Exame de ordem mata dois Bacharéis e deixam outros em depressão


Caros amigos bacharéis

Muitos de vocês tem me enviado email querendo saber o porque de minha ausência após a manifestação em Brasília, no entanto, quero que saibam que estou trabalhando muito em prol de nossa causa, tenho dado inúmeras entrevistas em vários veículos de comunicação, entre eles a Veja que em breve terão a matéria.

Lamentavelmente perdemos mais dois bacharéis que não vendo seus nomes na última lista dos aprovados da OAB não resistiram o choque e partiram dessa vida, como foi com o colega Claudio Scarinci no ano passado e muitos outros que são vítimas da depressão e outros males que esse exame causa e não tomamos conhecimento. Agora, um colega do Rio Grande do Sul, que após perder a família por acharem que ele era incompetente devido a sete reprovas no exame de ordem, assistindo a reportagem no Jornal Nacional, onde o presidente da OAB, Ophir Cavalcante fez comentário a respeito do alto índice de reprova no último exame, o colega não suportou as mentiras e injustiças cometidas por esse cidadão e foi vítima de uma parada cardíaca fulminante, sendo enterrado no dia 05 de julho passado e outro que nesse momento que escrevo está sendo velado em São Paulo, ou seja, 06 de julho de 2011.

Não podemos permitir que isso continue, portanto, peço a todos vocês que se unam e fiquem atentos aos colegas, peço que boicotem esse exame imoral, ilegal e assassino, pois, não podemos continuar municiando os dirigentes da OAB com suas armas desumanas e tampouco sermos coniventes com essas tragédias.

Muito em breve receberão informações de uma frente que venho preparando, a FUBB, Frente Única dos Bacharéis do Brasil, que terá como objetivo tentar unir todos os movimentos e fazer com que os bacharéis de todo o país se tornem um só corpo contra a falta de respeito e violação às normas e princípios constitucionais que a OAB, pratica descaradamente por intermédio de seus dirigentes.

Terá como meta também, uma mobilização contra os políticos que são favoráveis ao exame de ordem, onde sequer respeitam os eleitores que neles votaram, assim, conhecerão a diferença entre o lobby feito pelos dirigentes da OAB e repúdio de centenas de milhares de bacharéis que somados aos familiares são milhões de votos.

Caros amigos, escrevo esse email com profunda tristeza, pois os milhões de reais que a OAB fatura usando vocês, não é nada comparado com a dor das famílias que choram nesse momento com a perda de nossos colegas e acreditem, os dirigentes da OAB nesse momento, com certeza devem estar contando o dinheiro arrecadado na última inscrição do exame.

É muito simples para o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, alegar que as reprovas exorbitantes deve-se as instituições de ensino, porém, como advogado, se fosse competente, ele deveria saber que os bacharéis não tem nada a ver com isso e sim o MEC, mas com esse argumento explora centenas de milhares de inocentes. Seria porque o MEC não lhe repassa 66 milhões por ano? Ou a má qualidade de ensino a qual ele se refere está por conta dos Juízes, Promotores e advogados inscritos na OAB, que lecionam em tais instituições e ele prefere culpar os bacharéis que pagam um alto preço por isso? Por que ele não dá o exemplo de competência e presta esse exame? Nós sabemos porque.

Caros amigos, assim como contam comigo, preciso contar com cada um de vocês.

Acreditem, juntos venceremos e teremos direito ao voto, com isso, derrubaremos a cúpula da OAB, uma instituição que merece respeito e admiração e não a vergonha.

Willyan Johnes

Links relacionados:

 

Esse post foi publicado em Direitos humanos, GERAL. Bookmark o link permanente.

15 respostas para Exame de ordem mata dois Bacharéis e deixam outros em depressão

  1. Tiago Leme Meneghin disse:

    A OAB não pode ser culpada ou responsabilizada pelo suicídio ou óbito de analfabetos. O EXAME É CONSTITUCIONAL E FIM DE PAPO.

    • andreia disse:

      palhaço, analfabeto é vc que deve estudar tanto , mas nao aprende a regra básica da vida, que é respeito e cidadania , esse exame nao e constitucional , se vc é tão inteligente sabe disso !!! Aposto que mesmo com a sua carteirinha de ADVOGADO ainda deve ganhar mixaria , pois adv novo não ganha nada , a não ser experiencia , o que tem sido tirado desses estudantes , devido a uma prova técnica demais , para pegar uma carteira que não vai te dar nenhum suporte , meu amigo , vai ter q trampar e ganhar pouco , a não ser os filhinhos de papai, que só vive fazendo aula , pq não precisa trabalhar .

  2. Pingback: Inacio Vacchiano

  3. Pingback: MPF pede indenização para prejudicados em exame da OAB na Baixada Fluminense. #FIMEXAMEOAB #examedeordemINCONSTITUCIONAL | Inacio Vacchiano

  4. Pingback: Advogado que molestou estudante no metrô foi solto – QUEM DISSE QUE O EXAME DE ORDEM PROTEGE A SOCIEDADE? | Inacio Vacchiano

  5. Pingback: VIDEO: Presidente da OAB/RJ fica com dinheiro de cliente – QUEM DISSE QUE O EXAME DE ORDEM PROTEGE A SOCIEDADE? | Inacio Vacchiano

  6. Pingback: DOZE ADVOGADOS SÃO SUSPENSOS PELA OAB-PE INFRAÇÕES VÃO DESDE A RETENÇÃO DE PROCESSOS, ALÉM DO PRAZO ESTABELECIDO PELA JUSTIÇA, À FALTA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A CLIENTES QUEM DISSE QUE O EXAME DE ORDEM PROTEGE A SOCIEDADE? | Inacio Vacchiano

  7. Pingback: URGENTE: Ex-Coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB em Bauru é acusado de incesto e estupro de vulneráveis. – QUEM DISSE QUE O EXAME DE ORDEM PROTEGE A SOCIEDADE? | Inacio Vacchiano

  8. Pingback: Estudante é molestada dentro do Metrô em São Paulo por Advogado – QUEM DISSE QUE O EXAME DE ORDEM PROTEGE A SOCIEDADE? | Inacio Vacchiano

  9. NAIANA disse:

    EXAME INCONSTITUCIONAL!

  10. Guilherme Tadeu da Silva Gomes disse:

    CONSIDERAÇÕES SOBRE AFIRMAÇÃO DO ADVOGADO ALMINO AFONSO(DO CNMP)
    A nossa geração, vai aos pouco, desnudando a neblina que a importância do cargo e sobretudo, a importância da história de Instituições, qual a OAB, O CNMP, reconhecidamente, silogeus, que sempre albergaram notabilíssimos operadores do Direito e estudiosos desta ciência milenar, que, ao longo dos séculos, iluminaram o caminho da humanidade, com as luzes de suas sabedorias cientificas, lançando desta forma, focos de esclarecimentos e de ordenamentos em uma compactação ética-moral, que germinariam e sobejamente, alcançariam sucessivas gerações de operadores desta ciência bemfazeja, que assim, se robusteceriam cientificamente e moralmente, promovendo a edificação permanente da ciência jurídica, qual o farol de Alexandria, a iluminar, não só o caminho dos navegadores da ciência jurídica, para a paz e a prosperidade da humanidade , como também, da ética, da moral e da magnitude da percepção independente e impessoal, que legou-nos a história da ciência jurídica, com um acervo historicamente respeitável, advinda das luzes de homens que edificaram a muralha ética, que sempre foi e será o farol a iluminar e mostrar caminhos, aos afoitos e pobres de espírito, que não conseguem honrar e sobretudo mensurar e discernir que o exercício das funções administrativas das organizações representativas de nossa classe, há que ser sempre pontuadas pela independência de opinião, pelos princípios sobejamente éticos e pelo ideal de liberdade e de justiça pressuposto definidores da Ordem dos Advogados do Brasil e do mundo.
    Ante o exposto, nos causa espécie, a destoante e lamentável postura do Advogado Almino Afonso Fernandes, na condição de Ilustre integrante do Conselho Nacional do Ministério Público o CNMP, emitir e se permitir, a um juízo de valor, lamentavelmente desqualificado, não só pela emotividade que o permeia, mas sobretudo, pela improcedência e insuficiência de uma consubstanciação legal e de direito, já que a norma mãe , a constitucional, inapelavelmente se impõe e precisa ser respeitada. A OAB, precisa entender que a Carta Magna, não pode ser, pois não é um substrato normativo, ele é a mãe de todas as normas. Ademais, a geração de advogados atuais, responsáveis pelos destinos da OAB, no que se refere ao exame de ordem, há muito, ou seja, na origem, revestiram e impuseram um debate emocional e, portanto, passional quanto a inscrição dos seus colegas Bacharéis em Direito na OAB, a nível de todo o território nacional, realçando sua ótica estrábica, com argumentos frágeis, mas apelativos, tais quais: O número expressivo de advogados no mercado de trabalho brasileiro, o número gritante de faculdades do Direito, depois apelaram já em total desnivelamento ético, direcionado a depreciar os egressos dos cursos de direito, com um pseudo-exame de ordem que sempre teve o fim colimado que eliminação em massa para assim, justificar sua política repugnante de segregação profissional, já em um visível e inegável descompensamento emocional que, agora, inevitavelmente, se atesta, quando um dos integrantes do CNMP, supra citado, transforma a verdadeira obsessão da OAB em ser a palmatória do mundo, se arvorando desta vez ,a rasgar a carta constitucional, transforma sua cólera, e seu absurdo mau exemplo de insubordinação, ao se alçar acima da lei de todas as leis que é a Constituição Federal brasileira, transformando suas reações em atos inegavelmente passionais, lançando, por conseqüência, anátemas e ataque pessoal e covarde ao Ilustre e denodado Sub-Procurador Geral da República Dr. Rodrigo Janot, que, em sua lucidez, por não estar envolvido emocionalmente com a inútil discussão temática, ergueu-se em observância e defesa do Estado de Direito brasileiro, que se inicia pelo total e inflexível respeito a nossa carta magna; logo pertine sim, o gesto magnânimo da Associação Nacional dos Procuradores da República, que, solidária a tão ilustre brasileiro, que teve a coragem de se erguer , em nome de um dos esteios da defesa da legalidade nacional, como o é a Procuradoria Geral da República, para assim dar equilíbrio e coerência a este desvio de conduta da OAB nacional, porque não cabe,não é de direito a referida ordem, decidir sobre matéria de reserva e prevalência constitucional; por isso mesmo, a Associação Nacional dos Procuradores, publicou nota oficial em justa e oportuna defesa da autoridade atacada, que se ateve no exercício de sua atividade judicante , pautando-se pelo discernimento e, portanto, desvencilhado da terrível e condenável paixão, substrato da emotividade, que a OAB nacional, representando o sentimento que contamina e cega parte de suas tuteladas, deram a esta questão, no objetivo, insofismável, de fugir, de burlar a norma constitucional e sobretudo, ardilosamente, desviar o foco legal em debate, que se impõe como um ato concreto e já tardio dos Bacharéis em Direito do Brasil, o de exercerem a profissão para a qual, submeteram-se a um exame de vestibular, cursaram cinco anos de faculdade, defenderam sua tese do conclusão de curso sob uma banca examinadora e dessa maneira devem sim, porque é de direito, efetuarem suas inscrições nas respectivas OAB de suas cidades e, de forma incontinenti, se habilitarem ao exercício de sua atividade advocatícia, são nossas CONSIDERAÇÕES SOBRE AFIRMAÇAO DO ADVOGADO ALMINO AFONSO DO CNMP- ADVOGAR É O NOSSO DIREITO.
    Guilherme Silva

  11. Guilherme Tadeu da Silva Gomes disse:

    CONSIDERAÇÕES SOBRE AFIRMAÇÃO DO ADVOGADO ALMINO AFONSO(DO CNMP)
    A nossa geração, vai aos pouco, desnudando a neblina que a importância do cargo e sobretudo, a importância da história de Instituições, qual a nosso particularidade, reconhecidamente, silogeu, que sempre albergaram notabilíssimos operadores do Direito e estudiosos desta ciência milenar, que, ao longo dos séculos, iluminaram o caminho da humanidade, com as luzes de suas sabedorias cientificas, lançando desta forma, focos de esclarecimentos e de ordenamentos em uma compactação ética-moral, que germinariam e sobejamente, alcançariam sucessivas gerações de operadores desta ciência bemfazeja, que assim, se robusteceriam cientificamente e moralmente, promovendo a edificação permanente da ciência jurídica, qual o farol de Alexandria, a iluminar, não só o caminho dos navegadores da ciência jurídica, para a paz e a prosperidade da humanidade , como também, da ética, da moral e da magnitude da percepção independente e impessoal, que legou-nos a história da ciência jurídica, com um acervo historicamente respeitável, advinda das luzes de homens que edificaram a muralha ética, que sempre foi e será o farol a iluminar e mostrar caminhos, aos afoitos e pobres de espírito, que não conseguem honrar e sobretudo mensurar e discernir que o exercício das funções administrativas das organizações representativas de nossa classe, há que ser sempre pontuadas pela independência de opinião, pelos princípios sobejamente éticos e pelo ideal de liberdade e de justiça pressuposto definidores da Ordem dos Advogados do Brasil e do mundo.
    Ante o exposto, nos causa espécie, a destoante e lamentável postura do Advogado Almino Afonso Fernandes, na condição de Ilustre integrante do Conselho Nacional do Ministério Público o CNMP, emitir e se permitir, a um juízo de valor, lamentavelmente desqualificado, não só pela emotividade que o permeia, mas sobretudo, pela improcedência e insuficiência de uma consubstanciação legal e de direito, já que a norma mãe , a constitucional, inapelavelmente se impõe e precisa ser respeitada. A OAB, precisa entender que a Carta Magna, não pode ser, pois não é um substrato normativo, ele é a mãe de todas as normas. Ademais, a geração de advogados atuais, responsáveis pelos destinos da OAB, no que se refere ao exame de ordem, há muito, ou seja, na origem, revestiram e impuseram um debate emocional e, portanto, passional quanto a inscrição dos seus colegas Bacharéis em Direito na OAB, a nível de todo o território nacional, realçando sua ótica estrábica, com argumentos frágeis, mas apelativos, tais quais: O número expressivo de advogados no mercado de trabalho brasileiro, o número gritante de faculdades do Direito, depois apelaram já em total desnivelamento ético, direcionado a depreciar os egressos dos cursos de direito, com um pseudo-exame de ordem que sempre teve o fim colimado que eliminação em massa para assim, justificar sua política repugnante de segregação profissional, já em um visível e inegável descompensamento emocional que, agora, inevitavelmente, se atesta, quando um dos integrantes do CNMP, supra citado, transforma a verdadeira obsessão da OAB em ser a palmatória do mundo, se arvorando desta vez ,a rasgar a carta constitucional, transforma sua cólera, e seu absurdo mau exemplo de insubordinação, ao se alçar acima da lei de todas as leis que é a Constituição Federal brasileira, transformando suas reações em atos inegavelmente passionais, lançando, por conseqüência, anátemas e ataque pessoal e covarde ao Ilustre e denodado Sub-Procurador Geral da República Dr. Rodrigo Janot, que, em sua lucidez, por não estar envolvido emocionalmente com a inútil discussão temática, ergueu-se em observância e defesa do Estado de Direito brasileiro, que se inicia pelo total e inflexível respeito a nossa carta magna; logo pertine sim, o gesto magnânimo da Associação Nacional dos Procuradores da República, que, solidária a tão ilustre brasileiro, que teve a coragem de se erguer , em nome de um dos esteios da defesa da legalidade nacional, como o é a Procuradoria Geral da República, para assim dar equilíbrio e coerência a este desvio de conduta da OAB nacional, porque não cabe,não é de direito a referida ordem, decidir sobre matéria de reserva e prevalência constitucional; por isso mesmo, a Associação Nacional dos Procuradores, publicou nota oficial em justa e oportuna defesa da autoridade atacada, que se ateve no exercício de sua atividade judicante , pautando-se pelo discernimento e, portanto, desvencilhado da terrível e condenável paixão, substrato da emotividade, que a OAB nacional, representando o sentimento que contamina e cega parte de suas tuteladas, deram a esta questão, no objetivo, insofismável, de fugir, de burlar a norma constitucional e sobretudo, ardilosamente, desviar o foco legal em debate, que se impõe como um ato concreto e já tardio dos Bacharéis em Direito do Brasil, o de exercerem a profissão para a qual, submeteram-se a um exame de vestibular, cursaram cinco anos de faculdade, defenderam sua tese do conclusão de curso sob uma banca examinadora e dessa maneira devem sim, porque é de direito, efetuarem suas inscrições nas respectivas OAB de suas cidades e, de forma incontinenti, se habilitarem ao exercício de sua atividade advocatícia, são nossas CONSIDERAÇÕES SOBRE AFIRMAÇAO DO ADVOGADO ALMINO AFONSO DO CNMP- ADVOGAR É O NOSSO DIREITO.
    Guilherme Silva

  12. albert disse:

    Primeiramente quero dizer “sou totalmente contra o exame de ordem”
    Lamento pelo ocorrido em relação aos bacharéis.

    Por outro lado acho lamentável também entrar aqui no site e ler “em breve” “logo” “amanha” e NUNCA vejo nada concreto. Me desculpe se eu estiver sendo injusto.Mas no geral eu acho que o MNBD está cada dia mais fraco e desorganizado. Vejo bacharéis que antes lutavam pela extinção do exame DA ordem e que hoje concordam em fazer uma prova mais justa!

    Sinceramente Inacio e Willyan Johnes, desse jeito o Mnbd vai perder a batalha e a guerra.
    Enquanto o site aqui coloca algumas vezes reportagens atrasadas, existe site que TODO DIA sem falta atualizam,postam matérias “fresquinhas” e o pior de tudo…SÃO A FAVOR DO EXAME DE ORDEM, todo dia leva um “soldado” para o lado deles.

    Se pesquisarem no famoso Google pelo nome “exame de ordem” já sabem de qual site estou me referindo.

    Então Inacio, Willyan e Cia, com todo respeito. Apoio vocês, sou a favor da grande queda do exame imoral sem vergonha e sem escrúpulos da OAB. Todos nós sabemos das fraudes que a própria policia federal desarticulou… MAS…. DIGO… MAS…

    Voces precisam melhorar E MUUUUITO para poder vencer essa “guerra”.

    • Inacio Vacchiano disse:

      O MNBD é uma bomba relógio.

      A OAB diz que somos 4MILHÕES de Bacharéis, mas creio que estamos chegando aos 5milhões.

      O que eles estão fazendo com os Bacharéis não existe amparo legal ou moral.

      A vitória é nossa, é só uma questão de tempo…

  13. Dr. Inacio e Willyan
    Lamento profundamente pelo ocorrido, também tenho uma surpresa para todos os bacharéis, que entre elas destaco:
    Eu consegui a liminar…
    E o melhor: consegui provas apresentadas pela próprio Conselho Federal, no MS, provas que comprovam a mentira e ilicitude da FGV e a cumplicidade do Conselho com a FGV.
    Acredite, o Conselho Federal fez o que provavelmente nenhum dos Bacharéis que eles reprovam fariam, ou seja, juntaram provas contra si próprio : vide o link:
    http://walterbandeira.criarumblog.com/
    Pois mesmo ciente do erro da FGV para comigo, continua fazendo que não vê a mentira criada pela FGV
    Estou indo a Brasília, para fazer cumprir o provimento 136/2009, artigo 12, que diz a empresa realizadora do Exame te que ser idônea e FGV, depois do meu episodio não é mais, e pergunta por que continua, e , essa passou a ser minha luta.
    Também eu numa conclusão sobre uma entrevista, sobre as acusações:
    A) Da fraude criada pela Fundação Getulio Vargas;
    B) Esse apoio do Conselho Federal a FGV;
    C) E de que a FGV , nõ pode mais realizar o Exame de Ordem;
    D) E por que a OAB protege tanto o Exame de Ordem, ao ponto de mesmo estando provado o erro não ao admitem.
    No mais um abraço, e possível gostaria que divulga-se um dos artigos do meu blog, principalmente das provas juntados pelo Conselho Federal.
    Um abraço
    Walter Bandeira

Deixe uma resposta para NAIANA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s