Delegados defendem a PEC DA IMPUNIDADE. Por que? NÃOaPECdaIMPUNIDADE #CPIdaOAB


Lembro-me uma vez em uma audiência em que o réu disse para o Magistrado que havia sido torturado. Que haviam equipamentos de tortura em uma sala na Polícia Federal.

Na época jogávamos bola com os agentes e sabíamos de muito mais do que fora relatado pelo réu.

O Juiz Federal na mesma hora ligou para o então Superintendente da Polícia Federal e informou-lhe das alegações do acusado e disse que em 1 (uma) hora estaria lá para averiguar (estávamos na sala, em sua presença quando isto ocorreu).

Quando chegou lá encontrou apenas uma sala vazia, que não era utilizada para nada.

RACIONALIZAR é justificar o injustificável por meio de silogismos sofísticos ou afins.

No direito, sabemos que sempre há no mínimo duas interpretações. Então quem está com a caneta interpreta como quiser.  Assim são os Julgamentos, assim agem os Magistrados. A Lei é aplicada conforme o Juiz.

Quando entrava uma ação, os Servidores e Advogados de antemão já sabiam o que iria acontecer de acordo com a Vara em que o processo fosse sorteado. Em tempos idos, antes do sorteio, advogados entravam com ação; se caísse com o Juiz contrário a sua causa, desistiam e entravam novamente até cair no Juiz certo. Depois adicionavam litisconsortes.

A matéria abaixo apenas revela o que todos sabemos.

NENHUM DELEGADO QUER VER SUAS ATIVIDADES CONTROLADAS.

O Ministério Público tem sofridos inúmeras ameaças desde sua criação, pois tem incomodado muita gente. Hoje entra em qualquer órgão, inclusive de políticos, e manda abrir os arquivos. Se encontra resistência, chama a força policial.

A OAB está incomodada porque os Advogados querem sempre ganhar as ações para receber seus gordos honorários. O MP tem atrapalhado e muito…

Os políticos estão preocupados com os vários escândalos que vem desaguando na perda da cidadania, do mandato, do patrimônio e em prisões de “gente grande”.

Tirar os poderes do MP e referendar a corrupção, por impropriedade de meios para se  investigar.

Vejam agora a matéria objeto da crítica:

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL

Limitação de poderes impede MP de investigar

Por Antonio Carlos Cunha Sá

Muito se tem discutido nos dias atuais sobre o poder de investigação criminal realizada com exclusividade pela Polícia Judiciária com o objetivo de se garantir, com argumentos ardilosos, uma “exclusividade sem controle” pelo Ministério Público na titularidade de investigações criminais.

O debate em torno do tema espinhoso da titularidade da investigação criminal, com claros contornos jurídico-científicos, foi midiatizado de forma inoportuna, vez que verdadeiros “planos de marketing” sem compromisso com a realidade foram criados pelo Ministério Público para tentar induzir o raciocínio de parte da sociedade leiga e de setores da grande mídia.

Nos termos atuais, polarizou-se a discussão em dois pontos. De um lado, membros do Ministério Público se levantando contra um suposto monopólio do poder de investigação criminal pelas Polícias Judiciárias. Doutra banda, a OAB e as Polícias Judiciárias defendendo não o monopólio da investigação pelas polícias (como alguns, com desonestidade intelectual, querem fazer crer ao grande público e à classe política), mas a impossibilidade de que o MP o faça sem qualquer participação das Polícias Judiciárias, de maneira subterrânea, sem qualquer controle pelo Poder Judiciário, sem publicidade, ou seja, feita por um membro do “ministério público investigador” que se auto controla e, por conseqüência, investiga sem qualquer limite.

Inicialmente, portanto, é preciso que a discussão seja colocada nos verdadeiros trilhos, quais sejam: “não se trata de alijar o ministério público de qualquer acesso e participação em investigações criminais, mas de impedir que ele seja autor isolado, sem qualquer controle, em detrimento de direitos e garantias fundamentais do cidadão, em uma concentração de poderes que não faz bem a nenhuma instituição, pois que ingrediente para o cometimento de abusos e arbitrariedades”.

Em um congresso, ainda nos tempos de faculdade, recordo-me que se discutia sobre a definição de Direito. Em um dado momento, um conferencista, o ilustre professor e jurista Hugo de Brito Machado, expressou a seguinte opinião: “verdadeiros compêndios foram escritos sobre a definição de Direito, mas nenhum deles é, minimamente, válido se não contiver a limitação de poderes e, por conseguinte, a contenção do arbítrio”. A limitação de poderes, verdadeiro bastião do Estado Democrático de Direito é, pois, o argumento inicial e incontrastável que impede o desenvolvimento de investigação criminal de maneira isolada pelo Ministério Público.

Em termos constitucionais, é de hialina clareza a opção do legislador pelo modelo de investigação criminal conduzida, exclusivamente, pela Autoridade Policial com a participação de membros do Ministério Público, senão vejamos o artigo 144, § 1º, IV, que determina que cabe à Polícia Federal “exercer, com exclusividade, as funções de polícia judiciária da União”.

É evidente; e para isso basta consultar os anais do Congresso Nacional em torno dos debates sobre a questão; que quis o legislador constituinte que apenas a polícia judiciária, embora com amplo acesso do ministério público e, por óbvio, sobre o controle de legalidade do Poder Judiciário, exerça tal função. Sinteticamente, é patente, óbvio ululante, que não há qualquer dispositivo no ordenamento jurídico pátrio que permita ao Ministério Público conduzir investigações criminais e, muito menos, de forma isolada.

Em posturas claramente apaixonadas, com evidentes contornos institucionais, alguns defensores da tese encampada pelo Ministério Público fazem o seguinte questionamento: “o que fazer se membros das instituições policiais estiverem envolvidos com o crime?” Por essa eventual possibilidade, alguns dizem que o Ministério Público deve conduzir o processo investigatório, bem como capitanear investigações autonomamente.

Simplista e até ingênuo é o referido argumento. Em verdade, a corrupção é um fenômeno humano e não parece razoável crer que membros de qualquer outra instituição sejam alienígenas, dotados de caráter divino, detectado durante os concursos de ingresso nas respectivas carreiras. Percebido qualquer envolvimento do investigador policial com o crime investigado ou em benefício do criminoso, diversos mecanismos de controle podem frustrar a empreitada, haja vista o acompanhamento do próprio Ministério Público, o controle de legalidade do Poder Judiciário e, ainda, a atuação das Corregedorias De Polícia.

De modo diverso, o que dizer de uma investigação conduzida apenas por um membro do MP, sozinho, sob seu próprio controle? Certamente, caso o condutor da investigação incorra em crime, dificilmente os fatos criminosos virão a lume, eis que acessível apenas ao investigador ministerial. Exemplo atual da inconveniência da tese defendida pelo Ministério Público reside nas suspeitas, ainda que possam ser indevidas, de que o atual Procurador Geral da República teria deixado de atuar, criminosamente, após receber inquérito policial que aponta o suposto envolvimento do ex-senador Demóstenes Torres com o “bicheiro Carlos Cachoeira”.

Caso a investigação tivesse sido levada a efeito, isoladamente, pelo Ministério Público, os fatos viriam à tona? Seriam de conhecimento da sociedade brasileira? A resposta razoável é, com grandes chances, que não. Parafraseando o ilustre ex-Procurador Geral da República Antonio Fernando de Souza, diria que “instituição séria e democrática não é, sendo isso possível, apenas a instituição onde não existam criminosos, mas sim aquela em que detectado um membro criminoso, este seja combatido, expurgado, punido de maneira exemplar, com rigor”.

Salutar seria que o Ministério Público, o fiscal da lei, instituição de incomensurável importância para o Estado Democrático de Direito, atuasse ombreado às Polícias Judiciárias no sentido de fortalecer essas instituições para um combate efetivo ao crime e não, por mera política de fortalecimento institucional, tentar concentrar poderes que não possui, em afronta evidente ao diploma constitucional em vigor e ao indispensável pilar de sustentação do Estado Democrático de Direito, a limitação de poderes.

Antonio Carlos Cunha Sá é delegado de Polícia Federal e especialista em Direito Público pelo Instituto Brasiliense de Direito Público.

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2013

Esse post foi publicado em Direito e justiça e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s