No Ritmo das manifestações: Na sede do CFOAB Bacharéis pedem anulação da peça de tributário #FIMEXAMEOAB #examedeordemINCONSTITUCIONAL #CPIdaOAB


justicaemfoco

Em Brasília, os bacharéis em direito entraram no ritmo das manifestações. Bacharéis e alunos da Faculdade Processus – acompanhados da professora Christina Barreiros, estiveram hoje Sexta-feira (21/06), na sede do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB), onde foram recebidos pelo presidente do CFOAB Marcus Vinícius Furtado. 

Em entrevista ao site Justiça em Foco, a professora Christina Barreiros, disse que os bacharéis pedem anulação da peça de direito tributário por ilegalidade. 

A reunião no CFOAB durou duas horas. A professora comunicou que a OAB, irá receber novamente, para entregar um dossiê que vem sendo redigido a nível nacional, com apoio do professor Pedro Barretto, na próxima quarta-feira (26/6), às 11 horas na sede do CFOAB, disse Christina Barreiros. 

As futuras advogadas, Lorena Garcia e Raquel Fabian ao lado de outros colegas falaram da satisfação em poder participar da manifestação pela anulação da peça de direito tributário. Em pouco tempo, o movimento  conquistou apoio de outros profissionais, a exemplo do ex-presidente do Conselho Regional de Administração do Distrito Federal, administrador Tiago Mendes, que passava no local.

Formado em direito pela Universidade Católica de Brasília, o bacharel Paulo Amorim, participou da prova relativa à 2ª fase.  “O enunciado da prova – Direito Tributário, ficou tão confuso, ou seja, uma Salada de letrinhas, para reprovar mesmo”, disse Paulo.




Esse post foi publicado em A Marcha dos Bacharéis, EXAME DE ORDEM e marcado , , . Guardar link permanente.

8 respostas para No Ritmo das manifestações: Na sede do CFOAB Bacharéis pedem anulação da peça de tributário #FIMEXAMEOAB #examedeordemINCONSTITUCIONAL #CPIdaOAB

  1. EDSON BISPO disse:

    A GRANDE REALIDADE É QUE A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL NÃO QUER LARGAR O OSSO, QUE É DE REPRESENTAR O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA, QUE NÃO REPRESENTA NADA, PORQUE O MEC CONTINUA RECONHECENDO OS DIPLOMAS DOS BACHARÉIS EM DIREITO, SE AS FACULDADES SÃO DE PÉSSIMA QUALIDADE, PORQUE CONTINUA O MEC AUTORIZANDO A ABERTURA DE MILHARES DELAS, PORQUE É CONIVENTE COM A OAB, É O CHAMADO LOBE, QUE BENEFICIA CURSINHOS E OS INTEGRANTES DA OAB, COMO DIVERSOS POLÍTICOS E JURISTAS, TANTO DOS PODERES EXECUTIVO, LEGISLATIVO, JUDICIÁRIO E DA CÚPULA DA OAB, ISTO É VERGONHOSO E NOJENTO !
    EDSON BISPO

  2. Daniel Carioca disse:

    1) O MEC autoriza faculdades a funcionarem e as fiscaliza;
    2) as faculdades ministram os cursos cumprindo as regras estabelecidas e fiscalizadas pelo MEC;
    3) a OAB fiscaliza escritórios onde são realizados estágios e participa de avaliação na fase final do curso de Direito; e
    4) aulas são ministradas por professores juízes, desembargadores, membros do Ministério Público, Defensores Públicos, advogados, registrados na OAB e sujeitos às suas responsabilidades, e outros agentes públicos do mundo jurídico de várias áreas.

    Cumpridas estas etapas, alguém argumentar que este aluno não tem condições de exercer a profissão para a qual se formou é admitir de forma sumária a falência das instituições, irresponsabilidade ou até leviandade do corpo docente e das instituições envolvidas. Discordo totalmente destas hipóteses.

  3. BACHAREL FIRMO NOGUEIRA disse:

    Sou contra o Fim do Exame de Ordem, mas totalmente a favor de uma prova justa, que tente medir realmente o conhecimento, isso a OAB nunca fez, quem sabe agora com essa nova Gestão, os pensamentos sejam mais dignos, fiz a Prova de Tributário, APELEI….mas sei não hein… afinal ninguém sabe…nem os grandes mestres conseguiram entrar em consenso, quem diria eu um simples BACHAREL!

  4. Elço Ferreira dos Santos disse:

    Fico pensando a Pec 37 que quer tirar o MP da investigação criminal, o que fez o MPF em favor dos bachareis de direito, estou falando do sr. Gurgel que com medo dos Ministros do STF, declarou ser o exame constitucional, ou seja rasgou o principio da Isonomia, seria justo agora os bachareis apoiar a PEC 37, quem bate esquece, mas quem apanha não esquece.

  5. antonio carlos dias de oliveira disse:

    É exatamente isso Marcio os professores das faculdades são coniventes, e medrosos, a OAB os chamam de burros e eles nada fazem, ainda continuam concordando com esse exame. Se esse exame continuar, para avacalhar com tudo, o Dep. Eduardo Cunha tinha que apresentar projeto para que esse exame fosse obrigatorio para todos os cursos, e tambem a cada 5 anos para quem esta trabalhando. Nesse projeto os professores tambem são obrigados a teremas suas inscricoes nos seus respectivos conselho de classe, e que a faculdade fica obrigada no final do curso dar cursinho de graça ate que o aluno passe no referido exame. No Brasil para aprender as pessoas teem que provar do proprio veneno, pimenta só arde nos olhos dos outros. Pensem nisso, tal vez seja uma solução ameaca-los dessa forma.

  6. LUIZ GONZAGA FERREIRA disse:

    Ao observar as notícias referente ao X Exame de Ordem, não tenho como demonstrar minha revolta e indignação contra tal Exame. Vamos lá.
    Minha esposa foi acometida de câncer de mama em 2004, justamente no ano em que iria colar grau (inclusive tendo defendido minha tese monográfica), larguei tudo para dedicar-me a sua cura o que graças a Deus conseguimos.
    Em 2008 perco meu emprego (estou atualmente com 61 anos).
    Em 2010 sofre minha esposa novo câncer, dessa vez de ovário e útero, e novamente voltamos ao INCA e mais uma vez Deus olhou por nós e minha esposa foi salva.
    Com enorme vontade de me formar para entrar no mercado de trabalho consegui colar grau.
    Mais uma vez, em 2011, o destino me reserva outra situação da qual não pude fugir e na condição de pai, cedi um rim para meu filho que teve paralisação total dos rins.
    DA REALIZAÇÃO DOS EXAMES DE ORDEM
    Nesse ínterim tentei fazer o exame de ordem, mas fui reprovado na 1ª fase (obtive 34 pontos) e em função da operação, não pude prestar novo exame.
    Em maio de 2012, prestei novo exame e obtive aprovação na 1ª fase (43 pontos), ficando em êxtase, junto com minha família, mas minha alegria durou pouco pois na 2ª fase (eu optei por tributário), Fui reprovado ZERANDO minha peça (entendi ser cabível anulatória com antecipação de tutela) e apresentaram uma MS com liminar.
    Interpus recurso e, em apenas uma e mísera linha, confirmaram que o espelho apresentado pela banca (MS) estava correto e, isto posto, indeferiram meu recurso.

    Resposta da banca ao meu recurso “Peça corretamente corrigida conforme o padrão de gabarito divulgado”.

    Ainda, insatisfeito, mas esperançoso acessei a correção da prova e para minha surpresa tinham corrigido e aplicado nota final 1,5 (um e meio) em minha peça. Confrontando as correções do MS, minha 1ª correção (ZERO) e a 2ª (1,5) pude perceber a incoerência na aplicação das faixas de valores, consideradas sempre para baixo, o que com um pouco de boa vontade eu poderia obter minha aprovação, visto que por zelar na construção da peça, quase perco o tempo para as repostas das demais questões.
    Apresentei minha peça a alguns “colegas advogados” e foram unânimes em apontar que minha peça estava bem estruturada, limpa e não traria nenhum prejuízo ao meu cliente, atendendo perfeitamente aos seus anseios.
    Qual não é a minha surpresa ao tomar conhecimento de que no IX Exame de Ordem, a banca examinadora considerou a confecção das duas peças, ou seja, MS e/ou Anulatória, sendo que a mesma situação já tinha ocorrido no IV Exame de Ordem,com aceitação das duas peças pela banca examinadora.
    Agora no X Exame de Ordem a situação se repete, na prova de tributário, a vontade de complicar era tão grande que os examinandos não sabiam qual peça confeccionar.

    NÃO FIZ CURSINHO, MAS PARA ACOMPANHAR A TENDÊNCIA DOS EXAMES DITADA PELOS SEUS DONOS, COMPREI O LIVRO DO SR. DR. PEDRO BARRETTO (2ª FASE -TRIBUTÁRIO) ANO 2012, QUE NAS PÁGINAS 453/454, ORIENTA QUE NA AÇÃO DE ANULATÓRIA A FUNDAMENTAÇÃO A SER APRESENTADA É – ARTS. 273, 282 E 585, § 1º, DO CPC, ART. 151, V, C/C O ART. 156, X, DO CTN E ART. E ART. 38 DA LEI 6830/1980.

    Agora vejo em manchete que a reunião no CFOAB durou duas horas. A professora comunicou que a OAB, irá receber novamente, para entregar um dossiê que vem sendo redigido a nível nacional, com apoio do ” professor PEDRO BARRETTO “, na próxima quarta-feira (26/6), às 11 horas na sede do CFOAB, disse Christina Barreiros.

    Tal professor é o mesmo de quem comprei sua obra e acabei reprovado e agora vai apoiar um dossiê que será apresentado à nivel nacional pelo CFOAB, viu só professora Christina Barreiros.
    Por quê não consegui aprovação?
    Tenho toda documentação para e aguardo que seja aplicado o princípio da isonomia e a mais pura justiça.
    Continuo desempregado, minha esposa que ainda é monitorada pelo INCA chora pela minha situação, estou morando com meus pais e vivo num quarto (eu, minha esposa e meu filho de 18 anos), não tenho mais carteira de estagiário e estou nesse hiato criado pela OAB, ou seja, não posso exercer a profissão que escolhi e que se houvesse um pouco de boa vontade da banca examinadora eu poderia ser aprovado e não mereço essa expiação e como os feudos da OAB passam para a mídia a numerosa reprovação é devido ao despreparo das faculdades.
    Não sou vagabundo e como relatado toda prova da Ordem é essa bagunça.
    Esse é um desabafo desesperador, tendo em vista não ter condições psicológicas e financeiras para participar de novo exame.

  7. Helena Nunes disse:

    Fim do exame da ordem já!
    Revolução dos Bacharéis já!
    Marcha para Brasília já!

  8. MÁRCIO MOURA disse:

    Não interessa “Exame” mais justo, o que interessa é o Fim dessa “Excrescência” denominada exame da desordem. A professora em questão, com o devido respeito, ela está defendendo o seu interesse financeiro de continuar lecionando para a maquina de fazer dinheiro que se chama essa “Aberração Constitucional’ exame da OAB. Em nenhum momento está se defendendo a extinção desse último “Atentado Ditatorial e Inconstitucional” que se implantou no Brasil em 1994, apenas questionando uma Peça de Direito Tributário ou um exame mais justo. Defenda o Fim desse “Câncer”, dessa anomalia Imoral e Inconstitucional exame da desordem. Mitigar com o Pres. da OAB um exame mais justo, com certeza para não perder os 76. Milhões arrecadados por ano, é claro que será refeito sem dúvida. Qualquer Constitucionalista serio, sabe que esse exame é uma Agressão a nossa Carta Magna.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s