68. 9->5: HABUHIAH


1.1       Elementos constitutivos ou relacionados

Coro 9 – Anjos  
Príncipe: Gabriel.
Mundo do coro: 3 – Yetzirah, Mundo de Formação, Mental – elemento Ar
Signo: Peixes.
Elemento zodiacal: Agua.
Relação/elementos: Ar do Ar atuando sobre o Agua da Agua.
Relação/mundos: “Vó” do Mundo de Yetzirah sobre o “He” do Mundo de Briah.
Velas:  Branca em cima e duas vermelhas em baixo.
Incenso: [Cânfora, murta, louro, arruda, eucalipto, hortelã, alecrim, patchouli, citronela, absinto] e [Sândalo, acácia, cipreste, absinto].
Letras: Cheth – Beth – Vau – Yod – Heh
Gemátria: 8+2+6+10+5 = 31 = 3+1 = 4
Arco:  336º a 340º graus da esfera zodiacal.
Invocação por domicílio: de 5º a 10° de Peixes 25 de fevereiro a 1 de março.
Invocação por rotação: de 7 a 8 de Gêmeos: “Yod” ou 29 de maio;

de 19 a 20 de Leão: “He” ou 12 de Agosto;

de 1 a 2 de Escorpião: “Vô” ou 25 de Outubro;

de 13 a 14 de Capricórnio: 2º “He” ou 4 de Janeiro;

de 25 a 26 de Peixes ou 16 de Março: quintessência.

Invocação pelo ciclo diário:   22:20:00 às 22:40:00 a partir da saída do Sol.
Invocação por conjunção:  Quando a Lua se encontra em um dos graus de Marte, ou seja, entre 4º a 5º, de 14º a 15º e de 24º a 25º de qualquer signo.
Atributo: Deus generoso, Deus que dá com liberalidade.
Nome da essência: CURA.
Nome da Força: Propagadora, difusora de reparação.
Forças em ação: A força de Yesod que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Geburah.
Sendero: Sub-sendeiro que une Yesod a Geburah em sua trajetória de retorno pelas árvore e zodíaco.

1.2               Palavras chaves:

SAÚDE resistente, CURA, reparação (p/ harmonia c/ universo), TRABALHO FECUNDO – com frutos, FECUNDIDADE (fecundação e geração), CAÇA, agricultura, ESPAÇO LIVRE, emprego.

(-) PARASITAS, insetos nocivos, PRAGAS, peste, FOME, esterilidade, PRAGAS, vida dupla, IMAGENS CONFLITIVAS, delírios de litígio.

1.3               Movimentação Sephiroth: Nove na quinta posição

Há uma piada que trata sobre certo indivíduo que estando dirigindo em uma estrada e, de repente, teve o pneu de seu carro furado. Ao verificar o porta-malas percebeu que não tinha um macaco hidráulico para fazer a troca.

Viu uma casa há cerca de um quilometro e enquanto se dirigia para lá começou a fazer vários questionamentos interiores: E se ele não quiser me emprestar o macaco? Mas por que ele não me emprestaria um macaco? Como ele sabe que não vou devolver? O que ele tem contra mim se nem me conhece?

E prosseguiu com este diálogo interno até chegar. Finalmente quando chegou no lugar, tocou a campainha e quando foi atendido disse iradamente à pessoa que o atendeu: Quer saber? Pode ficar com seu macaco, vou ver outras opções.

Quando Yesod atua em Geburah a mente se enche de violência, projeta imagens, de luta e enfrentamento, fica propensa a dramatizar. Internamente ocorrerão psicodramas que não ocorreram com as pessoas com as quais cruzam e às veem em atitude ameaçadora.

Se não houver o controle destas forças ou outras resultantes que aliviem esta carga, poderá ocorrer incidentes simplesmente porque se pensa que o outro se comporta de maneira não amistosa. Se houver uma exteriorização, poderá ocorrer situações realmente perigosas, violentas que se justificarão o que se prevê.

É necessário que a pessoa esteja desperta para não se deixar influenciar por estas imagens de Yesod acrescida da energia de Geburah.

Em Malkuth encontraremos pessoa difícil e que atrai dificuldades, mulher com caráter conflitivo e dura com o homem.

Corresponde astrologicamente a posição da Lua em Áries ou Escorpião.

 

1.4               Arcano – Mundo: Cinco de espadas no mundo de Yetzirah

Recebe o título de Senhor da derrota. Refere-se ao elemento Ar e astrologicamente corresponde a posição de Marte transitando pelo segundo decanato de Aquário onde manifesta seus fluxos mediante as roupagens deste signo e sob as pulsações do regente deste decanato que é Saturno.

Neste ponto as restrições de Binah o construtor do universo, centro instituidor de todas as coisas de onde emanam a Lei e a ordem, expressa-se por intermédio de Geburah que trata dos reajustes, da Justiça, da correção dos erros. No mais, o resultado desta alquimia se exteriorizara ainda pelo tom prismático de Binah, o coordenador deste subciclo evolutivo.

Aqui as forças de Geburah são consideradas derrotadas em razão da entrada das forças de Tiphereth já que, esta, por estar a um passo a diante nas realizações materiais, tem características equilibrante, então o que se vê derrotado aqui seria o rigor no caminho de sua materialização, como se fosse o cinco na sexta posição. Este equilíbrio destrói, assim, a parte danosa, o mal. O Ar-pensamento de Binah neutraliza as forças dos sentimentos constantes do Mundo de Briah e do “He” que representa Geburah.

Esta posição marca quando da travessia do mar vermelho, depois do deslocamento, onde de um lado estão os vitoriosos eleitos e de outro os derrotados – as vítimas. O umbral da terra prometida e o vasto porvir. Assim, neste ponto, teremos que escolher entre estar com o passado, cultuando seus cadáveres ou nos identificarmos com os ganhadores e seguirmos adiante em novos propósitos rumo a terra prometida. Significa a perda daquilo que se ama, aos apegos para entrar em um mundo novo.

A liberação das emoções que atavam o indivíduo ao passado e a liberação das culpas resultantes destas emoções. A pessoa se encontra livre e sem compromissos após pagar seus sacrifícios (que deverá passar conforme narrado, em uma realidade que vai a pique), trata-se de uma carta de rigor.

Quando o cinco de espadas atua no mundo de Yetzirah os pensamentos são reforçados no sentido do desapego, rumo a uma nova realidade em razão da antiga que se desfaz, a soltar-se das ancoras que atava as antigas condições, tudo com vistas a um novo caminho.

 

1.5               Virtudes concedidas:

1º.- Conservar a saúde e a cura das doenças.

2º.- Fecundidade em mulheres.

3º.- Realização de colheitas abundantes.

4º.- Concede amor pelo campo, a agricultura e jardinagem.

5º.- Protege contra os parasitas, a esterilidade e fome.

1.6               Descrição Sephiroth:

HABUHIAH é o quarto da 9º ordem de anjos denominado como Coro dos Anjos, situa-se na morada filosofal de número 68, rege o sub-sendeiro que une Yesod a Geburah em sua trajetória de retorno pelas árvore e zodíaco. Trata das forças de Yesod por onde são aportadas as imagens rumo a cristalização e, neste ponto, manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Geburah a séfira emocional que trata dos reajustes, da atuação dinâmica da Justiça na correção dos erros e cujos verbos são: restaurar, reparar, retificar; o “Vó” do Mundo de Yetzirah sobre o “He” do Mundo de Briah, Ar do Ar atuando sobre o Agua da Agua. Nesta casa nos deparamos com a essência filosofal chamada CURA, o conjunto de qualidades, propriedades e atributos que insufla em nós os princípios de conservação da saúde, a cura das enfermidades, promove a união entre o potencial fecundador e a capacidade geradora. Trata-se de uma força Propagadora, difusora de reparação, que nos concede a capacidade de colocar um regramento em nossos desejos ajustando-os em consonância com o ordenamento cósmico, com a Vontade de nosso Ser Interno e assim possamos usufruir sem percalços as benesses advindas de Hesed. Refere-se aos dons físicos que permitem ao indivíduo viver rodeado de abundância uma vez que Geburah é o portador de saúde e força que poderá ser convertido em frutificação mediante o trabalho, a realização de uma obra que se converterá em abundante colheita em seu domínio, sua especialidade. Daí vem o atributo, esta qualidade imbuída de poder denominado Deus generoso, Deus que dá com liberalidade.

A Vontade vem do ponto mais alto, de nosso Ser Interno que vive em um mundo onde impera somente uma única Lei: a Lei do Amor e, à medida que descende pelos planos, suas manifestações necessitam-se adaptar-se as Leis existentes em cada domínio da mecânica já que a liberdade inicial passa a sofrer restrições à medida que desce. Contudo quando a Vontade advenha de nosso Real Ser, e não dos desejos do ego animal, tudo flui, já que nosso Logos Interno atua desde antes da origem destas Leis, em sua causa primeira de modo que ainda que possa parecer o contrário Deus não viola suas próprias Leis e a natureza segue seu curso. Um exemplo bastante grosseiro e que pode ser aqui considerado, se não for analisado pelo prisma kármico, refere-se ao caso do nascimento de um filho originado em uma relação tida como adulterina ou mesmo como resultado de um estupro.

A SAÚDE é um dom que vem de Geburah, que é também, o grande responsável por sua perda já que é a séfira executora de Hesed-Júpiter, que é seu superior e que arraiga em nós as Vontades ou tem que trabalhar em razão das disfunções animais provindos do ego: os desejos.

A aderência a vontade do Ser Eterno nos concede mais liberdade em razão de tratar-se de algo que envolve Tudo, portando não há limites e começa justamente em compreendermos que para participar desta realidade o individual deve ser colocado de lado em razão do coletivo.

Tanto as Vontades que vem de cima como os desejos do ego, estes por sua vez sem Leis ou normas, uma vez instalado em nós succiona a tudo o que esteja em nosso entorno, em nosso externo e que nos propicie a sua satisfação. Então cabe a nós decidir onde investiremos nossas energias.

Se de um lado temos Geburah como executor de Hesed, de outro lado também é o executor de Binah, seu superior na coluna da esquerda e que ainda ocupa posto mais alto do que Hesed. Deste modo é o encarregado de instituir a Lei sobre os desejos.

A Vontade determinada por nosso Real Ser, bem como os desejos advindos do ego passam então por esta última intervenção, antes mesmo que a experiência se manifeste em Malkuth e a adequa aos mundos mais baixos de modo que sejam regulados e acomodados a dinâmica cósmica.

Geburah nos concede a capacidade de regular nossos desejos, de ordená-los e acomodá-los a dinâmica cósmica mediante a Vontade.

 1.7        Das virtudes concedidas:

1.7.1    Conservar a saúde e a cura das doenças.

Geburah é o grande portador de saúde e força. Porem esse dom será um potencial que a personalidade deve converter-se em algo frutífero mediante o trabalho já que Marte é o planeta do trabalho e esta manifestação anuncia uma pessoa dedicada ao trabalho árduo, a fazer as coisas frutificarem. Assim ao nos depararmos com as pessoas regidas por HABUHIAH constaremos alguém que realiza grandes obras e transforma seu trabalho em frutos.

As imagens produzidas por Yesod, neste ponto, suas imagens internas, o conduzirão ao mundo do emprego e trabalhar será um de seus objetivos. O trabalho será recompensador e valerá a colheita abundante no domínio de sua especialidade, seja qual for.

Podemos nos informar do que nos favorece mais observando a posição de Marte, Ascendente e a Casa X, juntamente com os planetas que possam potenciar a HABUHIAH em seu mapa nata, sempre se acautelando no que se refere as dissonâncias constantes nestes aspectos – caso haja.

A recuperação da saúde mediante a utilização das energias de HABUHIAH consiste justamente em um reajustamento as normas divinas, a perfeita integração com a dinâmica cósmica.

Seja na sociedade, nos maquinários em geral nos deparamos com pessoas e peças que são pontos chaves para que tudo ocorra normalmente. Em uma máquina, computador, há peças que são ornamentais e outras que essenciais para não só para o bom funcionamento, mas para o próprio funcionamento do equipamento.

Já vimos políticos, empedernidos, verdadeiros crápulas, inescrupulosos, de índole tão perversa a ponto de merecer a pena de morte, que deixaram até de ir para a cadeia em razão do entendimento de que sua saída prejudicaria em muito o andamento das coisas – podendo originar até o caos, de forma que sua punição se veja adiada tanto na justiça dos homens quanto no processo kármico sendo o último infalível, por resultar em somatórias energéticas, ainda que não aparente à primeira vista.

Com o exposto podemos chegar à conclusão de que na manutenção da maquinaria ou mesmo do sistema social a algumas peças se lhes exige mais do que outras e os mantenedores, cuidadores destes equipamentos e circunstâncias lhes dedicam cuidados especiais. Esta analogia vale também para a saúde e se aplica a todos.

Por vezes ocorre que algumas pessoas resolvem elevar-se espiritualmente acima do nível normal e até tornam-se luzes para os demais, contudo, concomitantemente este processo de elevação reagem, recusam-se a abandonar os privilégios de sua vida anterior a fim de seguir o caminho para o alto. Pretendem ser peças fundamentais nesta engrenagem cósmica, transcendental, mas mantem um comportamento de peças comum, de segunda ordem.

HABUHIAH restabelece nossa saúde, nos outorga seu segredo, não propriamente indicando a pílula que devemos tomar, mas nos concede a consciência destas dissonâncias, em que sintonia devemos nos encontrar para estar em consonância com a ordem universal, nos mostra a posição em que nos encontramos entre o que queremos ser é o que somos, que este conflito interno termina por produzir alterações no estado de saúde. Então haveremos de decidir se fazemos parte das peças comuns ou ocuparemos nosso lugar nos pontos essenciais com direito a tratamentos especiais.

Não é possível escutar ao mesmo tempo uma orquestra filarmônica com obras clássicas como As quatro estações de Vivald, Mozart, Beethoven, etc., e do outro lado ouvir o Rock pesado, caminhar com um pé na montanha e outro no vale. Uma boa analogia, bastante utilizada, acerca deste ponto nos alerta que ser Dr. Jeckyll de día e Mr. Hyde a noite traz consequências danosas a saúde.

A fim de que recebamos os serviços de reparação adequados, necessários, personalíssimos, convém estarmos em nossos postos, o lugar que nos corresponde, já que se estivermos fora de nosso lugar os serviços que receberemos serão referentes ao local em que nos encontramos. É necessário vivermos em harmonia com o universo de acordo o posto em que nos dispomos a ocupar conforme as pulsações emanadas de nosso Ser Interno.

Mais do que nos informar acerca dos princípios acerca da conservação da saúde e da cura, HABUHIAH nos orienta, nos presta auxílio sempre que venhamos a violar as regras do “bom viver” de modo que impede até a morte, se necessário, conforme podemos evidenciar em testemunhos de pessoas que de acordo com os pareceres médicos já deveriam estar mortas, mas seguem vivas, aguardando o dia, o momento em que nelas se produzam as necessárias reações.

Esta saúde resistente é uma característica dos influenciados por este Gênio, que mesmo diante das adversidades se mantém firmes. Convém buscarmos seu auxílio nos dias, horas, aspectos, estando ciente de que se trata de um raio de força, de força mesmo, que para ser recebido adequadamente, limpidamente é preciso estar em harmonia com o universo segundo o lugar que queremos ocupar.

Então devemos estar prontos para receber as pulsações acerca de novas melodias, novos ritmos, novas mensagens que comportam novas formas de vida, novas idéias, novos sentimentos e abandonar o que origine as vibrações contrárias, tal qual ocorreu na travessia do mar vermelho.

 

Outros Gênios trabalham pela cura em operações diversas, assim em resumo temos:

  1. 1->6 LELAHEL: cura pela cromoterapia e consciência dos atos danosos;
  2. 3->8 MELAHEL: cura mediante utilização das plantas medicinais, energias, cirurgias, pesquisas;
  3. 4->7 OMAEL: Cura o efeito das doenças pelos medicamentos;
  4. 5->8 REHAEL: Cura de doenças mentais relativa a relação Pai-filho e mantém a saúde pela maneira correta de pensar;
  5. 6->6 SEALIAH: Cura mediante o equilíbrio e a boa distribuição do sangue – o Tiphereth genuíno;
  6. 7->4 HAHASIAH: Cura pela compreensão do mal – cura a causa da doença;
  7. 8->5 MITZRAEL: Cura às enfermidades mentais, oriundas dos desejos: drogas, homossexualismo;
  8. 8->8 ANAUEL: Cura pela superação das emoções e desejos, altera-se a relação causa e efeito;
  9. 9->5 HABUHIAH: Cura eliminando hábitos nocivos – harmonia com universo – ñ vida dupla.

1.7.2    Fecundidade em mulheres.

As funções de fecundidade estão a cargo da Yesod-Lua já que é a produtora de imagens e refere-se a ulterior, a derradeira exteriorização de Binah – a energia constitutiva. O número 9 está associado ao homem já que sua gestação dura 9 meses.

Neste ponto a natureza masculina e feminina se encontram e aportam a fecundidade. Ocorre que Câncer é regido por Yesod-Lua o “He” zodiacal dos elementos ao passo que Geburah é o “He” sephirótico da coluna da esquerda e do Mundo de Briah. Disto decorre a união do potencial fecundador marciano e da capacidade gastadora lunar.

Estes potenciais se refletirão na agricultura, na saúde, na cura das enfermidades.

Outros Gênios trabalham pela cura da fecundidade ou curando a esterilidade:

  1. 1->8 CAHETEL: Esterilidade nos campos fruto de encantamentos;
  2. 3->4 LEUVIAH: Fecundidade fruto da inteligência;
  3. 3->8 MELAHEL: Fecundidade nos campos, precipitação das chuvas;
  4. 4->7 OMAEL: Fecundidade aos casais, acasalamentos;
  5. 4->8 LECABEL: Fecundidade agrícola, fornece conhecimento técnico avançado;
  6. 6->9 MIHAEL: Esterilidade nas relações sexual;
  7. 7->8 MEBAHIAH: Fecundidade intelectual – ideias;
  8. 8->4 HARAHEL: Esterilidade nas mulheres motivo kármico;
  9. 9->4 EYAEL: Vida longa e fecunda com acontecimentos variáveis, múltiplas experiências;
  10. 9->5 HABUHIAH: Auxilia que os trabalhos sejam fecundos, que dê seus frutos.

1.7.3    Realização de colheitas abundantes.

Esse gênio domina a agricultura e a fecundidade. Os nascidos sob esta égide amarão o campo, a caça, os jardins e tudo o que se relaciona com a agricultura.

Havemos primeiramente de tomar os termos a nível interno, dessarte, a caça que os influenciados por estas energias amam referem-se a dos animais internos, termo esotérico dado as entidades que trabalham no lado negativo da árvore Sephiroth já que com seus impulsos nos levam a construir um mundo ao revés, na contramão da ordem natural das coisas e, consequentemente, nos afastam do lugar da criação, o posto em que deveríamos ocupar convertendo-nos em uma anomalia. Anomalia esta que se reflete, inclusive, em nosso corpo físico e abre as portas às enfermidades e morte prematura.

Quando a caça que deveria se processar a nível interno não acontece acaba por cristalizar-se no mundo físico e dá origem ao caçador que caça fora os animais, mas que deveria caçar em seu interno. Isto ocorre em razão da Vontade emanada por nosso Ser Interno que não é concretizada e, em nossa psique, segue como um raio iniciado, mas que não alcançou o seu fim; resulta então na sensação de algo não terminado e ao mesmo tempo nos dá um alerta de que devemos fazer em nosso interior o que estamos fazendo por fora.

Em CAHETEL (8. 1->8) demos o exemplo do filme Jumanji cuja ficção propõe que o caçador interno passe para o plano físico porque o protagonista não fez os seus trabalhos interiores.

A caça externa que favorece HABUHIAH é a que tem a finalidade da sobrevivência, conforme dita as regras da natureza e a lei do eterno Eterno Trogo-auto-egocrático Cósmico Comum. Lei esta que advém originalmente do Sagrado Okidanock, onipresente e onipenetrante, i.e., trata-se do raio emanado do Sagrado Sol Absoluto e que depois se desdobra nas três forças primarias e dá origem a Lei do Santo Triamazikamno e, continuando, desdobra-se na força do sete – Lei do Eterno Heptaparaparshinoch.

A Lei do Eterno Trogo-auto-egocrático Cósmico Comum, resultado imediato da Lei do Sete resume-se em dois fatores: tragar e ser tragado. Pode ser comprovado até mesmo pelo processo empírico. Trata da mútua alimentação, recíproca, de todos os organismos. O leão, o leopardo, os tigres comerão as gazelas, os bovinos, etc.; peixe grande sempre comerá ao pequeno e o urso, algumas aves, etc. comerão o peixe grade; todos os organismos vivem de todos os organismos. E, ainda que sejamos vegetarianos, quando falecermos, nosso corpo físico será comido pelos vermes.

Abro aqui uns parênteses para os vegetarianos a fim de esclarecer que a alimentação deve obedecer a fórmula constante no nome de Deus, Jehovah que provem do hebraico יהוה – “Yod-He-Vô-He” e que se refere aos quatro elementos Fogo, Agua, Ar e Terra. Portanto a carne refere-se ao elemento Fogo, os peixes a Agua, as aves ao Ar e os cereais a Terra. Há ainda um quinto elemento que se refere ao Espírito, o Éter que se encontra no suco de uvas, o vinho puro sem fermentação. Este alimento refere-se ainda as energias que sobem por nossa coluna durante o processo do Sahaja Maithuna . Estes procedimentos alimentícios são conhecidos como Ritual Pancatattwa. Salientamos que o sexo está ligado ao elemento Fogo e, portanto, é a carne vermelha o gerador desta energia.

Aqueles que caçam com o auxílio deste Gênio encontrarão suas presas mesmo que estejam camufladas, em meio a mata, nos rochedos, etc., tudo em razão das influências de Yesod que promove a visualização, exteriorização das imagens.

 

1.7.4    Concede amor pelo campo, a agricultura e jardinagem.

A pessoa nascida sob essa influência amará o campo, a caça, os jardins e tudo que se relacione com a agricultura.

O amor pela natureza é um bom sinal de que estamos vivendo em um estado natural, já que é inerente a este. Esotericamente afirma-se que aquele que ocupa seu lugar que corresponde seu nível evolutivo conquistou a categoria de lírio-do-vale (simboliza a prosperidade, estabilidade e a felicidade) e, assim, em seu recanto consegue viver com uma boa tranquilidade, mesmo entre os espinhos, como ocorre com esta flor.

“Cantares 2:1-2

EU sou a rosa de Sarom, o lírio dos vales.

Qual o lírio entre os espinhos, tal é a minha amiga entre as filhas.”

Contudo hoje vivemos nas Babilónias que representam as cidades que deixaram de funcionar de modo natural, cuja as emanações psíquicas chegaram a tal ponto, que só resta a destruição. Então vem as doenças, epidemias, pestes, cataclismos diversos a fim de colocar as coisas em equilíbrio novamente já que “ordem” e “equilíbrio” são duas palavras que definem a fundação, a criação de tudo o que podemos ver manifestar-se e do que está além de nossas percepções. Só não aceita, compreende o que aqui afirmamos que não conhece, não compreende a extensão de nossas capacidades internas. Cabe lembrar que antes de qualquer coisa somos pura energia e mesmo quem não creia existir algo além do corpo pode lembrar-se disto quanto mais nos dias de hoje onde a ciência já nos dá alguma noção de onde tudo isto pode chegar.

As cidades externas são uma reprodução de nossas cidades interiores, tudo decorre por analogia. Temos em nosso interior bairros de pessoas endinheiradas, chiques, celebridades, de outro lado há ainda os subúrbios com sua miséria, poluição, barulho. Há também pessoas de bem, ativistas que lutam por boas causas e há os corruptos, os delinquentes do poder. Tudo se exterioriza no mundo em que vivemos.

Quem fura fila, furta uma caneta, uma folha de papel, desrespeita o trânsito em prejuízo do outro, está pagando por seu bilhete rumo a Babilónia, coloca-se em afinidade vibratória com este mundo caótico e como sabemos: os semelhantes se atraem.

Ocorre que um dia, depois de vivermos nestas grandes cidades sentiremos a necessidade de ir para o campo, o espaço livre onde começam e se original as civilizações, o restart, recomeço do zero.

Este amor pelo natural, pelo espaço livre é a pulsação, a energia de HABUHIAH que induz em nós a ânsia de criar esse espaço aberto, experimentá-lo, plantar idéias, sentimentos, conceitos, de acordo com os parâmetros, linhas universais com a fecundidade tal de que seu gérmen chegue aos recantos mais afastados da terra.

Este Gênio nos proporciona os espaços livres a fim de que possamos realizar nossas obras. É claro que o tempo da colheita dependerá do que plantarmos, de seu alcance, importância, etc. Se plantamos uma verdura qualquer veremos o resultado em pouco mais de um mês, mas se plantarmos um pé de cedro, arvore perene de cerne duradouro podem ser necessários muitos anos para sua confecção e deste modo poderemos, nós e os demais, beneficiarmo-nos por longos anos de sua sombra. Se em nossos interiores plantamos estas arvores perenes, em nosso externo o que fazemos durará muito tempo, talvez décadas, centenas de anos ultrapassara em muito as três gerações a que normalmente se desdobra o esquecimento às lembranças acerca de nossas manifestações terrenas, de outro lado ao que se apegue ao fogo fátuo, ao transitório advirá a indigência.

É necessário colocar mãos à obra e realizarmos nossos trabalhos internos, caçar o ego animal, cultivarmos nossos campos internos com boas sementes, a fim de que a obra de nosso Ser Interno possa exteriorizar-se já que aquele que for incapaz de pôr mãos à obra, será o simples amante de paisagens, o homem do campo e caça, o simples agricultor que trabalha no simbólico e não no real, portanto será o admirador que não produzirá obras.

Outros gênios que tratam da agricultura:

  1. 1->8 CAHETEL: A força do Gérmen que rompe a semente em um efeito multiplicador.
  2. 4->7 LECABEL: Fornece conhecimento técnico avançado;
  3. 9->5 HABUHIAH: Promove a caça interior, concede espaço livre, planta a semente fecunda.

1.7.5        Protege contra os parasitas, a esterilidade e fome.

O lado negativo da força

As dissonâncias, que perturbam e desorganizam estas forças, influenciam a esterilidade, causam a fome e a peste; influencia os insetos nocivos aos produtos da terra. Estas dissonâncias são provocadas pelos pensamentos, sentimentos e ações de indivíduos que habitam determinadas regiões. No dia em que escrevemos parte destas linhas está a ocorrer uma invasão de tarântulas em determinada região dos EUA. Quando casos como este ocorrem cabe promover o estudo no intuito de desvendar os dinamizadores destas pulsações não só a termos físicos, mas no caminho que está percorrendo determinada sociedade. Se for em virtude do calor estará ligado à Vontade; nos casos ligados a agua referem-se aos sentimentos, no que tange ao Ar trata-se dos pensamentos.

Os insetos, gerados nas baixas regiões, aparecem para devorar as colheitas. A tradição afirma que foram estas as forças utilizadas por Moises para trazer a praga dos insetos ao Egito.

No humano – o que tem sua alma (ou o que resta dela) já conectado ao abismo, as infra dimensões de seu subconsciente – os insetos são os parasitas, os jornais, os vagabundos que vivem do esforço dos indivíduos – os que se encostam para sugar seja pela preguiça, pelo vício de comportamento, má educação -, os que originam processos indenizatórios injustos, aqueles que promovem a reserva de mercados para se beneficiar – seja no profissionalismo liberal ou no mundo empresarial – resultando na mão de obra barata, verdadeiros escravos.

O Retrato de Dorian Gray (em inglês: The Picture of Dorian Gray) um romance filosófico do escritor e dramaturgo Oscar Wilde é uma realidade esotérica. Lembro-me certa vez que estava para participar de uma reunião em uma entidade onde haviam questões delicadas a serem resolvidos, e uma noite antes, ao estar fora do corpo físico, vi os integrantes em forma de vários animais conforme a psique de cada um revelava seus egos. Então nos foi mostrado as falhas e ponto onde deveríamos agir para resolver a questão. Foi impressionante como tudo ocorreu conforme havia visto nos mundos internos.

Ao parasita, à medida que vai prejudicando seu próximo, vão se acrescentando sanguessugas ao seu corpo interno pois antes que algo seja feito no exterior o é feito no interno. Eliphas Levi já alertava que algumas pessoas tinham tanto ódio, tanto desejo de causar dano ao outro que antes o fazia a si mesmo.

O Gênio do abismo nos induz a ter vida dupla, estar em dois lugares ao mesmo tempo porem sem sermos proprietários de nenhum deles de modo que fiquemos impossibilitados de realizar nossos cultivos, nossa obra em razão da carência de espaço para seu desenvolvimento. Nos tornamos assim estranhos, párias, exilados, onde estivermos e nos vemos excluídos daquele grupo destinado a receber os alimentos cósmicos, o conhecimento, o maná que emana do alto.

Como consequência permanecemos com as mesmas ideias, os mesmos sentimentos, até que a má semente apodreça em nosso interior e cause todo tipo de infecções.

Enquanto não nos enquadremos no curso natural, nesta legalidade suprema todas as pragas que assolaram o Egito vêm a nós, nos atacam, destroem nossas plantações, parasitando-as, consumindo suas seivas sem dar nada em troca, consomem nossas sementes.

Então, do fundo do abismo nos damos conta que atuando em desfavor a ordem natural temos toda a natureza se insurgindo contra nós, contudo ao assumirmos as atitudes para que a legalidade seja restaurada podemos voltar à nossa pátria e ocupar o posto que Binah nos concedeu ao nascer, no momento da criação, para desenvolver nossos poderes criadores e darmos curso a nossas obras.

Conforme já afirmamos, neste seguimento, nos deparamos com imagens conflitivas, de luta, de enfrentamentos, psicodramas mesmo com pessoa que nunca tenhamos entrado em contato podendo acarretar incidentes injustificáveis, sem suporte fático, mas produto de uma realidade imaginária.

Decorre também a caça predatória, sem fins alimentícios ou de saúde, as que culminam no sofrimento e na extinção das espécies. Cabe informar neste ponto que um retorno brando destas atitudes, karma da crueldade com os animais, é o surgimento de manchas estranhas na pele seja na presente existência ou em uma futura.

Uma boa maneira de identificar a evolução humana e observar como tratam os animais, já que é um respeito que se advém logo após ao adquirido pelos de sua própria espécie.

1.8        Escrituras

“S. 106:1 (105-1) <<alleluia>> confitemini Domino quoniam bonus quoniam in aeternum misericordia eius.

LOUVAI ao Eterno, porque Ele é Bom e a sua benignidade é para sempre. ”

 

1.9               Oração

“HABUHIAH: Deus generoso, Deus que dá com liberalidade.

HABUHIAH: Fazei que minha fé seja fecunda e que possa, com ela, mover montanhas.

Fazei que tua luz, acumulada em meu interior, seja tão intensa,

que possa com ela restabelecer a saúde dos enfermos.

Fazei com que as tentações que apareçam em minha vida sirvam para fortalecer-me

e para adquirir a mais alta consciência.

Senhor HABUHIAH, dá-me forças para ser ousado;

dá-me coragem para enfrentar o perigo;

dá-me a tua Luz para vencer a minha escuridão.

Leva-me com mão firme aos domínios da Verdade e da Transcendência.

Faz-me cidadão desse mundo em que já não existe a dúvida.

Permita-me, Ó Senhor HABUHIAH,

que seja para os demais, uma fonte de saúde e de alegria”.

 

1.10           Exortação

“A Verdade não pode manifestar-se em um organismo enfermo.

Deus me colocou neste ponto do espaço

para que contribua para a saúde e a plenitude dos corpos.

Em mim, peregrino, aprenderas os valores da interiorização.

Uma virtude, para sê-la, é necessária que haja a força acumulada,

armazenada no seu fundo humano durante anos, décadas.

Não poderás ser um Bem para os demais se antes não te tornastes um Bem para si mesmo;

não queira curar, se tu mesmo estás doente.

Mas se souberes condensar em ti a virtude que de mim se desprende,

então tudo ao seu redor será fecundo e a sua vida será como um jardim,

em que crescem e se exalam as mais belas flores.

Em mim encontraras os materiais para edificar esse jardim em que será belo o viver.

Faça com que a vida do teu próximo seja bela, eis a sua missão.

Mas antes, essa beleza deve florescer em seu foro interno,

e terás que amar-te,

para então poder projetar seu amor ao mundo, aos homens e ao Eterno”.

 

Oração e exortação de Kabaleb.

 

Clique na imagem ao lado para ser direcionado a pagina princial e baixar gratuitamente o livro.

A CABALA DE HAKASH BA HAKASH

Filosofia Metafísica Quântica Cabalística – TOMO III

Schemhammephorasch  שם הםףורש

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s