Supremo aposenta juízes de MT acusados por CNJ #euqueroservitalicio #bandidosdetoga


O STF “às vezes” nos deixa a impressão de ter um pouco de Juízo, “às vezes” toma atitudes corretas como foi o presente caso.

A decisão tomada e divulgada aqui não acarreta méritos algum ao STF, pois “às vezes” este órgão cumpre suas obrigações e, quanto isto acontece, todos ficam estarrecidos, admirados e dizem HOOOO!!!….

Contudo continua sendo um absurdo, um fato inaceitável, que um DELINQUENTE RECEBA – ao invés de cadeia, perca da função pública e restituição aos cofres públicos dos prejuízos causados a sociedade – O GRANDE PREMIO DA APOSENTADORIA MUITO BEM REMUNERADA.

Isto é um incentivo a práticas ilícitas, a arrogância, a prepotência para os Magistrados, que se sentem acima das Leis, das pessoas, do bem e do mal.

 

É PRECISO ACABAR COM ESTE VERGONHHOSO PRIVILÉGIO “VITALICIEDADE”

 

Os fatos tem demonstrado que somente serve, somente aproveitam, os bandidos…

Supremo aposenta juízes de MT acusados por CNJ

O Supremo Tribunal Federal cassou ontem, por unanimidade, as liminares que mantinham na ativa dez magistrados de Mato Grosso que haviam sido aposentados compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Eles agora deverão deixar o cargo.

O grupo havia recebido a pena máxima prevista pelo CNJ em razão da acusação de montar um esquema dentro do Tribunal de Justiça a fim de beneficiar a Loja Maçônica Grande Oriente do Estado de Mato Grosso.

Investigações de uma auditoria interna constataram que os magistrados que dirigiam o Tribunal de Justiça fizeram pagamentos indevidos a colegas com a condição de que auxiliassem, com dinheiro, uma cooperativa de crédito ligada à maçonaria e em vias de falir.

A decisão do CNJ havia aposentado compulsoriamente três ex-presidentes do Tribunal – José Ferreira Leite, Mariano Travassos e José Tadeu Cury – além de sete juízes.

Os magistrados foram aposentados em fevereiro de 2010. Liminares do ministro Celso de Mello, no entanto, permitiram que eles retornassem aos seus cargos. Na decisão de ontem, Mello revisou seu posicionamento.

O retorno havia sido determinado porque Celso de Mello entendeu, em 2010, que a Corregedoria do TJ não poderia ter enviado o caso ao CNJ sem antes submetê-lo ao próprio tribunal, que, segundo o ministro, teria “competência primária” para julgar o caso.

Mas, diante de uma decisão posterior do próprio STF que reconheceu que o CNJ tem competência primária e concorrente com os tribunais, o próprio ministro ajustou seu entendimento ao firmado pelo Supremo.

A aposentadoria compulsória foi criada na Lei Orgânica da Magistratura durante a ditadura militar em 1965.

Assim, a punição para juízes investigados por irregularidades tornou-se deixar o trabalho nos tribunais, mas recebendo salário integral.

Autor: Diretas Já na OAB

Esse post foi publicado em Direito e justiça e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Supremo aposenta juízes de MT acusados por CNJ #euqueroservitalicio #bandidosdetoga

  1. ALVIR disse:

    …e, diga-se de passagem, além do prêmio da aposentadoria, recebe de brinde da OAB, o direito de exercer a advocacia, sem ter a necessidade de prestar o famigerado exame de ordem. Tudo em nome da defesa e proteção da sociedade. Essa é a nossa justiça… essa é a OAB. No mais, salve-se quem puder.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s