17. 3->2: LAUVIAH


1.1              Elementos constitutivos ou relacionados

Coro 3 – Tronos  
Príncipe: Tsaphkiel.
Mundo do coro: 1 – Atziluth, Mundo das Emanações, Arquétipo, espírito – elemento Fogo
Signo: Gêmeos.
Elemento zodiacal: Ar.
Relação/elementos: Ar do Fogo atuando sobre a Agua do Fogo.
Relação/mundos: “Vô” do Mundo de Atziluth sobre o “He” do Mundo de Atziluth.
Velas:  Branca em cima e duas amarelas em baixo.
Incenso: [Enxofre, raiz de guiné, gengibre] e [Cravo, mirra, almíscar, estoraque, âmbar, louro, aloe vera].
Letras: Lamed – Aleph – Vô – Yod – Heh
Gemátria: 30+1+6+10+5 = 52 = 5+2 = 7
Arco:  81º a 85º graus da esfera zodiacal.
Invocação por domicílio: de 20° a 25° de Gêmeos ou 12 a 16 de Junho.
Invocação por rotação: de 16 a 17 de Aries: “Yod” ou 6 de Abril;

de 28 a 29 de Gêmeos: “He” ou 20 de Junho;

de 10 a 11 de Virgem: “Vô” ou 3 de Setembro;

de 22 a 23 de Escorpião: 2º “He” ou 15 de Novembro;

de 4 a 5 de Aquário ou 25 de Janeiro: Quintessência.

Invocação pelo ciclo diário:   05:20:00 às 05:40:00 a partir da saída do Sol.
Invocação por conjunção:  Quando o Saturno se encontra em um dos graus de Urano, ou seja, entre 1º a 2º, de 11º a 12º e de 21º a 22º de qualquer signo.
Atributo: Deus admirável.
Nome da essência: REVELAÇÃO.
Nome da Força: Inteligência que ilumina.
Forças em ação: A força de Binah que manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Hochmah.
Sendero: 14, que une Binah a Hochmah em sua trajetória de retorno pela árvore e de ida pelo zodíaco.

1.2               Palavras chaves:

REVELAÇÃO (das Leis cósmicas), REENCONTRO – ANTIGAS AMIZADES FETOS, INSÔNIA, periodismo, FILOSOFIA, distinguir o falso, SONHOS PROFÉTICOS, descobrimentos maravilhosos, MÚSICA DAS ESFERAS.

(-) Ateísmo, ímpios, DEPRESSÃO.

1.3               Movimentação Sefirótica: Três na segunda posição

Enquanto a coluna da direita manifesta-se de modo interiorizado a da esquerda o faz para o exterior, assim, esta posição indica que Binah realiza seus trabalhos por intermédio de Hochmah, i.e., que as ações se procederão a nível intrínseco.

No que tange a evolução espiritual, refere-se aqui ao início da edificação do templo interno. Tratando-se do profano, ocorrerá o obscurecimento interior provocado por Binah, que o faz a fim de que a luz se torne mais visível, eis que não houve uma elaboração suficiente e, como estamos tratando de pontos muito altos e profundos, tudo conduz ao auto rigor, auto castigo, acidentes provocados inconscientemente no intuito da autopunição, enfermidades nervosas, autopunições inconscientes.

Corresponde a posição de Saturno em Aquário.

1.4               Arcano – Mundo: Dois de espadas no mundo de Atziluth

Recebe o título de Senhor da Paz Restabelecida. Refere-se ao elemento Ar e astrologicamente corresponde a posição de Urano transitando pelo segundo decanato de Libra onde manifesta seus fluxos mediante as roupagens deste signo e sob as pulsações do regente deste decanato que é Saturno.

Neste ponto as restrições de Binah o construtor do universo, centro instituidor de todas as coisas de onde emanam a Lei e a ordem, expressa-se por intermédio de Hochmah o centro produtor de Amor-Sabedoria, o Amor universal, a essência Crística. No mais, o resultado desta alquimia se exteriorizara ainda pelo tom prismático de Binah, o coordenador deste subciclo evolutivo.

A força de Hochmah, aproveitando-se de uma brecha, de um momento de não formação, penetra no interior dos combatentes e faz com que desistam da luta. Os sentimentos influenciam fortemente os combatentes já no momento de iniciar a luta.

A história nos conta que em dezembro de 1914, soldados da Força Expedicionária Britânica ouviram os soldados alemães entrincheirados em Frelinghien, na França, cantando hinos natalinos. Os oficiais haviam colocado pequenas lanternas e árvores Natal ao longo das trincheiras. Os homens de ambos os exércitos começaram a trocar mensagens e, no dia seguinte, todos concordaram em declarar uma trégua informal, passando o dia na companhia uns dos outros. Durante a trégua, os soldados trocaram presentes, jogaram futebol e tiraram fotos juntos. Esse dia se transformou em uma das lembranças mais emotivas e fantásticas da Primeira Guerra Mundial, pois neste momento os inimigos permitiram que a compaixão triunfasse sobre suas diferenças políticas e se criasse um breve respiro dos horrores da guerra;

Por estes dias urano estava a transitar pelo signo de aquário que tem saturno como regente primário e urano em sua evolução o que decorre situação semelhante como se urano estivesse transitando entre a 2º a 3º, de 12º a 13º e de 22º a 23º de qualquer signo.

Quando dois de espadas se manifesta no mundo de Atziluth as pulsações de um pacto estarão atuando com as forças de Kether (em Atziluth), Hochmah (pelo dois – “He”) e Binah (elemento Ar – espadas), de modo que tudo caminha para a consecução do acordo desde o ponto das emanações, onde se encontras as energias primordiais que não reconhecem obstáculos já que se situam antes mesmo de sua forma.

1.5              Virtudes concedidas:

1º.- Retorno de antigos afetos; reunião de antigas amizades.

2º.- Descansar bem nas noites e vencer a insônia.

3º.- Revelações durante o sono. Sonhos proféticos.

4º.- Inspiração para o exercício do periodismo, literatura, filosofia, filosofia.

5º.- Perceber a verdade interna e saber distinguir o falso.

1.6               Descrição Sefirótica:

LAUVIAH é o primeiro da 3º ordem de anjos denominado como Coro dos Tronos, situa-se na morada filosofal de número 17, rege o sendeiro 14, que une Binah a Hochmah em sua trajetória de retorno pela árvore e de ida pelo zodíaco. Trata das forças de Binah, o construtor do universo e, neste ponto, manifesta seus fluxos mediante as pulsações de Hochmah o centro produtor de Amor-Sabedoria, o “Vô” do Mundo de Atziluth sobre o “He” do Mundo de Atziluth, Ar do Fogo atuando sobre a Agua do Fogo. Nesta casa nos deparamos com a essência filosofal chamada REVELAÇÃO, o conjunto de qualidades, propriedades e atributos que nos permite vislumbrar em um instante o grande mistério do Universo com seus multiversos, juntamente com suas Leis; uma osmose intuitiva, a visão interna tão intensa acerca das verdades eternas, que dispensa qualquer outra explicação ou demonstração, Trata-se de uma força de Inteligência que ilumina, eis que, como Hochmah é o responsável por elevar nossa organização psíquica ao seu grau máximo de elevação, dessarte, promove a exaltação, cujo resultado, se consubstancia em um deslocamento interior ao limiar situado entre o físico e o irreal (assim entendido este último como o espiritual) que desagua em uma personalidade fantástica, excêntrica de permanente alegria. Daí vem o atributo, esta qualidade imbuída de poder denominada Deus admirável.

Cabe esclarecer aqui que embora este Gênio possua o mesmo nome do querubim 11 as suas virtudes são bem distintas. Lenain indica que esta invocação seja feita todos os dias, em jejum, das 5 horas às 5 horas e 20 minutos. O jejum tem sido recomendado pelos magistas a fim de haja mais sangue (leia-se energia) circulando no cérebro durante os trabalhos e assim as coagulações energéticas tenham maior ganho. Os dias e horas, pontos em que estas forças são consideradas mais acessíveis seja pela Lei das coincidências, afinidade vibratória, encontro de pulsações, lógica matemática, encontro e união de forças afins, conforme as elencamos no início de cada capítulo. Acrescente-se a sito tudo o que possa excitar a imaginação neste sentido.

As séfiras da coluna da direita possuem características interiorizadas já que estão ligadas a Hochmah enquanto que as da esquerda veiculam propriedades exteriorizadas próprias de Binah. Dessarte, quando uma séfira correspondente a coluna da direita se expresse pela coluna da esquerda, o faz primordialmente por dentro, constituindo-se, assim, em um poder oculto, uma energia interiorizada, envolta nas “trevas”, ou seja, na crosta de material ou revestimento formado pela essência da séfira da esquerda.

Refere-se a essência que nos permite vislumbrar em um instante o grande mistério do universo. Note-se que temos Binah, o Senhor da Leis, dos registros Akáshicos influenciando as pulsações de Hochmah que promove a intuição do arcabouço memorial, jurídico, cósmico e da moral, que auxilia os homens a viverem em paz uns com os outros.

Akasha é uma palavra em sânscrito que se refere a “céu”, “espaço” ou “éter”. Os registros akáshicos tratam de um conjunto de conhecimentos armazenados na região cósmica conhecida como Binah e abrange tudo o que ocorre, ocorreu e ocorrerá no Universo, inclusive sentimentos, pensamentos, Vontades, ações. Metafórica e literalmente pode ser chamado de o “Hard Disk” dos mundos. Contém as memórias inclusive do que ocorrerá porque estamos tratando de um plano que cuida da própria constituição de tudo, desde o posicionamento do lápis para escrever a primeira letra da Lei. No Gênesis nos deparamos com o surgimento do “Princípio” que tudo criou em Binah.

Aos Tronos cumprem a missão de inscrever em nosso interior as Leis do universo. O primeiro rolo refere-se justamente a capacidade de compreender em um instante, sem qualquer estudo ou análise nem demonstrações estas leis. Isto ocorre porque a visão interna deste conhecimento é tão intensa que nem mesmo um “sábio” dos cinco sentidos, de universidade poderá desvirtua-las com duas racionalizações já que estamos em um plano muito acima de Hod.

Trata-se de uma verdade adquirida com os sentidos suprassensíveis e que, portanto, não pode ser demonstrada para aqueles que não possuam esta capacidade, já que depende do desenvolvimento interno de cada um, contudo para aqueles que a tenham desenvolvidos será uma verdade eterna. A exemplo do que ocorre com o aparelho transmissor e os rádios receptores que estejam na mesma sintonia

Já comentamos que alguns conhecimentos os cientistas nunca poderão adentrar pelas vias do empirismo ligado aos cinco sentidos, do mental inferior que só consegue atingir o conhecimento por estas vias sensitivas, onde a matéria é mais densa, a energia mais aprisionada e compactada.

Cabe esclarecer que esta assertiva não serve para dar base a qualquer tipo de fanatismo religioso ou sectarismos dirigidos por mitômanos; cada um deve seguir seu MESTRE INTERNO e alcançar suas próprias experiências, encontrar a verdade por si mesmo.

LAUVIAH nos conduz a um grau máximo de elevação psíquica, um movimento entre o físico e o considerado irreal (espiritual), concede um permanente estado de exaltação torna seus influenciados em pessoas consideradas fantásticas, como se pertencesse a outro mundo, com ânimo de permanente alegria.

Nestes dias de LAUVIAH em que escrevo estas linhas a polícia pegou duas jovens e um rapaz de classe média portando drogas. A TV filmou os três, mas uma menina de cerca de 18 ou 19 anos chamou a atenção pois parecia feliz o tempo todo, como uma criança despreocupada, desconsiderando o fato de estar algemada e bastante encrencada. Não se tratava de uma felicidade nervosa ou drogada – emanava claramente fortes ondas de LAUVIAH. Sorria e respondia às perguntas como se estivesse em uma festa só para ela.  

1.7        Atuação kármica

Em Binah encontramos os pratos da balança pendentes sobre o fiel. O resultado dos três julgamentos intrínsecos post-mortem (“Yod-He-Vô”)”, perante nossa consciência da qual não podemos fugir e nem trapacear e o extrínseco (segundo “He”) ligados aos Senhores do Karma a fim de que a evolução seja a menos danosa possível respeitando-se o todo, o conjunto e sem a violações internas, e ainda os Karmas individuais e coletivos. Eis aqui a causa das tragédias, ditaduras, cataclismos não serem evitados pelos céus. Tudo está relacionado a psique da humanidade que movimenta tudo, coletivamente, de cima para baixo, dos planos superiores a manifestação física.

A influência de Binah sobre Hochmah é o da Lei que se manifesta em puro Amor que visa o perdão, mas que pretende, primeiramente, a volta ao Pai fazendo com que esse amor atue com sabedoria e que muitas vezes acaba sendo pouco compreendido.

O arquétipo da Divina Mãe Negra, que representa este obscurecimento para que a Luz seja visível, o qual temos nosso reflexo particular na qualidade de microcosmos, atua nos mundos infernos com a chibata na mão, como a mãe que castiga o filho pelos desvios, ainda que com dor no peito; visto que o amor pelo filho é maior do que a dor que sente, então, em Cristo, sacrifica seus próprios sentimentos.

Em razão da não compreensão deste aspecto esta entidade tem sido mal interpretada em diversas culturas.

No Brasil é adorada como Nossa Senhora de Aparecida. É a que destrói o ego animal, que nos faz livres de nossos agregados psicológicos criados ao longo das existências. Esta energia inferior, o ego, nos impede de adentrarmos aos mundos supremos, cria em nós um campo magnético como se fossemos um ímã com polaridade diversa dos mundos de cima. Aceitar ao Cristo equivale a renunciar o ego é isto é feito com atos e não meramente com palavras como o Kabir Jesus já explicava ao tratar dos fariseus. O raio Crístico é o da ação, em Tiphereth é o “Vô”, o exteriorizador de Briah e mais acima de Atziluth pelas vias de Binah, não tem nada a ver com a política, muito menos com a palavra dada sem necessidade de cumprimento.

O Cristo não concede carta branca para praticarmos atos maldosos e depois jogá-los aos pés da cruz dizendo: Sofra em nosso lugar que logo voltaremos com mais delitos para lhe crucificar.

O Karma relativo a Hochmah tem suas relações com o nono círculo Dantesco, que trata justamente da traição E como Hochmah refere-se ao cristo imanifestdo, em seu caráter abstrato, sua antítese tratará de tudo o que seja oposto ao Amor-sabedoria, ou seja, no que tange ao ódio, ao erro, a tudo que trate de desagregar em sua sede mais material.

Cumpre lembrar que o primeiro caminho que une dois centros de vida trata das do sendeiro entre Kether e Hochmah, a Vontade-Amor-sabedoria; o segundo caminho regido por este Amor-sabedoria une Kether a Binah. A violação neste último centro de vida nos põe com o chamado pecado contra o Espirito Santo, que também é uma traição ao Amor, as forças de agregação, cuja atuação de retorno ao Absoluto ocorre pelas vias da nona esfera em Yesod e que no corpo físico está manifesta em nossas glândulas sexuais. Neste ponto Pedro nega a Cristo ao aproximar o raiar do dia, quando a Luz emerge das trevas; o galo anuncia sua chegada. O nono círculo inferior está, portanto, sedimentado no ódio, na traição.

O equívoco do caminho consiste em acreditar que aquilo que devemos cultivar por dentro está fora de nós. Muito pelo contrário, cada um de nós deve encarnar o Cristo e vive-lo em vida sob pena de cair nas malhas de Binah, sob os reflexos da Lei de causa e efeito que ajusta tudo desde os mundos mais altos a partir da dualidade.

Para eliminar um defeito psicológico é preciso vê-lo em atuação, a compreensão ajuda muito e os 72 anjos colocados em nossa dianteira na travessia de nosso mar vermelho (Êxodo 14: 19-21) nos ajudam a compreender, a visualizar sua atuação em nossas vidas e na dos demais, neste mundo e em outros planos; uma vez que o defeito se torne visível pedimos a divina mãe que utilize sua espada famígera e corte a sua cabeça. O resultado é que a energia que estava sendo utilizada pelo ego retornará para nós, seja como uma virtude seja como um tanto a mais que agregamos a nossa alma que também é pura energia.

Quando o ego não é eliminado surge então os efeitos Kármicos que deverão sofrer sua compensação energética. Nesta região de LEUVIAH, por se tratar de uma área de muito amor, o karma tem a ver com o endurecimento do coração. Assim encontramos pessoas bastante insensíveis, que fazem o mal ao próximo e sequer se importam com o que aconteça consigo mesmas.

Nestes casos o Karma e jogado sobre a pessoa, criação, coisa a que(m) amam, por onde passa a se manifestar as restrições de Binah, o sacrifício crístico, pois é o amor que está sendo atacado, vilipendiado e de algum modo está força repugnada haverá de impor sua manifestação a fim de que sua antítese, o ódio que é de baixo seja desintegrado pelo acionamento da consciência e, assim será, enquanto esta exista, do contrário, o Real Ser dará início a um processo de autodestruição onde o que deveria ser sua alma deixará de existir em um doloroso processo de desintegração, reiniciando-se tudo a partir do zero. Cabe esclarecer que as energias relativas ao que deveria ser a alma ou consciência é que entrará em decomposição e nunca o Real Ser já que se trata de fonte abstrata e de mesma origem.

“Provérbios 3:12 Porque o SENHOR repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem. ”

 

Certa vez me deparei com um juiz que fazia mal a todos a sua volta, uma pessoa bastante insensível, que tinha um filho problemático e que chegou inclusive a ser preso; os coisas ruins nunca aconteciam a este Magistrado, mas a seus filhos, as pessoas com as quais tinham algum sentimento.

Este juiz certa vez, abatido, se abriu a um servidor porque aquilo acontecia com os seus. O servidor lhe respondeu. – Você faz mal as pessoas. Não é sensível ao castigo então a dor vem sobre quem você ama.

O castigo não foi suficiente sobre aqueles a quem amava e posteriormente o karma caiu para a esfera de Hesed e ele foi afastado a bem do serviço público. É claro que isto tudo refletirá nesta e em outras existências, caso as tenha.

O karma não se configura necessariamente em um retorno direto, mas pode ser tangencial, oblíquo, etc., conforme o conjunto de energias que atuam em cada caso, tempo de execução, do mesmo modo como a agua contorna os obstáculos e chega ao seu destino, seja qual for e, por onde for…

“Mateus 5:25-26 Reconcilia-te [Concorda-te] depressa[asinha] com o teu adversário, enquanto [entretanto que] estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, [ou meirinho, ou ministro] e te encerrem [lancem] na prisão.

Em verdade te digo, que de maneira nenhuma, sairás dali, enquanto não pagares o último[derradeiro] ceitil. ”

1.8              Das virtudes concedidas:

1.8.1      Retorno de antigos afetos; reunião de antigas amizades.

Quando esta força atua o indivíduo sente a necessidade de transcender aos seus domínios egoísticos para se tornar mais sociável. E é claro que cria um campo magnético que forçara o encontro do complementário.

Hochmah é o doador desta energia magnética de amor ao passo que Binah carrega as memórias o que induz ao reencontro de antigos afetos, amizades, etc. Assim, os reencontros, festas com antigos colegas de faculdades, futebol, trabalhos, bem como as reuniões filantrópicas de algum modo ligados a um tempo anterior estão ligados a esta energia.

Antes de realizar reuniões deste tipo convêm pedir ajuda a LAUVIAH tanto para que a festa seja agradável como para que facilite o encontro destes antigos afetos.

Outros Gênios trabalham com a amizade:

  1. 2->2 HAZIEL: A amizade e os favores dos grandes;
  2. 2->6 IEZALEL: Além dos interesses comuns, sincronicidade de princípios, idéias, contemplação do universo e suas Leis;
  3. 3->2 LAUVIAH: Retorno, reencontro de antigos amigos, afetos, etc.;
  4. 5->6 HAAMIAH: Proporciona o reencontro com a alma gêmea;

48 6->9 MIHAEL: Amizades com pessoas diferentes de nós que nos levarão a novas experiências;

  1. 8->6 UMABEL: Nos auxilia a encontrar amigos, pessoas que pensem como nós, inclusive o grande amigo;
  2. 9->3 MANAKEL: Amizades de bem, conscientes do Bem e do Mal.

 

Outros gênios que auxiliam a trazer de volta pessoas que se afastaram:

17. 3->2 LAUVIAH: Retorno, reencontro de antigos amigos, afetos, etc.;

36. 5->5 MENADEL: Pessoas que se foram em fuga ou na busca de melhores condições.

1.8.2      Descansar bem nas noites e vencer a insónia.

LAUVIAH auxilia a sanar os tormentos o espírito, a tristeza e consequentemente nos auxilia a dormir bem.

Os tormentos do espirito surgem quando forças contraditórias atuam dentro de nós. De um lado estão os nossos impulsos superiores, vindos de nosso Real Ser e de outro as ânsias que vem de baixo, de nosso fundo abismal pelas vias do ego animal. Manifestam-se assim, pela parte do alto, a vontade do Pai e do outro lado as hostes inferiores com as vibrações, desejos que vem de baixo que impedem o superior de realizar-se e daí vem o tormento.

Quando existe um entrave cognitivo, uma energia qualquer que o impede de avançar naquele que busca a espiritualidade, LAUVIAH atua dando a visão interna na qual se apoiam as forças superiores que obrigam os inferiores a retirar-se por não suportar a frequência vibratória de nossa morada interna.

No que se refere aos tormentos de espírito, a depressão, quando os ocupantes das baixas esferas se retiram de nós, desaparece a tristeza, a qual existia porque vislumbrávamos uma visão ruim do futuro, uma impotência diante da realização de nossos objetivos humanos que vinham em razão de certos vícios, paixões que nos impediam de alcançar as metas de nosso Real Ser. Mas LAUVIAH nos faz conhecer o porvir lastreada pela vontade de nosso Real Ser e um novo caminho se abre, com esperanças e vontade de viver e agir.

O descanso noturno também está ligado as mesmas questões da depressão, dos tormentos internos. As entidades inferiores atuam principalmente à noite quando nossos espaços internos estão ocupados com eles e fazem nossos pensamentos rodar incessantemente em nossa cabeça; fazem ainda com que se apresentem inúmeros sentimentos, seja de ódio, paixão, etc., isto ocorre principalmente próximo ao sono, quando tentamos dormir, nos períodos em que os egos emocionais e mentais estão superativos.

Uma saída é acender uma luz, vela que ajudará a conciliar o sono e afugentará as hostes invernais, afinal ao se acender uma luz no físico ela refletirá em nosso interno e daí nos outros planos. Estas entidades fogem da Luz, por isso é sempre bom ter uma lâmpada, ainda que fraca no quarto das crianças já que costumam ser bastante sensitivas e visuais a ponto de se assustar até com o ego dos adultos.

Há ainda formas de proteção antes de dormir, com cantar o Belilin (entregue pelo Anjo Aroch a Samuel Awn Weor) e posteriormente traçar um círculo mágico no ambiente que venha a descansar.

A conjuração do Belilin encontra se no capitulo intitulado Círculo Mágico de Proteção nos escritos introdutórios desta obra que trata do Ritual e suas fases.

– Nossa experiência com o Belilin:

Estando fora do corpo físico, em um dado momento, me vi na necessidade de utilizar uma conjuração e, então fiz a do Belilin.

No astral o som emitido era algo latonado, metálico, como um sino, um latido agudo de cachorro. Aquele som incomodava muito as entidades tenebrosas que logo se retiraram do local, algo como um som muito alto que machuca os ouvidos e as pessoas saem correndo. Contudo no astral o ouvido parece não funcionar pelo deslocamento de ar como ocorre no mundo físico, e os sons parecem sempre em um tom constante. Outra questão é que o som do Belilin emitido no astral não incomoda a que o produz e nem aos Mestres assensos.

Outro mantra que vi produzir semelhante efeito no astral foi o:

“Klim Krishnaya Govindaya Gopijana Vallabhaya Swaha”

Este mantra / conjuração, segundo afirmam produz um pentagrama flamejante no astral. Bem, não trouxe para o mundo físico a imagem do pentagrama, mas ele agiu imediatamente espantando as entidades que estavam perturbando, portando em nossa experiência ele funcionou também.

Então devem se estar se perguntando: Como decorar estas letras e lembrar no astral? R.: Ocorre que vivemos em um mundo em que a mecânica domina, de modo que, tudo o que repetimos inúmeras vezes acabamos fazendo também nos outros mundos. Assim, quem optar por utilizar este mantra, faça-o em todas as situações durante o dia até que se torne um gatilho automático de proteção que se refletira durante a saída do corpo a noite.

Notem ainda que se tudo o que fazemos durante o dia repetimos fora do corpo, aquelas pessoas que estão extremamente identificadas com o trabalho, estressadas, sonharão que estão trabalhando, e acordarão cansadas para repetir a jornada de trabalho. Então antes de dormir, após traçar o círculo, fazer suas orações, repitam o mantra LAUVIAH, mentalize o selo, as letras hebraicas e tudo o que se relacione a este Arquétipo até que adormeça. A propósito vale pedir ao anjo que conceda um sono tranquilo – o mesmo se diz para os depressivos e perturbados.

Outros Gênios que combatem a depressão:

  1. 1->1 VEHUIAH: Concede força de vontade e movimentando a vida;
  2. 1->4 ELEMIAH: Da a consciência do que produz o desassossego;
  3. 3->2 LAUVIAH: Fornece uma visão melhor do futuro e retira a sensação de impotência. Afasta de nós os ocupantes das baixas esferas;
  4. 3->7 YEIAIEL: Desenvolvimento emotivo para vencer as tempestades e os naufrágios emocionais.
  5. 5->8 REHAEL: Depressão relativo a conflito superior-inferior, problemas com pai, autoridades;
  6. 8->3 YEIALEL: Nos concede a lógica e força mental contra os pensamentos que nos afundam;
  7. 9->3 MANAKEL: Atua sobre os sentimentos de culpa nos incutindo a imagem verdadeira;
  8. 9->9 MUMIAH: Protege contra o desespero e as tendências suicidas.

1.8.3      Domínio das altas ciências, grandes descobrimentos, revelações durante o sono. Sonhos proféticos.

Os Tronos por atuarem em consonância com Binah trabalham com a inteligência ao passo que a sabedoria pressupõe um passo para cima e, o sendeiro 14 vai de Binah a Hochmah que como já vimos atua por dentro e aquele por fora. Dessarte a busca pelas altas ciências faz a trajetória de volta, para o interior, ou seja, em direção a Kether. Temos então que LAUVIAH permite que Binah se expresse por pulsações mais elevadas, visando a Hochmah; não o faz, portanto, neste caso, para baixo, ao mundo material mas ruma para cima.

Diferentemente do Gênio 11 (LAUVIAH 11. 2->4) com o mesmo nome, cujo caminho e de descenso, e que no sendeiro 16 vai de Hochmah a Hesed o Gênio 17 trada do caminho de Ascenção pela árvore. Contudo quando em um horoscopo pessoal se preste que entre Saturno-Urano haja um grau inferior a 180 ocorrerá que a expressão de Binah pelas vias de Hochmah mostre seu rosto em um caminho de descenso, precipitara estas energias para os planos inferiores o que resultará em uma grande produção da mais alta ciência que no modo inferior embora ficasse no interno estava com dificuldades de baixar pela direção do curso que era para cima, de Binah para Hochmah.

Aos indivíduos nascido neste período, que tenha interiorizado estas energias, lhes bastará que ponha sua vontade a atuar para iniciar o fluxo do conhecimento para baixo, com vistas a materialização. Caso não o faça, segundo o entendimento Cabalístico, a energia estará bloqueada podendo ocasionar enfermidades, colapsos materiais. Será como aquele que conhece e atua conforme a Lei, mas não a explica, poderá ainda defender verdades efêmeras em oposição as eternas de Hochmah e deste modo seus dias serão cada vez mais tristes por ter virado as costas para a mais alta esfera de alegria.

Já sabemos que em Hochmah encontramos a sabedoria eterna emanadas de Kether, e voltamos novamente a premissa: “quem viu ao Filho, viu ao Pai”. Deste modo, podemos compreender a dinâmica do universo, daquilo que vem lá de cima, do mais alto.

O processo consiste em que a energia da inteligência (Binah), trabalhe ativamente e ainda assim em processo de interiorização, seja penetrado por Hochmah que é uma força de emanação com impacto Ketheriano, considerarmos aqui sua identidade com o Pai, portanto, triplo “Yod” e “Vô” formado desta tríade, que tem prioridade sobre Binah.

Com todas estas mesclas podemos compreender de onde vem esta essência chamada REVELAÇÃO, que transmite a sabedoria para a inteligência desde o mais alto. LAUVIAH nos faz compreender pela mais alta inteligência a dinâmica do universo e podemos adentrar as altas ciências não somente pelo processo mecânico visível, mas com a sabedoria que em um processo osmótico nos torna “Um” com o objeto de estudos. É preciso estar relaxado e aberto a ver além do que usualmente é visto pelos demais.

Ilusrtação 1:

Em algumas escolas é difundido o conhecimento exotérico que durante os descobrimentos várias caravelas se aproximaram do continente para desembarque.

Havia uma tribo de índios que estavam à beira mar, mas não enxergavam as caravelas, era como se não existisse ou estivesse invisível.

De repente o Pajé, feiticeiro da tribo, viu algo tremulo como uma ilusão no deserto e chamou outros índios para partilhar da visão, mas, estes não viam nada.

A medida que o Pajé ia observando as imagens iam se formando até que por fim viu as embarcações; mas os demais índios demoraram mais para velas já que não estavam acostumados com outras realidades como o Pajé.

Ilusrtação 2:

Certa vez estava em uma escola exotérica e uma moça apareceu com algumas fotos tiradas na Chapada dos Guimarães, próximo às cachoeiras, e dizia que haviam seres elementos nas fotos.

Algumas pessoas olharam as fotos e nada viram, mesmo mostrando insistentemente no lugar onde estavam. Outras começaram a enxercar aos poucos os seres fotografados. Minha pessoa ao olhar a foto, no início constatou haver nada ali, mas, depois foram misteriosamente aparecendo. Seres fantásticos foram surgindo aos poucos. Havia o Elemental do limoeiro, as folhas pareciam turbante em sua cabeça, fadinhas, mestres luminosos pelas quedas d’água, elemental de uma árvore, muito alto, que parecia um índio sentado em um galho, etc. Contudo, as pessoas que conseguiram ver, enxergaram as mesmas coisas.

Ocorre que fomos ensinados a ver o mundo de uma maneira, seja por nossos pais, familiares, pela própria ciência que foram construindo nosso mundo a medida em que crescemos, então somente conseguimos ver aquilo que fomos programados para ver seja em ideologia, em coisas extraordinárias, etc. É necessário estarmos aberto as infinitas possibilidades.

LAUVIAH ajuda a despertar em nós o anseio e a abertura para que possamos adentrar o ultra e, assim, penetrar nos recônditos que as demais mentes nem sonham que possa existir. Precisamos dar um primeiro passo para sair do mundo daqueles, que ignoram que ignoram, e então pularmos fora da matrix.

Ao dia pertence o que se encontra no exterior – esfera de Binah –, e a noite rege o mundo interior – administrado por Hochmah, deste modo, será a noite que que LAUVIAH se expressará com maior força nos sonhos, mas sobretudo no alvorecer quando a luz inicia a dissipação das trevas, neste limiar entre dois mundos rumo a claridade, em que as forças positivas melhor atuam.

Neste sentido convém analisarmos nossos sonhos, eis que podem aparecer grandes revelações para nossa vida, nossos negócios.

Já vimos ao estudarmos outros Gênios que Hochmah tem sua atuação no mundo dos sonhos e, emana sua essência, do mais alto sem que venha danificar a estrutura física já que ao acordar o que o corpo recebe são as recordações. LAUVIAH trabalha o mundo astral influenciando os desejos, o querer e os pensamentos. Então nestas esferas imprime as imagens codificada de nosso subconsciente como uma das formas de comunicação.

As imagens são a forma de comunicação nestes planos e assim as recebemos e as imprimimos. Por isto os atos de magia que são feitos no mundo físico, na verdade são construídos em nosso interior – conforme já explicamos.

A comunicação é efetuada também pelos sentimentos, principalmente quando tratamos das esferas em que atua Hochmah, mas prossigamos com o tema das imagens.

É necessário desenvolver a capacidade de criar imagens, a criatividade para atuar nas esferas que estamos a estudar. Podemos criar estas imagens na pessoa com a qual desejamos nos comunicar mentalmente. Entrar em estado alfa pode ajudar bastante nesse processo inclusive a emitir sentimentos também.

As imagens projetadas durante o sonho são mensagens enviadas por nossas partes internas para se comunicar com a parte física e com as distintas entidades daqueles mundos, sejam anjos, arcanjos, etc. onde se formam os tecidos dos sonhos. Também neste tecido ocorrem as comunicações abismais, de nosso lado negativo, onde se encontram nossos defeitos psicológicos que tramam suas conversas, concílios, catástrofes, etc., e que repercutirá no mundo físico. Contudo é comum que a personalidade material não as compreenda. No mais temos aprendido que aquilo que não for compreendido e tratado a nível interno tenderá a se materializar.

De outro modo tem-se afirmado que para o sábio: “imaginar e ver”. O que nos induz a verdade de que a criação é feita de cima para baixo, deste modo, o que é imaginado nos planos superiores é cristalizado no físico.

Da mesma forma LAUVIAH atua em nossa mente, nossos desejos, nosso querer e introduz as ideias, os conceitos que trazemos ao despertar e é então que aparecem os descobrimentos maravilhosos, trazidos das altas esferas e que podem dar um salto em nossa vida.

Cabe lembrar que adentrar as altas esferas é dar de cara com energias que podem nos levar a certas renúncias. Conforme já explicamos existe uma repulsa natural em cada plano de energia para com àqueles que não vibram internamente naquele tom, ou seja, que trabalha com as forças contrárias de tudo aquilo que aquele mundo representa o que seja a sua identidade arquétipa. Falando em linguagem Cristiana podemos dizer que todos querem ser perdoados, a todo momento, mas ninguém quer passar pela cruz, fazer seu sacrifício.

De outro modo, podemos compreender analisando os diversos ambientes que tem em nosso mundo. Algumas pessoas adoram estar em um bar bebendo destilados, outros nem passam perto e odeiam a bebida e os ébrios.

Trata-se do que podemos chamar nível do ser que é estudado em algumas escolas.

Tomemos um diagrama com duas linhas sendo uma horizontal chamada “X” e outra vertical nomeada “Y”.

A linha “X” refere-se a nossa existência física, tais como riquezas, empregos, diplomas, status, amizades, o grau alcançado em sua igreja, escolas exotéricas, etc.

A linha vertical refere-se ao nosso nível de ser, ou seja, à medida que nos aproximamos de nosso Real Ser subimos nesta escala. Os graus aqui são esotéricos com “s” (não exotéricos com “x”) pois são realizados em nosso interior e obtemos ganhos objetivos e permanentes se for o plano do Pai (sem mais experiências), diferentes do anterior que desaparecem com a perda do corpo de manifestação no mundo físico.

 

“Mateus 6:19 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem [gasta, ou corrompe] e onde os ladrões minam e roubam”.

 

O diagrama possui unidades positivas e negativas, indicando que durante a vida podemos evoluir ou evoluir. Em “X” podemos ganhar mais ou menos, entrar um bom emprego ou perde-lo. O diploma que ganhamos pode ser desatualizado, inútil amanhã.

Na linha “Y” vamos do céu ao inferno, subimos as escadas de Jacó espiritualmente ou pulamos para o abismo, nos tornando déspotas, tiranos, trapaceiros, etc.

Então para acessarmos os planos superiores, necessitamos ascender sempre pela reta “Y”, melhorar cada vez mais nosso nível do ser. É claro que LAUVIAH nos auxilia nesta tarefa, se for de nossa vontade.

Outros Gênios que trabalham com os sonhos:

  1. 2->5 HAHAIAH: Sonhos instrutores; interpretação dos sonhos;
  2. 3->2 LAUVIAH: Revelações durante o sono. Sonhos proféticos;
  3. 4->2 NITH-HAIAH: Sonhos premonitórios vindos de Briah M. dos desejos;
  4. 6->7 ARIEL: Sonhos com os programas divinos, ideias novas – Instruções do Real Ser, Jerarquias;
  5. 9->3 MANAKEL: Poder conciliar o sono e os sonhos, ameniza as imagens, interpretação do sonho pela intuição.

1.8.4      Inspiração para o exercício do periodismo, literatura, filosofia, filosofia.

A pessoa nascida sob essa influência amará a música, a poesia, a literatura e a filosofia.

A arte nos acerca ao transcendente pelos sentimentos. Sabemos que as aguas de Hochmah referem-se aos sentimentos mais sublimes de onde provem o amor e a verdade. As verdades de Hochmah também tem relação com as de Binah e com as de Kether pois os três são “Yod” no mundo de Atziluth, das emanações que também é um “Yod”.

As pessoas influenciadas por este gênio amarão a música, a poesia, a filosofia, e se verão inspiradas por elas. Seu poder de expressão vem de Binah que é o “Vô” de seu mundo.

Aqui também vislumbramos a música das esferas que vem da fonte primordial e que pôde ser ouvida por alguns dos grandes compositores, mas não só por eles já que algumas pessoas tem a capacidade de ouvi-las e se estudassem música poderiam traduzi-las, repassá-las para nosso mundo. Quem já tem este dom desenvolvido poderá pedir ajuda a LAUVIAH para abrir os canais quando deseje trazer para este mundo uma das composições do alto.

Lembro-me de quando criança em alguns dos períodos que compreendiam entre a vigília e o sono ouvia composições fantásticas, orquestras, tons harmônicos, ritmos que me acalmavam e embalavam até o sono. Quisera ter o conhecimento musical naquela época para poder pôr no papel o que ouvia. Contudo, no dia seguinte raramente conseguia lembrar das melodias, mas tão somente de sua beleza e do bem-estar.

“Louis Armstrong – What a Wonderful World –  Que mundo maravilhoso.

Eu vejo as árvores verdes, rosas vermelhas também

Eu as vejo florescer para mim e você

E eu penso, que mundo maravilhoso

 

Eu vejo os céus tão azuis e as nuvens tão brancas

O brilho abençoado do dia, e a escuridão sagrada da noite

E eu penso comigo, que mundo maravilhoso

 

As cores do arco-íris, tão bonitas no céu

Estão também nos rostos das pessoas

Vejo amigos apertando as mãos, dizendo: Como vai você?

quando realmente eles estão dizendo: Eu te amo!

 

Eu ouço bebês chorando, eu os vejo crescer

Eles vão aprender muito mais que eu jamais vou saber

E eu penso comigo, que mundo maravilhoso

Sim, eu penso comigo, que mundo maravilhoso”.

Outros Gênios proporcionam ouvir a música das esferas:

  1. 3->2 LAUVIAH: Música das esferas, composições transcendentes;
  2. 4->2 NITH-HAIAH: Musica das esferas – do movimento dos planetas;
  3. 6->8 ASALIAH: Música dos planetas, intuição que auxilia o curso de nossa vida.

Outros gênios que auxiliam os escritores, periodistas, etc.:

  1. 3->2 LAUVIAH: Escritos maravilhosos, transcendentes, revelações que iluminam;
  2. 7->3 DANIEL: Expressar-se com eloquência oral e escrita;
  3. 7->8 MEBAHIAH: Lucidez intelectual – ideias;
  4. 8->9 MEHIEL: Escrita leitura e de obras imaginárias.

1.8.5    Perceber a verdade interna e saber distinguir o falso.

O lado negativo da força

O lado abismal destas energias domina o ateísmo, os filósofos ímpios e todas as pessoas que atacam os Princípios religiosos. Aqui temos grandes nomes como Lenin, Marx entre outros que com sua estrutura filosófica pretende destruir a fé das pessoas. Mas se formos observar a vida de Marx, que foi difícil, veremos que em sua morte estranhamente foi enterrado com as honras de um rabino. Alguns dizem que seu objetivo era destruir todas as outras crenças para no final quando a fé estivesse esmigalhada pudesse então instalar as suas.

Neste lado negro pretende-se destruir a fé pela degradação da inteligência e pelo coração tornando este insensível e aquele gélido, frio, cinzento.

Contudo, como sabem os cabalistas, tudo que vem do abismo leva o selo da precariedade, do perecimento, pois, as bases sólidas vêm do firmamento, do alto de onde tudo emana enquanto o que sai da terra nasce, cresce, chegam ao seu pondo culminante, decaem e morrem.

Como os filósofos do abismo são extremamente materialistas, traduzem esta assertiva afirmando que o mundo está em constante degradação, desfazimento e que a própria vida é um caminho para a morte, colocando-se a margem de tudo o que signifique eternidade, já que vivem de cabeça arriada, mirando os mundos de baixo em oposição ao alto. Seus mundos tornam-se assim cada vez mais obscuros, tristes até o momento em que a luz consiga ultrapassar as densas nuvens deixando transparecer o arco-íris símbolo da união do homem com os céus.

Como resultado temos presenciado o fracasso de todos estes regimes que destroem, que pretende nos afastar de nossas raízes eternas, mesmo porque a própria insensibilidade e frieza pretendidas acabam sendo utilizados uns contra os outros até a autodestruição total.

LAUVIAH nos conduz a verdade interna nos mostra as verdades que vem do alto, para distingui-la do falso, do efêmero que tem um determinado tempo cíclico para nascer, crescer, se desenvolver e perecer.

Tratamos aqui também daqueles que põe em dúvida a existência da Lei natural e como consequência não respeitarão também a Lei Civil alegando que quem as fez representava a si mesmos.

De fato, os representantes de si mesmos, aqueles que atropelam os interesses dos demais, que atuam com astúcia, chantagens, subornos pertencem a esta esfera abismal e originarão para suas vidas eternas disputas intestinais que se iniciam desde o mundo físico indo as profundidades dos planos infernais psíquicos.

A eternidade dos tormentos decorre da perda da estabilidade da matéria, ao deixar o corpo físico. Ocorre algo semelhante à quando se está passando mal pelo álcool ou drogas e estando com os olhos fechados, nas trevas, tudo gira ao redor inclusive todos os nossos órgãos começam a se revirar, mas quando, “por um momento”, abrimos os olhos a luz do mundo nos traz um alívio em razão desta estabilidade da matéria que inexiste com a morte do corpo.

As únicas coisas que levamos conosco com a morte física são: O que fizemos ou deixamos de fazer, nossa evolução ou involução espiritual, o que aprendemos a nível do Ser.

E aqui temos a resposta de uma grande pergunta:

Para onde vamos?

R.: Para aquilo que nos tornamos…

1.9        Escrituras

“S 8:1 Dominator noster quam grande est nomen tuum in     universa terra qui posuisti gloriam tuam super caelos

Eterno nosso Senhor, quão admirável é o teu nome em toda a terra! Tua majestade se eleva sobre os céus! ”.

 

1.10    Oração

“LAUVIAH: Deus admirável.

LAUVIAH: Permita-me, Senhor, que os conteúdos de meu inconsciente

se integrem harmoniosamente em meu corpo de pensamento.

Fazei com que as situações complexas de meu passado percam a opacidade e

se voltem límpidas e transparentes, para que nenhum tormento antigo

perturbe meus sonhos nem leve ao meu espírito a sombra da tristeza.

Nas trevas das minhas emoções ponha, Oh LAUVIAH!, tua luz,

a fim de que possa converter todo esse conglomerado obscuro, em obra de arte.

Inspira-me, Senhor LEUVIAH, para que aqueles que se sintonizam comigo

possam encontrar em minha obra humana

o fio de Ariadne que lhes permita sair do labirinto de suas emoções.

Faça de mim uma ponte vivente entre o pensamento e a Vontade;

o perfeito interprete para aqueles que só falam uma destas duas grandes línguas

nas quais Tú expressas as maravilhas de Tua Obra”.

 

1.11    Exortação

“Muitas são as coisas que não sabes, peregrino,

e que sem embargos, estão dentro de ti,

profundamente escondidas no piques e repique de tua alma.

O Eterno me tem encomendado a missão de saca-las a luz

a fim de que possas contempla-las.

Não estranhes, pois, que quando Eu tome o mando dos céus

e apareçam em ti os símbolos desse saber enterrado;

não te estranhes quando venhas a contemplar uma realidade que talvez não aprecies

e que, por isto, tu as expulsas de tua vida pelo caminho da arte.

Quando me vejas aparecer em teu horizonte humano

medita, observa, escuta teus sentimentos,

analisa teus pensamentos, decifras tuas intuições,

porque nelas plasmaras de uma maneira evidente

a verdade que escondes e que há de permitir conhecer-te a ti mesmo.

De minhas mãos, realizarás, peregrino, maravilhosos descobrimentos,

porém também te farei ver tenebrosos abismo,

cuja contemplação te dará pavor.

E quando minha força haja se interiorizado em ti,

poderás ser para os demais o revelador dos mistérios de suas almas”.

 

Oração e exortação de Kabaleb.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s