CLT, uma fábrica de empregados, que impede a criação do Patrão.


relacao-trabalhistaA CLT tem sido endeusada por empregados, sindicatos e por todos aqueles que desejam a permanência do sistema escravocrata no Brasil e em várias partes do mundo.

Contribui para a proliferação de pessoas sem iniciativas, acomodadas e que por isto nunca terão mais nada na vida que ultrapasse o sustento oriundo de um trabalho fornecido por um preço vil e desde que estejam empregadas.

A legislação barra por exemplo que uma construtora contrate um mestre de obras com sua equipe. Aceita que sua relação seja somente como empregado, como escravo e não como Patrão, um ser pensante, com autodeterminação.

A relação de empregado tem sido a pior possível na sociedade, o fundo da base piramidal e sempre a relacionamos ao lixeiro, ao limpador de privadas (longe de desmerecer estas tarefas tão importantes – afinal o que seria de nós sem eles?). Esta pejoratividade vem da própria relação danosa capital-trabalho e não da função em sí. As prefeituras contratam na maioria das vezes grandes empresas, ou um laranja que administra os caminhões do prefeito e não dão a oportunidade para que o dono do caminhão de lixo e sua pequena equipe progridam.

Voltando a construção civil, cerca de 20% dos empregados poderiam tornar-se patrões se os mestres de obra pudessem prestar serviços com sua pequena equipe às médias e grandes construtoras.

Todos aqueles que estão em condições de comandar uma pequena equipe tem a capacidade e condições de se tornarem patrões e subir na escala social levando seus colaboradores a uma relação melhor com o trabalho.

Vale lembrar que as relações entre patrão e empregados hoje são constituídos muito mais de ódio do que amor. Nos últimos anos estas relações foram agravadas em razão da ideologia proclamada por partidos políticos e sindicatos. Introduziram a revolta e o ódio ao ambiente de onde extraem o pão.

As disputas judiciais trabalhistas são feitas em cima de trapaças orquestradas por advogados sem ética e consumadas por magistrados frustrados e afundados em ideologias arcadas mais no sentimento, vezes de um histórico pessoal, do que pela razão.

Alias, para o Judiciário Trabalhista é interessante que hajam muitos empregados a fim de que se abram mais varas e se criem mais cargos de Juízes em uma matéria que quase não há complexidade se comparada as demais. Diga-se de passagem que os magistrados desta área não querem mais sequer dar sentenças e mesmo lesando as partes querem acordo a qualquer custo. Não que os acordos sejam ruins. São bons desde que espontâneos e não lese as partes, de forma injusta, como vem ocorrendo em muitos litígios.

Mesmo que os sindicatos, vendo a situação difícil ,que poderá acarretar no fechamento do “ganha pão” de seus filiados, não tem autonomia para decidir. A legislação atual tem se mostrado deletéria para ambas as partes já que sem empresa não há empregado. Em momento de crise todo o funcionamento desta dinâmica pode ser vislumbrado de forma límpida e cristalina.

É preciso erradicar de nossa cultura, de nossas Leis, esta cultura de criação de empregados, escravos e privilegiarmos a criação das micro empresas, dar oportunidade para que os trabalhadores se tornem patrões, subam na escala social e mais pessoas tenha acesso às melhores condições de vida.

 

Esse post foi publicado em Direito e justiça. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para CLT, uma fábrica de empregados, que impede a criação do Patrão.

  1. Marcelo disse:

    Meu caro Inácio, concordo plenamente com o título, e sou celetista. Passei a pensar desta forma, quando por uma questão de saúde na família me vi obrigado a contratar cuidadores, cara como é difícil R$ manter profissionais 24 horas por dia, resolvi desistir apesar de saber que cuidar em casa e melhor para o idoso, hoje esta em um lar para idosos.

    O Brasil tem hoje o título com enorme vantagem de campeão mundial de ações trabalhistas, fazendo um comparativo o Brasil de população de 200.400.000 milhões, são ao ano 2.600.000 milhões de processos. No USA população de 318.900.000 milhões, tem ao ano 75.000 mil processos, é a diferença é enorme.
    Devemos mudar urgente está visão de empregado, e passarmos a pensar como patrão, afim de enxergamos uma realidade que só se percebe quando se está do outro lado….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s