudança de paradigma por circunstâncias desafortunadas.

1.12.2 Manifestação He.

Modificações traumáticas, insegurança, inquietações, rejeição afetiva.

1.12.3 Manifestação Vo.

Perigo decorrente de ideia fixa.

1.12.4 Manifestação He.

Liberação para um novo início, momentos de transição, destruição das cristalizações desnecessárias.

1.12.5 O lado negativo da força.

Perdas, RESET pelo Real Ser, confusão, enfermidade, catástrofe resultado de imprudência, escândalo, hipocrisia, acidente, falência, fracasso nos negócios, destruição física, ruptura forçada, abandono, fortuna ameaçada, correntes de forças desorganizadas, decapitação, castigo.

 

 

[1] Gaia, considerada como a terra primordial, da qual se formam todas as coisas, está em analogia Capricórnio.

A segunda terra é Rea, considerada como a mãe de formação das diferentes espécies, e está em analogia com Touro.

A terceira e Deméter, era uma terra cultivada, graças ao esforço do homem, uma produtora do trigo e protetora das colheitas. Está em analogia com Virgem.

 

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH TOMOS I capaClique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina principal e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO I

ÀRVORE DA VIDA – OTZ CHIIM

ELEMENTOS, PLANETAS, SIGNO, TARO

 

Autor: Inácio Vacchiano