Juíza Federal proíbe exigência de exame de ordem a seis Bacharéis em Direito


O nobre Desembargador Vladimir Carvalho é merecedor da mais alta comenda do Governo Brasileiro, pela lucidez, pelo alto saber jurídico, pela coragem de DECLRAR A INCONSTITUCIONALIDADE DO CAÇA-NÍQUEIS EXAME DA OAB. Esse Exame é uma tremenda extorsão. A OAB vem se aproveitando da palidez, da debilidade das autoridades do MEC, que não impõem suas prerrogativas, inclusive certos juízes que patinam na lama, e ainda tem a disfaçatez de dizer que essa excrescência do famigerado Exame da OAB é “constitucional”. Não faz muito tempo o Desembargador Lécio Resende então Presidente do TJDFT declarou em entrevista concedida ao Correio Braziliense:
“EXAME DA OAB. É UMA EXIGÊNCIA DESCABIDA. RESTRINGE O DIREITO DE LIVRE EXERCÍCIO QUE O TÍTULO UNIVERSITÁRIO HABILITA.
UFA, Desembargador do TRF-5 declara Exame de Ordem Inconstitucional 

Ufa! Foi com alegria e alívio que tomei conhecimento dia 16.12, pelo BLOG EXAME DE ORDEM, http://www.portalexamedeordem.com.br/blog/ que o eminente Desembargador  Federal Vladimir Souza Carvalho do TRF-5ª Região (Recife-PE) decidiu com pertinácia e denodo  julgar  inconstitucional o pernicioso, cruel, abusivo, restritivo, nefasto  famigerado Exame de Ordem, verdadeiro  mecanismo de exclusão social, dando aos agravantes (impetrantes do Mandado de  Segurança) o direito de terem suas inscrições no quadros da OAB, sem a necessidade de se submeterem à excrescência do famigerado Exame de Ordem. (Processo TRF-5 (0019460-45.2010.4.05.000).

Essa importante medida humanista e moralizadora e, diga-se de passagem, muito bem fundamentada, é o passo vestibular rumo à humanização da OAB, que só tem olhos para os bolsos dos Bacharéis em Direito, com sua imunda reserva de mercado,  faturando alto, (tudo por dinheiro),  visando suprir  os quase 30%(trinta por cento) dos advogados inadimplentes com suas anuidades,  tosquiando milhares de Bacharéis em Direito,  com altas taxas de inscrições, arrecadando rios de dinheiro, estima-se em  R$ 66 milhões por ano (03 exames), sem dar nada em contrapartida. Estão em jogo as vidas de um rebanho de milhares de operadores do direito, aflitos, devidamente qualificados pelo Estado, (MEC), aptos para o exercício da advocacia, impedidos pela OAB do livre exercício da advocacia, uma afronta aos art. 5º inciso XIII, art. 205 CF e art. 43 da LDB – (Lei nº 9.394/96), a educação superior tem por finalidade: (…) II – formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para inserção em setores profissionais.  Não obstante jogando-os ao infortúnio, ao banimento, gerando fome, desemprego, miséria  e doenças psicossociais, causando incomensuráveis prejuízos ao país e aos operadores do direito soterrados em dívidas do Fies, corroborando assim para o aumento dos índices de  desempregados, do  caldo da miséria, da mendicância  e desigualdades  sociais.

Em se tratando de abuso (Exame de Ordem), por tudo isso exposto, em meados de 2009, a Juíza da 23ª Vara Federal do Rio de Janeiro, Maria Amélia Almeida Senos de Carvalho concedeu um mandado de segurança a seis bacharéis em Direito, proibindo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de exigir deles a aprovação no exame da entidade para que obtenham o registro profissional. A magistrada considerou inconstitucional a exigência de aprovação em exame de ordem da OAB. De acordo com a juíza, a Constituição “limita o direito ao exercício da profissão à qualificação profissional fixada em lei”, informou a Seção Judiciária do Rio de Janeiro da Justiça Federal. Maria Amélia argumentou que “qualificação é ensino, é formação”.Neste aspecto, o exame de ordem não propicia qualificação nenhuma, tampouco serve como instrumento de medição da qualidade do ensino obtido pelo futuro profissional”, afirmou, na sentença. A juíza da 23ª Vara Federal do Rio citou ainda resoluções da Justiça que anularam perguntas de provas, “algumas por demais absurdas”.

Nesse sentido, não faz muito tempo o Desembargador  Lécio Resende, então Presidente do Tribunal de Justiça do  Distrito Federal e Territórios/ TJDFT, afirmou numa entrevista concedida ao Correio Braziliense: Exame da OAB, “ É uma exigência descabida. Restringe o direito de livre exercício que o título universitário habilita”. Vivemos num país democrático, e a nossa Lei Maior tem que ser respeitada, principalmente pelos órgãos guardiões da Constituição Federal (CF).

Peço “vênia” para recorrer aos ensinamentos jurídicos do eminente mestre em direito constitucional, Dr. Fernando Lima  “ De acordo com o art. 209, as instituições privadas de ensino devem ser autorizadas e avaliadas pelo poder público, e não pela OAB, evidentemente. Portanto, o ensino, fiscalizado e avaliado pelo poder público (MEC), qualifica para o exercício profissional. Dessa maneira, o bacharel recebe um diploma, de uma instituição de ensino superior, que de acordo com o art. 48 da LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que é uma lei complementar, atesta a sua qualificação profissional, o que significa, evidentemente, que ele está apto a exercer a sua profissão, devendo antes, contudo, inscrever-se na OAB, a quem competirá apenas a fiscalização do exercício profissional, e não uma reavaliação de sua qualificação.

O nobre Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho é merecedor dos meus efusivos parabéns, do meu respeito  e da minha  admiração, merecedor outrossim, do Prêmio de Direitos Humanos e do Prêmio Nobel da Paz, em face a relevância e o alto alcance social dessa importante Decisão em consonância com o art. 5º-XIII e 205 da constituição, e art. 43 LDB, (…) haja vista que a privação do emprego é um ataque frontal aos direitos humanos. ”Assistir os desassistidos e integrar na sociedade os excluídos.” Outrossim, também em consonância com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, notadamente art. XXIII -1 – Toda pessoa tem o direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, (…) e à proteção contra o desemprego. Afinal a função primordial dos Direitos Humanos é proteger os indivíduos das arbitrariedades, do autoritarismo, da prepotência e dos abusos de poder.  A Justiça tarde mais não falha. Os Direitos Humanos agradecem.

Só resta agora suplicar mais uma vez aos senhores Ministros do Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, órgão guardião da nossa Constituição, a decisão definitiva,  ou seja julgar urgentemente o  Recurso Extraordinário (RE) 603583, que visa extirpar de vez essa excrescência do nosso ordenamento jurídico, haja vista  que a submissão dos bacharéis ao Exame de Ordem atenta contra os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, da igualdade, do livre exercício das profissões, bem como contra o direito à vida. Conforme o recurso, impedir que os bacharéis exerçam a profissão de advogado após a conclusão do curso universitário também representaria ofensa aos princípios da presunção de inocência, do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa não obstante a violação aos artigos 1º, inciso II, III e IV; 3º, incisos I, II, III e IV; artigo 5º, incisos II e XIII; 84, inciso IV; 170; 193; 205; 207; 209, inciso II; e 214, incisos IV
e V, todos da Constituição Federal. A abolição do famigerado Exame da OAB significa mais trabalho, mais renda, diminuição das desigualdades sociais, tornando a OAB humanizada e parceira dos Bacharéis em direito ao invés de algoz.    “Iura novit cúria” (O juiz conhece a lei). “Vox populi, vox Dei”  ( A voz do povo é a voz de Deus). Por último só resta agora à OAB o direito de espernear, espernear e espernear… “jus sperniandi”
Os abusos que destroem as boas instituições, têm o privilégio fatal de fazer subsistir as más.” (Pierre-Édouard Lémontey).

Que os Ministros do Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, mirem-se no exemplo humanitário e moralizador do Tribunal Constitucional de Portugal, que acaba de declarar inconstitucional o Exame de Ordem de Portugal.

Os maiores juristas deste país, como Ruy Barbosa, Pontes de Miranda, Nelson Hungria, Hely Lopes Meirelles, Vicente Rao, José Carlos Moreira Alves, Sobral Pinto, Levi Carneiro (1º Presidente da OAB), Teixeira de Freitas, Clóvis Beviláqua, Barbosa Lima Sobrinho, Tércio Lins e Silva, Evandro Lins e Silva, Délio Lins e Silva, Pinheiro Neto, Márcio Thomás Bastos, Afonso Arinos, Seabra Fagundes, Raymundo Faoro, Rubens Approbato, Maurício Correa, Evaristo de Macedo, João Paulo Cavalcanti Filho, Miguel Reale, Fernando Lima, e nenhum dos Ministros do STF, STJ, TST, TSE, etc, não precisaram se submeter a essa excrescência, do pernicioso Exame da OAB, para se tornarem famosos

O  Egrégio Supremo Tribunal Federal –STF a maior Corte de Justiça do nosso país,  guardião da Constituição por expressa delegação do poder constituinte, não pode se curvar aos interesses escusos dos mercenários da OAB, deverá cumprir com zelo, dedicação, pertinácia e denodo e com absoluta independência moral, os elevados objetivos norteadores de sua criação, tem que dar um basta nesse leviatã, (OAB) extirpando  urgentemente esse câncer (Exame da OAB), do nosso ordenamento jurídico, em respeito à Constituição Federal ao Estado de Direito e aos Direito Humanos

VASCO VASCONCELOS
Analista e Escritor
BRASÍLIA-DF

O nobre Desembargador Vladimir Carvalho é mercedor da mais alta comenda do Governo Brasiliero, pela lucidez, pelo alto sber jurídico, pela coragem de DECLRAR A INCONSTITUCIONALIDADE DO CAÇA-NÍQUEIS EXAME DA OAB. Esse Exame é uma tremenda extorsão. A OAB vem se aproveitando da palidez , da debilidade das autoridaes do MEC, que não impõem suas prerrogativas, inclusive certos juízes que patinam na lama, e ainda tem a disfaçatez de dizer que essa excrescência do famigerado Exame da OAB é "constitucional" . Não faz muito tempo o Desembargador Lécio Resende então Presidente do TJDFT declarou em entrevista concedida ao Correio Braziliense:  "EXAME DA OAB. É UMA EXIGÊNCIA DESCABIDA. RESTRINGE O DIREITO DE LIVRE EXERCÍCIO QUE O TÍTULO UNIVERSITÁRIO HABILITA.
UFA, Desembargador do TRF-5 declara Exame de Ordem Inconstitucional

 Ufa! Foi com alegria e alívio que tomei conhecimento dia 16.12, pelo BLOG EXAME DE ORDEM, http://www.portalexamedeordem.com.br/blog/ que o eminente Desembargador  Federal Vladimir Souza Carvalho do TRF-5ª Região (Recife-PE) decidiu com pertinácia e denodo  julgar  inconstitucional o pernicioso, cruel, abusivo, restritivo, nefasto  famigerado Exame de Ordem, verdadeiro  mecanismo de exclusão social, dando aos agravantes (impetrantes do Mandado de  Segurança) o direito de terem suas inscrições no quadros da OAB, sem a necessidade de se submeterem à excrescência do famigerado Exame de Ordem. (Processo TRF-5 (0019460-45.2010.4.05.000).

Essa importante medida humanista e moralizadora e diga-se de passagem, muito bem fundamentada, é o passo vestibular rumo à humanização da OAB, que só tem olhos para os bolsos dos Bacharéis em Direito, com sua imunda reserva de mercado,  faturando alto, (tudo por dinheiro),  visando suprir  os quase 30%(trinta por cento) dos advogados inadimplentes com suas anuidades,  tosquiando milhares de Bacharéis em Direito,  com altas taxas de inscrições, arrecadando rios de dinheiro, estima-se em  R$ 66 milhões por ano (03 exames), sem dar nada em contrapartida. Está em jogo as vida de um rebanho de milhares de operadores do direito, aflitos, devidamente qualificados pelo Estado, (MEC), aptos para o exercício da advocacia, impedidos pela OAB do livre exercício da advocacia, uma afronta aos art. 5º inciso XIII, art. 205 CF e art. 43. da LDB – (Lei nº 9.394/96), a educação superior tem por finalidade: (…) II – formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos
para inserção em setores profissionais.  Não obstante jogando-os ao infortúnio, ao banimento, gerando fome, desemprego, miséria  e doenças psicossociais, causando incomensuráveis prejuízos ao país e aos operadores do direito soterrados em dívidas do Fies, corroborando assim para o aumento dos índices de  desempregados, do  caldo da miséria, da mendicância  e desigualdades  sociais.

Em se tratando de abuso (Exame de Ordem), por tudo isso exposto, em meados de 2009, a Juíza da 23ª Vara Federal do Rio de Janeiro, Maria Amélia Almeida Senos de Carvalho concedeu um mandado de segurança a seis bacharéis em Direito, proibindo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de exigir deles a aprovação no exame da entidade para que obtenham o registro profissional. A magistrada considerou inconstitucional a exigência de aprovação em exame de ordem da OAB. De acordo com a juíza, a Constituição "limita o direito ao exercício da profissão à qualificação profissional fixada em lei", informou a Seção Judiciária do Rio de Janeiro da Justiça Federal. Maria Amélia argumentou que "qualificação é ensino, é formação".Neste aspecto, o exame de ordem não propicia qualificação nenhuma, tampouco serve como instrumento de medição da qualidade do ensino obtido pelo futuro profissional", afirmou, na sentença. A juíza da 23ª Vara Federal do Rio citou ainda
resoluções da Justiça que anularam perguntas de provas, "algumas por demais absurdas".

Nesse sentido, não faz muito tempo o Desembargador Lécio Resende, então Presidente do Tribunal de Justiça do  Distrito Federal e Territórios/ TJDFT, afirmou numa entrevista concedida ao Correio Braziliense: Exame da OAB, “ É uma exigência descabida. Restringe o direito de livre exercício que o título universitário habilita". Vivemos num país democrático, e a nossa Lei Maior tem que ser respeitada, principalmente pelos órgãos guardiões da Constituição Federal (CF).

Peço “vênia” para recorrer aos ensinamentos jurídicos do eminente mestre em direito constitucional, Dr. Fernando Lima  “ De acordo com o art. 209, as instituições privadas de ensino devem ser autorizadas e avaliadas pelo poder público, e não pela OAB, evidentemente. Portanto, o ensino, fiscalizado e avaliado pelo poder público (MEC), qualifica para o exercício profissional. Dessa maneira, o bacharel recebe um diploma, de uma instituição de ensino superior, que de acordo com o art. 48 da LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, que é uma lei complementar , atesta a sua qualificação profissional, o que significa, evidentemente, que ele está apto a exercer a sua profissão, devendo antes, contudo, inscrever-se na OAB, a quem competirá apenas a fiscalização do exercício profissional, e não uma reavaliação de sua qualificação.

O nobre Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho é merecedor dos meus efusivos parabéns, do meu respeito  e da minha  admiração, merecedor outrossim, do Prêmio de Direitos Humanos e do Prêmio Nobel da Paz, em face a relevância e o alto alcance social dessa importante Decisão em consonância com o art. 5º-XIII e 205 da constituição, e art. 43 LDB, (...) haja vista que a privação do emprego é um ataque frontal aos direitos humanos. ”Assistir os desassistidos e integrar na sociedade os excluídos.” Outrossim, também em consonância com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, notadamente art. XXIII -1 – Toda pessoa tem o direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, (...) e à proteção contra o desemprego. Afinal a função primordial dos Direitos Humanos é proteger os indivíduos das arbitrariedades, do autoritarismo, da prepotência e dos abusos de poder.  A Justiça tarde mais não falha. Os Direitos Humanos  agradecem.

Só resta agora suplicar mais uma vez aos senhores Ministros do Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, órgão guardião da nossa Constituição, a decisão definitiva,  ou seja julgar urgentemente o  Recurso Extraordinário (RE) 603583, que visa extirpar de vez essa excrescência do nosso ordenamento jurídico, haja vista  que a submissão dos bacharéis ao Exame de Ordem atenta contra os princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana, da igualdade, do livre exercício das profissões, bem como contra o direito à vida. Conforme o recurso, impedir que os bacharéis exerçam a profissão de advogado após a conclusão do curso universitário também representaria ofensa aos princípios da presunção de inocência, do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa não obstante a violação aos artigos 1º, inciso II, III e IV; 3º, incisos I, II, III e IV; artigo 5º, incisos II e XIII; 84, inciso IV; 170; 193; 205; 207; 209, inciso II; e 214, incisos IV
e V, todos da Constituição Federal. A abolição do famigerado Exame da OAB significa mais trabalho, mais renda, diminuição das desigualdades sociais, tornando a OAB humanizada e parceira dos Bacharéis em direito ao invés de algoz.    Iura novit curia (O juiz conhece a lei). Vox populi, vox Dei  ( A voz do povo é a voz de Deus). Por último só resta agora à OAB o direito de espernear, espernear e espernear… “jus sperniandi”
 Os abusos que destroem as boas instituições, têm o privilégio fatal de fazer subsistir as más." (Pierre-Édouard Lémontey).

Que os Ministros do Egrégio Supremo Tribunal Federal – STF, mirem-se no exemplo humanitário e moralizador do Tribunal Constitucional de Portugal, que acaba de declarar inconstitucional o Exame de Ordem de Portugal.

Os maiores juristas deste país, como Ruy Barbosa, Pontes de Miranda, Nelson Hungria, Hely Lopes Meirelles, Vicente Rao, José Carlos Moreira Alves, Sobral Pinto, Levi Carneiro (1º Presidente da OAB), Teixeira de Freitas, Clóvis Beviláqua, Barbosa Lima Sobrinho, Tércio Lins e Silva, Evandro Lins e Silva, Délio Lins e Silva, Pinheiro Neto, Márcio Thomás Bastos, Afonso Arinos, Seabra Fagundes, Raymundo Faoro, Rubens Approbato, Maurício Correa, Evaristo de Macedo, João Paulo Cavalcanti Filho, Miguel Reale, Fernando Lima, e nenhum dos Ministros do STF, STJ, TST, TSE, etc, não precisaram se submeter a essa excrescência, do pernicioso Exame da OAB, para se tornarem famosos

O  Egrégio Supremo Tribunal Federal –STF a maior Corte de Justiça do nosso país,  guardião da Constituição por expressa delegação do poder constituinte, não pode se curvar aos interesses escusos dos mercenários da OAB, deverá cumprir com zelo, dedicação, pertinácia e denodo e com absoluta independência moral, os elevados objetivos norteadores de sua criação, tem que dar um basta nesse leviatã, (OAB) extirpando  urgentemente esse câncer (Exame da OAB), do nosso ordenamento jurídico, em respeito à Constituição Federal ao Estado de Direito e aos Direito Humanos

VASCO VASCONCELOS
Analista e Escritor
BRASÍLIA-DF
Esse post foi publicado em GERAL. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Juíza Federal proíbe exigência de exame de ordem a seis Bacharéis em Direito

  1. Pingback: Exame de Ordem protege quem precisa de advogado e pode pagar | Inacio Vacchiano

  2. WANDERLEY CARVALHO disse:

    INFELIZMENTE ME PARECE QUE AINDA ESTAMOS VIVENDO A MERCE DOS SENHORES FEUDAIS.
    ONDE O FEUDO É A PODEROSA OAB QUE DE PODER SÓ TEM MESMO A QUESTÃO DO DINHEIRO, POIS SE DEFENDE TANTO A JUSTIÇA PORQUE NÃO A CUMPRE…
    SERÁ QUE SE OBRIGAR OS MEMBROS DA SUA CÚPULA A REALIZAR TAL EXAME , ELES CONSEGUIRIAM PASSAR… FICA A PERGUNTA…

  3. Jeremias disse:

    Só ano de 2050.

  4. Anonimo disse:

    Pessoal,
    infelizmente não acredito que seja declarada a inconstitucionalidade do Exame, o STF apenas admitiu o recurso, que será julgado mais a frente.
    Essa covardia que a OAB faz conosco vai continuar por muito tempo.
    Detalhe que tem advogado querendo entrar no processo apoiando a constitucionalidade do Exame.
    Eita medo de perder o mercado!!
    rsrsrs

    • Juvenal Antena disse:

      Quando vai ser o julgamento da constitucionalidade do Exame de Ordem?

      • Inacio Vacchiano disse:

        A ltima iformao que tivemos e que seria para este ms de fevereiro de 2011. Assim que tivermos maiores informaes a divulgaremos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s