Os crimes lesa pátria cometidos por FHC


FHC: FERNANDO HENRIQUE & CIA

Silvério dos Reis tucanóide pago pela Fundação Ford
Crime de lesa-Pátria
Lula afirmou que não vai para Paris ou Londres ao término de seu mandato. “Antigamente nesse país o governante errava, saía do governo e passava oito meses na Europa estudando, dando aula não sei aonde. Depois entrava outro, errava e acontecia o mesmo. Tenho consciência que meus amigos serão o conjunto dos trabalhadores brasileiros que me ajudaram a chegar à Presidência”. Embora o recado tenha sido diretamente para o FHCatástrofe, tenho dúvidas se Lula também não se encaixa neste perfil. Pelo que eu saiba, ele também participou, assinou e foi membro, por exemplo, do chamado “Consenso de Washington”. E faz muito tempo que não é mais trabalhador. Vive de doações de quem sabe quem. Mas, outro dia falarei sobre o petista.
O comentário do presidente vem justamento no momento em que, finalmente, estão falando mais claramente sobre as ligações canalhas de FHC com a Fundação Ford e o dinheiro da CIA, coisas que sempre acusei. Os livros “Fernando Henrique Cardoso, o Brasil do possível”, da jornalista francesa Brigitte Leoni (Editora Nova Fronteira, 1997) e “Quem pagou a conta? A CIA na guerra fria da cultura”, da autora inglesa Frances Saunders (Editora Record, 2008), mostram como FHC foi financiado pela agência de inteligência norte-americana, que sempre ajudou a desestabilizar vários governos progressistas e projetos nacionalistas no mundo todo. O primeiro é mais antigo, mas a conclusão é a mesma: FHC foi comprado para destruir o próprio país. E…nisto eu tenho que admitir: foi muito competente. Realmente soube liderar um processo canalha de “descontruição” do nosso Estado e de tudo de bom que havia no Brasil.

A primeira obra diz: “Numa noite de inverno do ano de 1969, nos escritórios da Fundação Ford, no Rio, Fernando Henrique teve uma conversa com Peter Bell, o representante da fundação no Brasil. Peter Bell se entusiasma e lhe oferece uma ajuda financeira de 145 mil dólares. Nasce o Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Desenvolvimento)”. O fato ocorreu dois meses após a ditadura militar baixar o AI-5. Outro trecho: “Centenas de novas cassações e suspensões de direitos políticos estavam sendo assinadas. As prisões, lotadas… E Fernando Henrique recebia da poderosa Fundação Ford uma primeira parcela de 145 mil dólares para fundar o Cebrap”. Com o dinheiro, Fernando Henrique se tornou “personalidade internacional” e passou a dar “aulas’’ e fazer “conferências” em universidades norte-americanas e européias. Era “um homem da Fundação Ford”. E o que era a Fundação Ford? O que sempre foi: “um dos braços da CIA, o serviço secreto dos EUA”. O livro de Saunders confirma: “Quem pagou os US$ 145 mil (e os outros) entregues pela Fundação Ford a Fernando Henrique foi a CIA”. Fundações como a Ford, a Rockfeller, a Carnegie, eram consideradas o tipo ideal para fazer a cabeça da “intelectualidade” em detrimento do Brasil e a favor dos EUA. E são as mesmas que hoje financiam a operação desestruturadora da economia nacional perpetrada pelas ONGs ambientalistas e pelo MST no Brasil. Aliás, perguntem aos organizdores do chamado”Fórum Social Mundial” quem pagou totas as versões em PortoAlegre do evento. Certo: a Fundação Ford. Com a participação da Fundação Rockfeller. Mais de 60% dos custos. Será por quê?

Mas, foi naquela época que tudo que ocorre hoje começou. A CIA financiava um leque aparentemente ilimitado de programas secretos de ação que afetavam grupos de jovens, sindicatos de trabalhadores, universidades, editoras e outras instituições privadas. O uso de fundações filantrópicas era a maneira mais convincente para transferir grandes somas para projetos da CIA, sem se alertar para a sua origem. O livro de Saunders diz que “a liberdade cultural não foi barata. A CIA bombeou dezenas de milhões de dólares.” Surgiu uma profusão de sucursais, não apenas na Europa, mas também noutras regiões: Japão, Índia, Chile, Argentina… e Brasil”. A ajuda financeira devia ser complementada por um programa concentrado de guerra cultural, numa das mais ambiciosas operações secretas da guerra fria: conquistar a intelectualidade ocidental para a proposta norte-americana”.
Não é por nada que FHC sempre não só defendeu, mas agiu engajadamente pela ação deletéria dos EUA na América Latina. Nos seus oito anos de reinado, a política externa regrediu para o “alinhamento automático”. Com sua ação servil, avançaram as negociações da Área de Livre Comércio das Américas (Alca), o projeto dos EUA de anexação colonial do região; e o Mercosul foi congelado. Ele também ratificou o acordo para implantação inconstitucional da base militar ianque em Alcântara (MA) e ressuscitou um tratado do período da “guerra fria”, o TIAR, que poderia levar o Brasil a participar da invasão imperialista do Iraque. Após os atentados de 11 de setembro, FHC autorizou a instalação de um escritório da CIA no Brasil que, hoje, paga diretamente ações da Polícia Federal brasileira. E, se paga, manda. Mas este é um tema que o grande jornalista Bob Fernandes já mostrou com competência. Voltarei depois ao assunto.
Depois que saiu do Planalto, o ex-presidente criou uma ONG com seu nome e com dinheiro de conglomerados financeiros que se beneficiaram com seu “governo”; e passou a prestar consultoria aos governos ianques. Junto com Carla Hill, ex-representante comercial dos EUA, ele coordenou um grupo sediado em Washington que alertou o George Bush para “os riscos da esquerdização da América Latina”, segundo artigo do Financial Times de fevereiro de 2005.
Mas, a verdade é que, para quem já leu algum livro de FHC (e o curioso é que ele jamais escreveu um livro sozinho. Sempre tem alguém de “parceria” que escreve tudo para ele assinar), não surpreende a ideologia anti-nacional do Fernando Henrique & Cia. Ele sempre se mostrou vulnerável às pressões internacionais e claramente permeável às teses pseudo-científicas orquestradas pelas mídias nacional e internacional; e sempre admitiu inúmeras interferências de autoridades estrangeiras sobre assuntos de nossa exclusiva competência, em todos os Campos do Poder Nacional, mas em especial sobre a Amazônia. Os fatos a seguir enumerados demonstram isso inequivocamente. O governo FHC e as suas decisões de índole indiscutivelmente “internacionalista”, durante os oito anos do seu desgoverno, fizeram o Brasil regredir à dependência da época da Rapública Velha, se empenhando – direta e pessoalmente – para:
– adjudicar a uma empresa norte-americana, a Raytheon, a implantação do nosso mais importante Projeto militar – o SIVAM (Sistema de Vigilância da Amazônia) – indiferente ao grave “perigo de lesão” que essa decisão impatriótica criaria quanto ao sigilo das Informações de Segurança Nacional, (do próprio SIVAM, assim como da região amazônica); 

– promover a “desestatização” da VALE DO RIO DOCE, empresa estatal que já detinha o direito de pesquisa e a autorização de lavra de aproximadamente 30 % do subsolo da Amazônia brasileira, permitindo que isso fosse feito a preço vil e para um ente binacional, no qual o braço estrangeiro é provavelmente majoritário;

– acelerar a “homologação” de gigantescas áreas da Amazônia como “terras indígenas”(que durante seu governo atingiram a uma área total de cerca de 1.000.000 km 2), acarretando grave “perigo de lesão” da Integridade Territorial e da Soberania plena do Brasil sobre aquela importante Região; além de facilitar e/ou permitir a freqüente e numerosa presença física de entes e pessoas estrangeiras no território da nossa Amazônia; e na leniência, tolerância e indiferença impatrióticas do seu Governo diante da ingerência de Altas Autoridades estrangeiras em assuntos relacionados a essa importantíssima área do território nacional;

– quebrar o monopólio estatal das atividades econômicas do petróleo e “flexibilizar” a PETROBRÁS,provocando nesta, em verdade, um profundo e extenso processo de fragmentação e contração (downsizing), tarefa impatriótica da qual encarregou o seu próprio genro, o Eng David Zylberstein;

– promover aceleradamente um amplo e irreversível mecanismo de “desestatização” das empresas públicas estratégicas federais e estaduais de Telecomunicações; levando a termo a “privatização” da TELEBRÁS, da EMBRATEL e das outras Teles estaduais, quase todas elas vendidas/doadas, incoerentemente, para empresas ESTATAIS de outros países;
– promover no Setor Elétrico, com grande açodamento, um improvisado e prejudicial processo de desestatização das distribuidoras e de algumas das principais geradoras de energia elétrica, simplesmente retalhando e desorganizando todo o Sistema Nacional de produção e distribuição de energia – decisão de viés internacionalista e privativista que foi o Gênesis dos apagões de agora, e vetor de uma severa recessão econômica e de agudo sofrimento para a massa de sociedade brasileira.

A Estratégia de Desequilíbrio Interno

Para completar a estratégia norte-americana de desestabilização e conquista do Brasil, não admira terem sido aprovadas, durante o governo apátrida de FH & Cia, reformas à Constituição de 1988 e demais medidas antinacionais de iniciativa do Executivo Federal nos últimos anos, em detrimento dos interesses do Pais e em benefício dos EUA e de suas transnacionais. Ou seja, as possibilidades de resistência brasileira vêm sendo minadas internamente com medidas inacreditáveis que vêm facilitando o projeto de ocupação da Amazônia pelas potências imperialistas, como as seguintes reformas muito bem lembradas pelo fundamental livro Globalização versus Desenvolvimento, do doutor Adriano Benayon, genial professor da UnB ( Universidade de Brasília):
1) eliminação da distinção legal entre empresas de capital nacional e de capital estrangeiro;
2) abertura da cabotagem a armadores estrangeiros, coisa que nenhum país desenvolvido e independente admitiria adotar hoje.
3) supressão do monopólio da União sobre o petróleo, criando futuras possibilidades de uma intervenção norte-americana em nosso País com a desculpa de proteger interesses de empresas ianques de petróleo, como aconteceu em 1848, quando, para defender as empresas petrolíferas norte-americanas no Texas, os EUA anexaram aquela região em detrimento do México;
4) entrega dos sistemas de telecomunicações e energéticos às empresas estrangeiras, daí os “apagões” que colocaram o País de joelhos. Um sistema de concessões que permite entregar o patrimônio público à gestão de empresas privadas multinacionais, por longo tempo, para que elas explorem serviços, sem estabelecer regulamentação e sistemas de controle capazes de assegurar um mínimo de responsabilidade no cumprimento de obrigações por parte das concessionárias, provocando graves situações para a população como a “inesperada” crise energética. Isso abrange setores vitais como o transporte ferroviário e rodoviário, a eletricidade, o fornecimento de gás, energia, água, saneamento, etc.., que numa eventual guerra são setores estratégicos e delicados por questões óbvias;
5) leis, tratados e decretos que completam as medidas antinacionais, como a aprovação dos acordos do GATT e a adoção dos dispositivos constitutivos da OMC, coisas que eliminam a autodeterminação do Pais no amplo espectro da política econômica, subordinando-a às forças estrangeiras e colocando-a em conformidade com uma postura de subserviência aos EUA, ao determinar ampla abertura comercial à penetração externa nos serviços e nas propriedades industrial e intelectual, bem como nos investimentos e movimentos de capital de todo tipo;
6) votação e sanção de lei de propriedade industrial redigida nos EUA, traduzida e somente depois emendada ao gosto das multinacionais atuantes no Brasil, sobretudo os oligopólios da química fina e setor farmacêutico. Lei estúpida que impede o desenvolvimento tecnológico e produtivo brasileiro em áreas vitais, como a alimentação e a saúde, abrindo a possibilidade de controle das futuras descobertas de princípios ativos extraídos da floresta amazônica;
7) outorga de monopólio às multinacionais sobre o patrimônio das plantas e seres vivos de nosso ecossistema, além de incluir a biotecnologia, permitindo o patenteamento até de genes, concedendo monopólio de longa duração aos titulares das patentes em caráter retroativo (basicamente as multinacionais, inclusive as registradas no exterior). Protege também o segredo tecnológico (obviamente não patenteado) e veda a verificação dos contratos de transferência das tecnologias, excluindo o controle do Estado quanto à imposição pelas multinacionais das cláusulas restritivas;
8) acordos na área nuclear baseados no chamado “Princípio Tripartite”, de que foram partes também a Argentina e a Agencia Internacional de Energia Atômica (AIEA), baseadas nas Resoluções Modificativas às Salvaguardas do Acordo de Tlatelolco. Ambos, firmados pelo ltamaraty e aprovados pelo Senado Federal (1994), aumentam a submissão do País ao apartheid tecnológico e determinam inspeções a quaisquer instalações industriais, passíveis, segundo a AIEA, “de abrigar desenvolvimento de capacidade nuclear” que poderiam ameaçar os interesses militares norte-americanos de conquista de partes do território brasileiro.
9) E há, ainda, a Lei 9.112. de 1995. que submete a exportação de bens e serviços sensíveis, nos moldes das leis dos EUA, ao controle de órgãos federais, sob influência de organismos internacionais. Um simples parafuso da indústria civil pode ser componente também de um produto de defesa, tudo podendo, portanto, ser objeto de controle internacional. O País, barrado pelo modelo dependente de acesso à tecnologia industrial, passou, assim, de por à disposição de forças estrangeiras os poucos avanços que realiza. Tem de pedir o consentimento prévio de seus recursos justamente para aqueles que representam uma ameaça à nossa Soberania;
10) criação de agências federais no setor elétrico e no do petróleo, por leis que concedem às respectivas diretorias poderes para entregar recursos públicos do BNDES ( capitalizados junto aos contribuíntes) sem restrições quanto aos ganhos dos concessionários, e sem garantia de ressarcimento dos investimentos públicos, descapitalizando e endividando o Estado em benefício dos lucros privados das multinacionais, ou seja, a velha socialização de perdas e capitalização de lucros. Como explicar à sociedade que o dinheiro público financia, via BNDES, a compra do que se vende? Como entender que o governo gastou R$ 21 bilhões para sanear a Telebras e vendeu-a por R$ 22,2 bilhões? Descapitalização esta que vem comprometendo gravemente, além da área social, os investimentos em equipamentos e treinamento estratégico das Forças Armadas na defesa de nosso território;
11) o mais escandaloso programa de privatizações do mundo, amparado por leis, decretos e medidas provisórias juridicamente questionáveis. Ainda assim, na execução do programa, os Executivos federal, estadual e municipal, cometeram ilegalidades, contestadas, entre outros, por membros do Ministério Público. Entretanto, as ações para sustar os danos ao patrimônio público, não contaram com remédios efetivos por parte do Judiciário, a não ser em decisões de instâncias menores, cassadas nos tribunais superiores; entre outras tantas medidas energúmenas que não tenho espaço agora para listá-las… .
E o pior é que Lula, com a popularidade que tem, poderia reverter toda essa ignomínia tucana, mas, não. Prefere aprofundar tudo. Tristeza!!!
Esse post foi publicado em Notícias e política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s