Caros e politizados, TCs são “feitos para não funcionar”, diz estudo. #FIMdaCORRUPÇÃO


Levantamento mostra que 62% dos conselheiros de tribunais de contas são ex-políticos. Para especialistas, índice diminui o poder fiscalizatório

Os tribunais de contas brasileiros (TCs) consomem anualmente R$ 7,2 bilhões para fazer a função de fiscalizar o bom uso do dinheiro público. No entanto, um estudo publicado pela ONG Transparência Brasil mostra que 62% dos conselheiros e ministros responsáveis pelo julgamento das contas públicas são ex-políticos, 17% respondem judicialmente por irregularidades e 15% têm parentesco com políticos nos estados em que atuam. O levantamento analisou a vida pregressa dos 238 conselheiros espalhados por tribunais estaduais, pelo tribunal do Distrito Federal e pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

A conclusão das autoras é de que os tribunais são “desenhados para não funcionar”. “Se você nomeia parentes, ex-subalternos e aliados políticos, é evidente que você tem menos chances de ter suas contas desaprovadas. Isso é um aparelhamento feito com o objetivo de neutralizar o poder fiscalizatório desses órgãos”, afirma Natália Paiva, coordenadora-geral da Transparência Brasil e uma das autoras do estudo. Prova da ineficiência, segundo Natália, está no baixo índice de cobrança das multas aplicadas: no TCU, a taxa entre 2008 e 2010 ficou em 8,3%.

O estudo também mostrou o quanto os tribunais são caros. Em 18 estados, o orçamento do TC local ultrapassa 50% do orçamento da Assembleia Legislativa do mesmo estado. Em dois casos (Rio de Janeiro e Amazonas), o tribunal de contas consome o equivalente a mais de 80% da Assembleia. No Paraná, os R$ 339 milhões de orçamento do TC correspondem a 61% do orçamento do Legislativo estadual, que em 2014 é de R$ 553 milhões.

Para o cientista político Wilson Ferreira da Costa, da PUC de Goiás, o estudo reforça a imagem dos tribunais de contas como “depósitos de políticos sem votos”. “Os tribunais de contas são um reflexo de nossa sociedade e de nossa política. Seria necessário mudar a regra do jogo para que os conselheiros fossem funcionários de carreira, como ocorre nos tribunais de Justiça. Caso contrário, continuarão sendo pautados pelo nepotismo e pelo fisiologismo”, afirma.

Critérios

Recentemente a discussão sobre a indicação de políticos veio à tona novamente quando o nome do senador Gim Argello (PTB-DF) foi indicado para o TCU. O senador era alvo de seis processos no Supremo Tribunal Federal (STF), o que fez com que servidores do TCU e a oposição pressionassem por sua desistência. Depois de Argello retirar sua candidatura, o nome de Bruno Dantas, ex-integrante do Conselho Nacional de Jus­­tiça (CNJ) foi aprovado pelo Senado. Dantas, embora tenha carreira técnica, contou com o apoio do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O relatório da Transpa­­rência Brasil acusa a legislação de “leniência” em relação aos critérios exigidos para a ocupação dos cargos. As restrições se dão apenas em razão de aspectos formais (ter idade mínima, por exemplo) e critérios vagos, como “reputação ilibada”, “idoneidade moral” e “notório saber”.

Fonte: gazetadopovo

Esse post foi publicado em Fim da corrupção e marcado . Guardar link permanente.

5 respostas para Caros e politizados, TCs são “feitos para não funcionar”, diz estudo. #FIMdaCORRUPÇÃO

  1. MÁRCIO MOURA disse:

    Colegas, fugindo um pouco do tema do poster, gostaria de voltar ao tema exame da OAB em que a maioria dos colegas que visitam essa pagina de Inácio VACCHIANO, acredito, tem O maior interesse. Por reiteradas, vezes tenho feito criticas a postura dos maiores interessados que são os Bels. Direitos para fazer frente a OAB e extinguir esse “fatídico” exame. Alguns criticam as audiências ocorridas e perguntam o que foi que mudou? Devo lembrar aos senhores que contra o lobby forte da OAB dentro do Congresso nacional e da esmagadora maioria da mídia no Brasil, acho que aos poucos conseguiremos obter futuramente resultados. Agora é inaceitável a falta de “Mobilização” dos senhores (a) Bachareis em Direito. Vejam os vídeos que foram postados aqui mesmo nesse site, observem o número de participantes (Bels Direito) na audiência do dia 24/04/14 em Brasilia. Entende-se que é complicado o deslocamento para Brasilia toda vez que houver uma audiência publica no Senado ou na Câmara, mas por que os Bachareis e Acadêmicos de Brasilia não comparecem, será que é falta de divulgação,acredito que não. Me parece que a uma hibernação irredutível por parte dos Bels. Direito de todos os lugares, não se dão ao trabalho (uma grande parcela) de enviar pelo menos um e-mail a Senador ou Deputado do seu Estado cobrando o seu posicionamento. Senhores, ai fica difícil!!!! Quem acompanha a TV Câmara (como já mencionei anteriormente), se ver todo tipo de categoria reivindicando os seus direitos. Agora mesmo no dia de hoje 07/05/14 às 17:51 horas, estão nas galerias da câmara, os Agentes de Endemias/Comunitários onde brigam a anos pelo “Piso Salarial”. Estão conseguindo a votação a seu favor e pasmem colegas, são apenas pouco mais de (300) Trezentos mil em todo pais. Nós somos mais de (3.000.000) Três milhões de Bachareis em Direito no Brasil. Qual será a nossa dificuldade de nos UNIRMOS e vencermos essa guerra??? Repito, sabemos das dificuldades expressamente financeira de deslocamento para qualquer atividade, inclusive, lamentavelmente Julio Velho que conseguiu a Audiência Publica com o Senador Paulo Paim, NÃO compareceu por falta de uma PASSAGEM, por não ter condições de pagar, afinal, somos impedidos de exercer a profissão por uma Entidade de Classe/Privada. Temos uma ferramenta na mão que é as Redes Sociais, as paginas das Entidades que representam os Bels. Direito, podemos pegar a relação de Senadores e Deputados, respectivamente os seus e-mails, por que não usa-las??? A participação de pelo menos a metade desse contingente reprovados nos exames, se tomarem gosto pela luta, temos certeza que seremos ouvidos e dizimaremos com essa “Aberração” imposta pela OAB. Abs. a todos.

  2. custodioce disse:

    EU TENHO CERTEZA DE QUE TRIBUNAL DE CONTAS NÃO FUNCIONA.

  3. Sandra Vargas disse:

    idoneidade moral, é piada né! notório saber jurídico, outra piada, sabe qual a realidade da OAB, medo que entre advogados competentes e honestos no mercado, e comece a atrapalhar a vida deles.

  4. BERENICE VIEIRA PAIVA disse:

    Minha opinião é que os tribunais de contas, deveriam ser compostos de profissionais com formação em Ciências Contábeis.

  5. Antonio Caser disse:

    Se já existem os Assembleias Legislativas que tem a função de fiscalizar as contas públicas, então para que servem os Tribunais de Contas?

    Resposta: Servem para “arrombar” os cofres públicos em 7,2 bilhões anualmente.

Deixe uma resposta para BERENICE VIEIRA PAIVA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s