18 A LUA – TZADDI.


caminho 28 Lua

1.1    Elementos constitutivos ou relacionados

Sephirah: Yesod no segundo ciclo
Signo do sendeiro: Aquário
Elemento zodiacal: Ar
Trilogia elem. sephirótico: Ar do Ar no segundo ciclo
Planeta do sendeiro: Saturno
Arcanjo do signo: Kambriel (כאמבריאל)
Velas:  3 violetas
Incenso: [Erva de Santa Maria, enxofre, raiz de guiné, gengibre]
Letras: Tzaddi-Daleth-Yod
Gemátria: 90+4+10 = 104 = 1+0+4 = 5
Valor numérico: 90
Armas mágicas: O Incensário ou Aspersório.
Poder mágico ou oculto: Astrologia.
Forças em ação: A força de Netzah que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Yesod pelas vias de Aquário.
Sendero: 28, que une Netzah a Yesod.
Texto yetzirático: O 28º caminho é denominado a Inteligência Natural; por ele, tudo o que se encontra abaixo do Sol é terminado e concluído.
Cor em Atziluth: Violeta
Cor em Briah: Azul celeste
Cor em Yetzirah: Roxo azulado
Cor em Assiah: Púrpura manchado de branco

1.2    Caminho 28º

A Lua = A Beleza da Força Fundamental pela interiorização das ideias. Vênus atuando através de Aquário sobre a Lua. Netzah responsável pelo gérmen do pensamento humano, pela vida dos sentidos aportando-lhes riqueza e exuberância atuando através de Aquário sobre Yesod por onde são aportadas as imagens rumo a cristalização; o “Yod” do Mundo de Yetzirah atuando através de Aquário sobre o “Vô” do Mundo de Yetzirah, Fogo do Ar atuando através de Aquário sobre o Ar do Ar.

Corel Caminh 28

O 28º caminho é denominado a Inteligência Natural; por ele, tudo o que se encontra abaixo do Sol é terminado e concluído.

Aqui os germes do Supremo Amor relativos a Netzah são depositados na esfera das cristalizações de Yesod produzindo imagens sublimes que encantam a consciência. Se no sendeiro anterior vislumbramos como se originava a consciência das coisas, aqui, o Vô-Yesod para dar movimento, ativar esta consciência e torna-la uma realidade material. Cumpre notar que as Sephiroth que estão abaixo do Sol são as três do Triângulo Mágico e a conclusão se dá em Malkuth. Então a vitoriosa Beleza de Netzah se converte em imagem de Yesod, em arte, em histórias, para mostrar aos mortais o caminho a seguir. O resultado da obra contida em Netzah vai de encontro a materialização final de modo que restará a Yesod transmiti-la a Malkuth, ao mundo físico.

A nível humano refere-se à projeção da Beleza para a forma física, será preciso sair da teoria rumo a prática, ou seja, não basta saber, conceber a harmonia do mundo, mas é necessário que este conhecimento seja projetado para uma realidade final, para os níveis mais baixos tanto interno como externo. No interno refere-se a morte psicológica, ao refinamento da personalidade, aperfeiçoamento dos hábitos e no externo cumpre projetar as sementes desta harmonia para o mundo, para a sociedade.

De outro modo, Netzah (o terceiro da coluna da misericórdia) é o exteriorizador de Hochmah (primeiro desta coluna e o segundo do Mundo de Atziluth) no mundo de Yetzirah, ao passo que Aquário é o segundo de seu elemento, portanto também representante de Hochmah (as Águas espirituais, as Águas da vida) e, tem por missão interiorizar e traduzir as Leis Universais de cima para baixo, como consta de sua própria simbologia, dois raios ou zig-zag, um em cima e outro em baixo (que nos remete a água), ao qual lembra também o preceito de Hermes (Assim como é encima é embaixo e vice versa…), que serão exteriorizadas por Yesod que ocupa a posição de “Vô” no mundo de Yetzirah. Assim, este caminho pressupõe a espiritualização das partes mais baixas no intuito de que ocorra a eliminação do ego, deste coletivo de agregados, rumo a Unidade do Ser, além do mais denota que toda ordem superior, as energias que vem de cima, devem ser acatados em baixo para que tudo corra bem, esta Inteligência Natural, que aplicada, promoverá que tudo aquilo que se encontra abaixo do Sol (sob os planos superiores – Unidade) seja terminado e concluído.

De outro lado, é sabido esotericamente, que quando pretendemos alterar um plano temos que agir sobre o plano imediatamente superior ao desejado. Deste modo se queremos alterar características ou mesmo sanar o corpo físico (também dominado por Netzah pelas vias dos cinco sentidos) devemos atuar sobre o plano vital de Yesod.

Este caminho denota ainda a sexualidade de Yesod sob a sensualidade de Netzah que precisa da interiorização de Aquário ao invocar as forças de Hochmah a fim de que não venha haver um desequilíbrio entre e sexualidade e a sensualidade o que levaria a luxúria e as paixões obsessivas com exagero das emoções. Aqui é onde Lúcifer, os instintos sexuais associado a Vênus, nos colocam a prova… Este caminho, no sentido involutivo, pode levar aos desequilíbrios a enredos embaraçosos e guie a imaginação a loucura, inclusive na arte.

Este sendeiro e ativado pelos Principados (Netzah) e pelos Anjos (Yesod) conjuntamente. O caminho de ida pela árvore é regido pelo Principado o 65 7->9: POYEL e o caminho de volta pelo Anjo 9->7: JABAMIAH .

Os aspectos entre Vênus e Lua, tais como quadratura, conjunção ou oposição, no mapa natal são indícios de que o indivíduo está trabalhando neste sendeiro.

1.3    Letra-força צ

tabela gematriaTzaddi é a decima oitava letra força – é uma letra simples. Na tabela das letras hebraicas o Tzaddi (90) se situa a esquerda do Teth (9), que representa Yesod, portanto, o sexo e, por estar no final do segundo ciclo, de interiorização em Tzaddi anuncia o aparecimento de fenômenos físicos.

A letra força Tzaddi expressa hieroglificamente as mesmas ideias de Teth, ou seja, cobertura, teto e igualmente transmite a ideia de termino ou de fim, limite eis que Teth e o nono do primeiro ciclo e Tzaddi e o nono do segundo ciclo. Em ambos os casos se referem que o próximo passo é o início de um novo ciclo. Contudo em Tzaddi esta cobertura é mais grave pois está mais para um alçapão que se fecha pois refere-se a um ciclo que termina com a queda na matéria.

1.4    Imagem, figura

luaO nome desta carta é o Crepúsculo ou A Lua. Onde há um campo opacamente iluminado pela Lua. A Luz como símbolo da alma se projeta indiretamente assim como a Lua reflete a Luz do Sol. O mundo material se acha iluminado pelo reflexo espiritual. Ao fundo encontramos duas torres. Da Lua respingam-se gotas de sangue em um caminho tortuoso.

Representa o final de uma escalada da descida do espírito a matéria eis que no segundo ciclo do nove (9×2=18) o espírito se encontra praticamente na matéria (no mundo vital – físico acelerado), daí as gotas de sangue (a Luz se materializando). Vemos também que a trilha está salpicada com as gotas de sangue.

No mais percebemos que um cachorro (considerado amigo do homem) e um lobo (considerado inimigo do homem) uivam para a Luz e que em meio a esta situação um caranguejo (que vive no mundo subterrâneo – sai e volta) sobe entre os dois.

A matéria é como um imã que conspira para que o espirito se afunde cada vez mais, assim, os espíritos de baixo, os servis (cães), as larvas ferozes (lobos) e elementais desenfreados (caranguejos) não só vislumbram a queda como atuam para aprisionar ainda mais a alma. Não é por acaso que uma das interpretações desta carta é “Inimigos ocultos”.

18 O CrepusculoNo taro egípcio vemos nas águas da vida um escorpião dentro de um triângulo invertido – terceiro logos, Binah, Divina Mãe invertidos. No meio da carta há duas pirâmides: uma branca e outra negra que simbolizam as energias positivas e negativas. Sob as pirâmides dois cães ou lobos, um branco e outro negro, ladram à Lua. O cão branco simboliza a amizade, o cão negro ou lobo os inimigos ou agregados psíquicos.

Então temos a luta entre as forças tenebrosas. A Lua está associada a Yesod e, portanto, representa o sexo e com este trabalho precisa ser convertida em Sol. Os cães representam o instinto sexual que corretamente trabalhados nos levam ao Absoluto. Simboliza ainda o cão Cérbelo que precisamos resgatar dos mundos infernos para a Luz – liberar a força sexual e utiliza-la de modo transcendente.

O arcano 18 expressa Luz e trevas, magia branca e magia negra que pode ser constatado na cor das pirâmides e dos cães. Denota ainda o lado negativo do 9 de Yesod-sexo (o primeiro 9 e positivo o segundo 9 (18) é negativo – o número 1 e positivo o 2 é negativo) e representa os inimigos ocultos do 9 positivo. Vimos ainda o número 666 decomposto em seu aspecto negativo (666 = 6+6+6 = 18). 666 e o número do homem porque o homem é filho do sexo (9). O Kundalini sobe lentamente pelas 33 vertebras da coluna espinhal conforme se alcance as virtudes dos caminhos ou de cada vertebra pela utilização Sahaja Maithuna em Yesod – “…O Céu toma-se por assalto.”

Aqui encontramos todos os filhos das bruxarias, os grimórios, receitas tenebrosas, cerimônias mágicas e eróticas, etc. Dentre os filtros mais perigosos utilizado pelos tenebrosos está o intelecto que nos transforma em sinceros equivocados.

Podemos nos defender com as conjurações dos quatro e a conjuração dos sete[1]. Podemos ainda solicitar o auxílio do nosso intercessor elemental nos momentos de adormecer, lembrando que os ataques ocorrem nos mundos internos.

1.5    Arcano menor: Rainha de Espadas

rainha de espadasLocalização na Arvore da vida: Tiphereth (Vô)

No zodíaco o domicílio Rainha de Espadas é Aquário.

Arcanos que governa: Quatro de Paus, Cinco de Paus e Seis de paus

A rainha de espadas tem os atributos de Tiphereth na qualidade de Vô do mundo das criações (Briah) e representa o equilíbrio no mundo sentimental, o sacrifício da paixão, a renúncia a uma idealização excessiva, para dar lugar à convivência cotidiana.

O sacrifício aqui refere-se a uma integração sintética desses valores em uma realidade mais equilibrada, tal como acontece em Tiphereth, cujos valores a rainha de espadas representa. Não significa o desaparecimento dos valores apresentados pela rainha de paus e copas, mas um pouco de paixão, um pouco de ilusão equilibradas e a firme vontade de realizar uma obra comum: isso é o que proporciona a rainha de espadas.

A sua aparição no nosso jogo significará que encontramos a pessoa cujas virtudes se complementam com as nossas, aperfeiçoando-as e equilibrando-as. Para um homem, a rainha de espadas será a esposa, a companheira de todos os dias. Para uma mulher, será a amiga ideal; para um homem a que tornar-se-á sua esposa. Trata-se, de alguém que já conhecemos em um passado distante e com quem temos formado parceria.

Palavras chaves: Q♠ Rainha de Espadas, complemento, esposa, paixão, ilusão realização, sentimento e sacrifício da paixão

(Reta) Mulher voluntariosa, ativa, sabia, de princípios.

(Invertida) Mulher viúva, enferma, mandona, autoritária, egoísta, complicada.

1.6    Elemento, ciclo zodiacal, planeta

Na ordem dos elementos, Tzaddi (18 = 1+8 = 9) corresponde Ar do Ar no segundo ciclo da nona Sephirah e também o Yesod-Lua interiorizado já que Tzaddi é o Teth na fase “He” do nome יהוה – “Yod-He-Vô-He”. Enquanto Yesod em sua primeira fase representa o sexo, podendo ser figurada pela mulher. Nesta segunda etapa representa a mãe portadora do fruto já próximo da exteriorização e, deste modo, anuncia a faculdade de dar a Luz.

Na trilogia dos elementos: Yesod está relacionado ao signo de Gêmeos.

No ciclo zodiacal יהוה – “Yod-He-Vô-He”, Phé está livre de toda dependência zodiacal e trata-se agora de uma criação inteiramente sephirótica.

No ciclo Sepher Yetzirah corresponde ao signo de Aquário o segundo signo do Ar (Água do Ar).

Nome divino (Atziluth): HYVH היוה 11.0 Kambriel
Arcanjo (Briah): Kambriel כאמבריאל
Coro Angélico (Yetzirah): Tzakmiqiel צכמקיאל
Anjo regente da casa correspondente (Assiah): Ansuel אנםואל
Planeta regente: Saturno
Elem. Signo/Sephirótico: Ar/Água do Ar הו
Apóstolo: André
Tribo: Reuben
Cartas do Tarô: Rainha de Espadas הו rege Quatro, Cinco e Seis de espadas.
Hora planetária e astrol.: 20 às 22 horas da saída do Sol; de 301º a 330º no zodíaco.
Região do corpo: Panturrilhas e tornozelos

Aquário dispara a interiorização de ideias a fim de descobrir e traduzir as Leis Universais. No processo criativo cabalístico Aquário é regido por Hod. No zodíaco, seu regente é Saturno. Os astrólogos modernos, depois da descoberta de Urano, lhe têm atribuído este planeta como regente mas, Urano não se encaixa em Aquário, não só pelo conteúdo, pois astrologicamente, diz-se que Urano vibra em uma oitava superior a todos os outros planetas e, a consequência desta situação, é que a força de Urano se manifesta necessariamente destrutiva, uma vez que se algo vibra a uma intensidade superior não pode integrar-se a um conjunto cuja frequência vibracional é inferior sem destruí-lo; de outro lado foge a Lei do Heptaparaparshinokh[2]. Por último, Aquário pertence o mundo cabalístico de formação (Yetzirah) e, dentro desse mundo corresponde ao estágio de criação (Briah) por ser o segundo signo do seu elemento.

Aquário é o signo fixo de ar, o He de seu elemento e o Vô dos signos fixos. Representa o estado de interiorização das ideias, do pensamento, realizando as mesmas funções que Leão em relação ao elemento fogo e que Escorpião em relação a água.

Em Aquário, o pensamento penetrou no interior do indivíduo e sacou a lei sentimental, até então vigente, para instaurar a lei da mente. Já não se vê as coisas como o resto da humanidade. A partir de seu interior contempla as analogias universais e é capaz de expressar em seu domínio o que é verdade em outro Plano muito diferente. Daí que o aquariano seja o inventor, o descobridor, o que traduz uma lei universal a um esquema particular.

Ao se chegar a Aquário pode-se contemplar a harmonia dos mundos, a unidade do ideal. O puro Aquariano é um exemplar raro. Os que captam as vibrações superiores do signo são como colunas de uma obra divina que levam as leis do céu para a Terra.

Os sentimentos ainda não foram vencidos e, então, veremos que os poderes mentais que internaliza este signo servem frequentemente para justificar seus estados emocionais que deveriam ter sido educados e que, desta forma, faz transparecer como lógicos e, o tipo passa por “avançado”, “moderno”, “sem preconceitos” quando não é mais que um espertalhão que sabe justificar aos seus próprios olhos os seus instintos primários.

Os maus aspectos planetários sobre Aquário perturbam a assimilação do pensamento e, no plano filosófico e, o indivíduo cometerá erros de interpretação, não assimilará corretamente o pensamento expresso. Na vida mundana interpretará de modo torcido as palavras e as ideias de seus interlocutores e não interpretará as leis segundo seu espírito. Um excessivo número de planetas em Aquário fará o indivíduo abstrato, sem calor humano, impessoal como uma a máquina. Será o tecnocrata que não leva o fator humano na hora de planificar.

Palavras chaves:

(+) Expressão das analogias e leis universais, harmonia dos mundos, unidade do ideal, inventor, descobridor.

(-) Justificativas emocionais, má assimilação do pensamento, distorção das palavras, impessoalidade.

CASA XI: A Casa XI expressa na Terra as potencialidades de Aquário. Neste signo as forças mentais se interiorizam, fazendo com que o indivíduo deixe de se comportar de acordo com seus desejos para agir em uníssono com a Lei Universal. A Casa XI materializa este processo na vida prática de um modo que este sector nos revela aquilo que é coerente com a natureza interna da pessoa.

A vida exterior é uma emanação do que levamos dentro de si e se não vemos nos acontecimentos que vivemos a expressão de nosso caráter, é porque nos conhecemos mau. Cumpre a casa XI situar-nos em um contexto em que as coisas são como nós somos por dentro e por fora, seja de dentro para fora ou de fora para dentro. Daí a ideia de suportes, protetores, amigos, que contém a Casa XI. Os protetores que esta Casa nos dispensa são espelhos de nós mesmos, porque veem em nós seu modo de pensar e encontram a possibilidade de levar a maturidade seus próprios ideais.

A Casa XI indicará igualmente os projetos do indivíduo, não os que são fruto de um desejo que pode variar de da noite para o dia, mas esses projetos que ultrapassaram a barreira do ciclo e sentimental que foram recebidos e elaborados por uma mente para passar posteriormente por uma fase de elaboração o material. Esta Casa nos desvelará, pois, o próximo futuro material de uma pessoa.

Os maus aspectos planetários sobre este sector dificultarão as relações com os amigos, os protetores, e colocam obstáculos na realização dos projetos. Dar-nos-ão amigos com problemas, de forma que aqueles que normalmente deveriam prestar-nos o seu apoio, não só não nos darão, mas que teremos que ajuda-los.

Quando um excessivo número de planetas se encontra neste setor, o indivíduo se vê envolvido em demasiados projetos. Seus amigos serão muito díspares, e todos o lançarão a horizontes distintos, de modo que, ao abarcar demais, invadira domínios aos quais não se deveria colocar os pés.

Palavras chaves:

(+) Agir pela Lei universal, emanação externa = interna, amigos, protetores, projetos.

(-) Dificuldade com amigos e protetores, múltiplos projetos.

Na ordem planetário representa a Saturno em razão deste planeta ser o regente de Aquário o governador do 28º caminho. Saturno é o rosto visível de Binah cuja ideia de sacrifício e restrição é básica, sacrificar a Luz para que surja a matéria.

Na ordem de fenômenos naturais o Tzaddi representa e estabiliza a mente. Traduz o abstrato em termos concreto. Descobridores, inventores. As nuvens – Os condutores fixos de água. A fase em que as sementes do pensamento, transportadas pelo ar, são aspiradas pelos pulmões e incorporadas ao corpo físico.

1.7    Discípulo: André

André era um homem de bom juízo, o que tinha uma visão melhor, mais clara sobre as coisas juntamente com o pensamento lógico, qualidades estas inerentes a aquário.

Os dois primeiros discípulos foram André e Pedro. As escrituras nos informam que eram irmãos o que nos indica a filiação zodiacal em Saturno.

André é considerado esotericamente como o Mestre dos 3 fatores da revolução da consciência: Morrer, Nascer e Sacrifício pela humanidade que segundo as palavras de Cristo se resume em:

Mateus 16:24 “Então, disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz e siga-me;”

Cabe esclarecer que a Morte é psicológica; o nascer é uma questão eminentemente sexual e está relacionada a Magia Sexual, ao Sahaja Maithuna e o Sacrifício refere-se ao auxilio na libertação da ignorância espiritual do próximo entre outras coisas.

1.8    Tribo: Reuben

Gênesis 49:4         Inconstante como a água, não serás o mais excelente; porquanto subiste ao leito de teu pai. Então o contaminaste; subiu à minha cama.

Ruben do hebraico, significando “veja – um filho!” Ruben foi o primeiro filho de Jacó e Léa. Sua mãe era a esposa menos favorecida de Jacó, Léa, que chamou o menino de Ruben porque, segundo ela mesma disse, “Jeová tem olhado para a minha miséria, sendo que agora meu esposo começará a amar-me”. Sob os olhares favoráveis de Jeová, a sua mãe Léa, Ruben e seus cinco irmãos (Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulão) constituíram metade dos cabeças tribais originais de Israel.

1.9     6º Trabalho de Hercules: Limpar as estrebarias de Áugias

estrebaria de augiasÁugias, rei da Élida, cuja filha, conhecedora das virtudes das plantas, compunha, com elas, mágicas beberagens. Áugias era a região a oeste da Arcádia. O Rei tinha grandes rebanhos de cavalos (ou gado, conforme a versão), mas não cuidava de seus estábulos, que acumularam uma colossal quantidade de estrume ao longo dos anos.

Os estábulos sujos são a viva representação simbólica de nossos próprios fundos subconscientes submersas (magoas, raivas, angustias), que hospedavam seus próprios rebanhos (os múltiplos agregados psíquicos bestiais que constituem o ego) e, entre eles, doze cândidos touros, alegorizando o Karma zodiacal, se havia acumulado a sujeira de várias gerações.

Hércules conseguiu lavá-los num só dia, fazendo um buraco na parede e desviando depois o curso de dois rios, para que suas águas os inundassem. As águas limpas estão ligadas as nossas emoções puras e os dois rios referem-se as correntes sexuais do organismo humano Ida e Pingalá situados ao longo da coluna.

Este insólito trabalho pode, portanto, ser identificado com Aquário, casa zodiacal também designada a Urano, Ur-Anas, o fogo e a água primordiais, simbolizando claramente as correntes sexuais citadas no organismo humano.  Afirma-se que Urano, como primeiro rei divino da primitiva Atlântida, é o regente de nossas glândulas sexuais, como Asura-Maya, é o primeiro revelador dos mistérios da vida e da morte. Afirma a lenta que Urano teve 45 filhos ou seja 4 + 5 = 9 -> o Eremita, a nona esfera, o sexo.

Então o trabalho consiste em desviar o rio amoroso para dentro e para cima de modo a inundar os estábulos de Áugias e limpar a sujeira das entranhas minerais solares, do inferno solar e destruir seus demônios.

1.10 Descrição Sephirótica:

Tzaddi (18 = 1+8 = 9) relaciona-se com a Sephirah Yesod em seu segundo ciclo, assim, podemos constatar também a presença de Yesod em Tzaddi por ser a nona letra do segundo ciclo que vai de 10 a 18. Yesod é representado na Árvore pelo signo mutável de Gêmeos o que se traduz em um exteriorizador das experiências ligadas ao elemento Ar que pode manifestar-se como porta de saída de forças mentais ou racionais. Esta posição de Yesod no segundo ciclo corresponde ainda a exteriorização da Glória ou Fundamento no segundo ciclo de modo que em Tzaddi, este Fundamento que faz parte do Mundo de Formação (Yesod), inicialmente se traduz em imagens e se prepara para a materialização em Malkuth-Assiah eis que o próximo grupo de letras, do ciclo Vô (19 a 21) será de formação (Mundo de Yesod) e atuará sobre a realidade física.

Como Tzaddi se encontra no final da fase de interiorização (2º ciclo He – 10 a 18) ocorre aí um esvaziamento energético para anunciar o aparecimento de fenômenos no campo físico. Se considerarmos Teth como uma mulher, no atual ciclo (2º) temos o fruto interiorizado, algo semelhante a mulher gestante e o prenuncio da faculdade de dar a Luz.

Axioma transcendente: “seja a tua caridade inesgotável como graneiro e o teu graneiro tão inesgotável como a tua caridade”.

Horário: 9ª hora de Apolónio – “aqui, todavia nada está ainda terminado. O iniciado aumenta a sua percepção até ultrapassar os limites do sistema solar, para além do zodíaco; chega ao umbral do infinito, alcança os limites do Mundo Inteligível. Revela-se a luz divina e com ela aparecem novos temores e perigos, (estudo sobre os Mistérios menores, as nove arcadas pelas quais tem de subir o estudante)”.

1.11 Significado no jogo

Esta carta anuncia a existência de uma vida subterrânea (caranguejo), que está fora da percepção, algo escondido e que é capaz de mudar uma situação. Se os trabalhos internos estão sendo feitos e a condução das energias estão corretas não significa necessariamente algo ruim de outro modo podem haver percalços.

Seja lá o que estiver oculto tem a faculdade de modificar uma situação e como estamos falando do segundo ciclo da energia podemos dizer que haverá uma mudança de polaridade no presságio, assim, se o contexto for negativo o resultado da questão será positiva, de outro modo se o contexto for negativo o resultado será positivo. De qualquer modo estamos tratando de uma fatalidade já que Yesod é um coletor de imagem das Sephiroth acimas, assim, tudo já está pronto para a cristalização e nesta Sephirah o que vemos é um espelhamento da circunstancia emanada do interior do indivíduo.

1.12 Palavras chaves:

1.12.1 Manifestação Yod.

Entorpecimento da vontade, confusão, poderes psíquicos.

1.12.2 Manifestação He.

Prenuncio, inspiração, intuição do mal, vidências, medo, insegurança, sentimentos conturbados

1.12.3 Manifestação Vo.

Imagens das formas materiais, expressões simbólicas, analogias, ilusões, aparências, olhar superficial.

1.12.4 Manifestação He.

Obscuridade, agitação, imagens que aparecem e desaparecem rapidamente, triunfos e fracassos aparentes, perigos invisíveis, inimigos ocultos, parto próximo, situação que oculta algo, novo ciclo.

1.12.5 O lado negativo da força.

Instrução pela dor, penumbra, perturbação neurótica, atuação de forças ocultas, magia negra, alucinações, delírios, instabilidade, inconstância, impedimentos inesperados, segredo que se torna público.

[1] Veja o capítulo intitulado: Conjurações e invocações.

[2] Também conhecida como Lei do Sete responsável pela ordem e harmonia do Universo. Afirma-se que o três (Santo Triamatzicano) cria e que o sete (Heptaparaparshinokh) organiza.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH TOMOS I capaClique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina principal e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO I

ÀRVORE DA VIDA – OTZ CHIIM

ELEMENTOS, PLANETAS, SIGNO, TARO

Autor: Inácio Vacchiano